topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Sep   October 2016   Nov
SMTWTFS
   1
  2  3  4  5  6  7  8
  9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Mudanças climáticas, causas e conseqüências econômicas Imprimir E-mail
Escrito por Guilherme C. Delgado   
Segunda, 16 de Abril de 2007
Recomendar

 

Há uma crescente produção de consenso na comunidade científica especializada sobre as causas humanas que provocam mudanças climáticas, associadas ao chamado efeito-estufa. Essas causas, por sua vez, estão fortemente correlacionadas aos padrões vigentes de produção industrial e consumo de energia, cuja conseqüência direta ou indireta seja elevar a emissão dos teores de monóxido de carbono na atmosfera.

 

Ao enorme avanço em métodos e técnicas da pesquisa climatológica que permitem medir com precisão as causas provocativas do aquecimento global e, a partir destas, suas conseqüências para as mudanças climáticas – principalmente em regimes pluviométricos, nível de água dos oceanos, probabilidade de elevação da intensidade dos tufões e ciclones etc. –, praticamente nenhum ou muito pouco avanço de pesquisa tem havido para desvendar as causas das causas disso tudo. É bem verdade que, recentemente, o governo britânico divulgou relatório técnico-científico prospectivo sobre conseqüências econômicas do aquecimento global, prevendo e medindo para os próximos 50 a 100 anos os efeitos econômicos catastróficos desse aquecimento para a economia global. Mas, tirante os apelos para redução da emissão do monóxido de carbono, pouco avanço se fez na reflexão sistemática sobre os padrões de utilização de recursos naturais, produção industrial e consumo de energia, que provocam ou agravam o efeito estufa.

 

Mudanças climáticas, quando saem da prancheta dos cientistas e ingressam no debate público, têm conseqüências que vão mais além daquelas previstas pelos cientistas do clima. Em geral, o público, devidamente alertado pela grande mídia, tende, com razão, a temer pelas conseqüências que afetam sua vida quotidiana. E no Brasil há muito receio, pelo que transmite a mídia televisiva, sobre as conseqüências dos regimes de chuvas para destruição de parte da floresta amazônica, desertificação do semi-árido, ou ainda sobre a elevação do nível dos mares, afetando grande parte das cidades situadas em zonas baixas da orla marítima.

 

Essa mesma mídia que transmite sobre catástrofes previsíveis – fundamentadas ou meramente conjeturais - pouca atenção presta à maneira como as economias industriais dominantes, tendo os Estados Unidos como protagonista, tratam dessa questão.

 

Por que não se avançou na implantação do Protocolo de Kyoto, ou na substituição das fontes de energia não renováveis, principalmente do petróleo; na mudança dos “standards” de consumo e desperdício de energia que a sociedade norte-americana elegeu por paradigma – e o resto do mundo imita?

 

Não há nenhuma evidência de que o capitalismo globalizado, pelas suas próprias estratégias, esteja dando respostas eficazes às crises planetárias que as mudanças climáticas já provocam e tendem a maximizar. Mas há esperança que a sociedade humana engendre novos paradigmas na economia política mundial – onde não apenas as conseqüências, mas também as causas do aquecimento global possam ser tratadas com novos métodos de organizar a produção e o consumo de bens econômicos –, de forma consentânea com uma ecologia não predatória da vida planetária.

 

 

Guilherme C. Delgado, economista do IPEA, é membro da Comissão Brasileira de Justiça e Paz.

 

Para comentar este artigo, clique comente.

 

Recomendar
Última atualização em Qui, 19 de Abril de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates