topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Apoteose da maracutaia Imprimir E-mail
Escrito por Léo Lince   
Terça, 29 de Janeiro de 2008
Recomendar

 

 

“Privataria”: neologismo forjado pelo surpreendente Élio Gáspari para definir a característica essencial do processo de privatizações em curso na atual quadra da vida brasileira. Trombeteado pelo Collor e consolidado, na seqüência, por FHC e Lula, tal processo articula a transferência de patrimônio e de recursos públicos, além da possibilidade de ganhar dinheiro rápido e fácil com a exploração de serviços essenciais, para as mãos dos piratas do poder privado.

 

“Telegangue” e “rataiada”: termos de calão baixo postos em curso pelo famoso Mendoncinha, aquele que acionava o martelo nos leilões da entrega durante o surto tucano do processo. Ele operava, segundo revelação dos “grampos” da época, “nos limites da irresponsabilidade”, ainda assim não conseguiu evitar que um grupo, exatamente o que agora cresce sob a égide lulista, ganhasse um dos leilões fora do combinado. Ficou puto e xingou com carregado sotaque paulista.

 

“Maracutaia”: expressão popular nordestina que o presidente Lula, quando sua opção preferencial parecia ser outra, ajudou a espalhar no vocabulário político nacional como uma espécie de súmula sonora de tudo que é feio e torto.

 

“Negociata é aquele negócio do qual não participamos”: deliciosa vinheta onde o humor corrosivo do inesquecível Barão de Itararé define o desmaio dos valores imateriais diante da investida poderosa do interesse puro.

 

“A lei, ora a lei”: sentença antiga que consolida, em nossa tradição de burla sistemática aos valores republicanos, a idéia de que a lei não passa de um chicote para disciplinar os de baixo.

 

“Grupo Oi/Telemar”: magote de barões da privataria que galopa na prosperidade de uma das “capitanias hereditárias” da telefonia privatizada. Entre os principais acionistas está a antiga construtora mineira, Andrade Gutierrez, a maior financiadora da última campanha do PT. Só no declarado na justiça eleitoral, em 2006, foram R$ 7,92 milhões. E o grupo La Fonte, Carlos Jereissati, alvo dos xingamentos de Mendoncinha e descobridor de talentos: apostou milhões na Gamecorp (Lulinha de sócio) como um “negócio promissor”.

 

Os jornais, no alvorecer deste ano, noticiaram a iminência de mais um meganegócio que, se realizado, vai promover novo rearranjo na estrutura de mando na telefonia brasileira: a compra da Brasil Telecom pela Oi/Telemar. A lei vigente, inventada para facilitar a primeira fase do processo, proíbe o negócio, mas os laboratórios que articulam corporações e titulares do poder político já estão providenciando o ajuste da lei às conveniências do momento. Até um verniz nacionalista (empresa nacional) foi providenciado. Ralo e quebradiço, certamente não resistirá ao sol da primeira primavera. 

 

Tudo tramita de acordo com o modelo: financiamento do BNDES, participação dos fundos de pensão, sob comando da malha que articula os barões da privataria com os varões da República. Para se ter uma idéia do tamanho da bocada, o faturamento anual presumido do novo aglomerado é calculado em R$ 40 bilhões, uma CPMF por ano em bolsos privados. Aproveitando o clima carnavalesco, junte ao seu gosto os ingredientes dos parágrafos acima e se prepare para o desfecho: a rica evolução do monopólio privado na apoteose da maracutaia. 

 

 

Léo Lince é sociólogo.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates