Uribe se sustenta nos EUA e na satanização das FARCs

0
0
0
s2sdefault

 

Manter-se bem informado nos dias atuais não é tarefa difícil para aqueles que dispõem de mínimos recursos e conseqüente acesso aos distintos e tão variados meios de comunicação. Mas o que é exatamente estar bem informado?

 

Tomar ciência dos acontecimentos é, certamente, o primeiro passo. Ocorre, no entanto, que até mesmo por hora dessa tomada de conhecimento já se está diante de um arcabouço interpretativo que, na grande maioria das vezes, é parcial e tendencioso. Pior: parcial e com clara predominância de uma das partes em jogo, geralmente aquela mais ligada aos interesses poderosos, mas nem por isso com maior representatividade social.

 

As atuais análises quanto ao cenário político colombiano, em função das negociações para a liberação dos reféns em poder das FARCs, dão uma demonstração cabal dessa situação. Expõe-se Chávez, o presidente venezuelano, como defensor do terrorismo, na medida em que advoga a atuação do movimento como insurgente, e não terrorista; e o presidente colombiano Álvaro Uribe como intransigente na defesa da ordem.

 

Nem é preciso ideologizar essa discussão para extrair-lhe o caráter primário. São muito poucas, pra não dizer praticamente inexistentes, as situações da vida que levam a extremos do tipo ‘cara ou coroa’.

 

Ademais, para os observadores que buscam, ou ao menos não se recusam, aprofundar seu olhar, salta à vista a) a ausência de alusões quanto à origem e sentido histórico da atuação da ‘guerrilha’ ou ‘movimento insurgente’; b) a extensa cobertura jornalística sobre o tratamento dispensado às vítimas de seqüestro das FARCs, enquanto não se profere palavra quanto às ações de paramilitares e à ligação desses com o governo Uribe, que para muitos estudiosos configuraria um verdadeiro terrorismo de Estado na Colômbia; c) e, ‘last but not least’, a completa indiferença frente ao tema da interferência dos EUA na pacificação da região, cujos interesses em patrocinar o Plano Colômbia passam obviamente ao largo dos direitos humanitários.

 

Tentando entender autenticamente a explosiva situação que atravessa o vizinho latino-americano - no qual uma grave crise humanitária reforça as históricas contradições sociais, políticas e econômicas de nossos países da América Latina -, divulgamos as análises de Altamiro Borges, Hugo Paternina Espinosa e Emir Sader.

 

Para aprofundar a compreensão da problemática colombiana, sugerimos ainda a releitura das entrevistas concedidas ao Correio pelos colombianos Pietro Alarcón, sob o título ‘Plano Colômbia, Oligarquia versus Nação’, em 2000, nas edições de número 221 e 222 (clique aqui para acessar a entrevista da edição 221 e novamente aqui para acessar a entrevista da edição 222), e Carlos Lozano Guillén, sob o título Uribe impõe Terrorismo de Estado na Colômbia’, em agosto de 2004, na edição de número 409 (clique aqui para acessar a entrevista na edição 409).
{moscomment}

Comentários   

0 #4 Uribe se sustenta nos EUA...marcos pinto basto 30-01-2008 21:58
Há dias comentei sobre o perigo que Uribe representa para América Latina, servindo os interesses invasores dos EUA, mas nada foi publicado, nem posso imaginar o motivo. Será que é proibido falar mal de Uribe e dos yankees?
Citar
0 #3 FantochesRonaldo Irion Dalmolin 25-01-2008 16:31
Infelizmente, na América Latina os fantoches e acólitos dos ianques saem pelo ladrão!
Para ver o que faz uma ditadura midiática bem estruturada...
Citar
0 #2 Sem apoio popular, Uribe se sustenta nosMarcos Pinto Basto 25-01-2008 09:33
Álvaro Uribe é mais um traidor da pátria colombiana que serve os interesses invasores dos EUA em relação aos outros países da América Latina. As FARC são a demonstração que o povo colombiano não aceita vendilhões da pátria, nem invasores mascarados de assessores militares. Nunca a guerrilha foi derrotada quando tem apoio popular e os EUA já sentiram isso na pele quando se intrometeram no Vietnam, como são incapazes de aniquilar as FARC ou os patriotas iraquianos que continuam lutando por sua pátria. Os líderes sul-americanos já deveriam ter defenestrado Uribe porque este presta-se a servir de testa de ferro dos yankees. Mais um traidor sujo!
Citar
0 #1 VIOLENCIA JAMAISFUNDAÇÃO INSTITUTO DE DIREITOS 25-01-2008 06:46
Nós intelectuais - nós porque sou Doutor em Direito pela Universidade Complutense de Madrid, fui professor da Universidade Federal da Bahia e da Universidade do Estado da Bahia - estamos acostumados a procurar ou tentar, ainda que cientificamente, justificar todo e qualquer fato social.
Como justificar sequestros e a consequente reclusão de pessoas que jamais comprometeram a segurança de grupos sociais ou de pessoas?
Para esta Fundação Instituto de Direitos Humanos nada, abosultamente nada, justifica a prática de violência contra ser humano, quer seja praticada por agentes do Estado, por grupos guerrilheiros ou por grupos insurgentes.
Como podemos buscar a PAZ, exigir a igualdade social, o exercício da liberdade, se praticamos violência?
Não tomem este posicionamento da FUNDAÇÃO IDH como uma defesa do Estado, quer seja Colombiano, Venezuelano ou Brasileiro.
Os princípios e os valores dos DIREITOS HUMANOS devem ser exercidos, e praticados, por cada ser humano, individualmente -reforço - para construirmos uma sociadade (mundial)justa, livre e solidária.
Um forte abraço para todos.
Hélio Mendes Cazuquel, Presidente da Fundação Instituto de Direitos Humanos. (Salvador - Bahia)
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados