A febre amarela divulgada

0
0
0
s2sdefault

 

 

No século XVIII não há registro de epidemia de febre amarela no Brasil, apenas casos isolados. Em 1892, porém, a moléstia matou 1.742 pessoas na cidade de Santos, em São Paulo. Em 1896, 788 pessoas morreram em Campinas. Em um só dia do verão de 1894, 59 pessoas faleceram no Rio de Janeiro. Entre 1897 e 1906, na então capital do país, 4 mil imigrantes morreram do temível mal.

 

Uma das filhas do presidente Rodrigues Alves morrera de febre amarela. Seu empenho em debelar a doença levou-o a apoiar Osvaldo Cruz numa campanha agressiva, gostassem ou não a população e os jornais naquele início de século XX. O termo “campanha” era proposital, como explica Moacyr Scliar em seu livro “Do mágico ao social: trajetória da saúde pública”. Associava-se a campanha militar, o que traduzia o “caráter organizado, autoritário, do trabalho a ser realizado”.

 

Em 1908, declarou-se erradicada a febre amarela no Brasil, o que não correspondia bem à verdade. Sobretudo no norte do país continuaram existindo focos da doença. E, como alertou o médico e escritor Pedro Nava num de seus livros, qualquer epidemiologista sabe que moléstia infecciosa alguma está totalmente extinta...

 

Quase um século depois, houve 18 mortes em 1999, e 39 em 2000. Entre 2001 e 2007 registraram-se 63 casos fatais. Em 2004, o doutor Dráuzio Varella contraiu a febre amarela numa de suas viagens à Amazônia. “Bobeei”, como disse em entrevistas, com sinceridade e humildade. Quase morreu, e aproveitou a ocasião para escrever um novo livro: “O médico doente”.

 

Começo de 2008, a febre transformou-se em notícia urgente, renitente e recorrente. A população e seu medo inconsciente de voltar ao século XIX, sofrendo o que os nossos avós e bisavós sofreram. A febre propalou-se muito mais pela mídia do que por qualquer outro meio de disseminação. A corrida aos postos de vacinação reflete a onipresença e insistência da notícia. Se redundasse em imunização ouvir mais de cinco vezes por dia que a febre amarela quer recuperar o espaço perdido, bastaria assistir aos telejornais.

 

Mais do que surto, será apenas um susto? O susto é bom; previne. Sinal também de que a população valoriza a informação. Por outro lado, várias secretarias de saúde observam que muitos se vacinam sem necessidade. Pessoas que já haviam recebido a vacina nos últimos 10 anos fazem questão de “garantir”...

 

 

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor.

 

Web Site: www.perisse.com.br

{moscomment}

Comentários   

0 #1 Mais uma do PIG, qual será a próxima ?miron 16-01-2008 14:09
Tudo não passa de mais uma campanha sórdida da mídia (PIG), contra o governo do Presidente Lula, o maior presidente da história do Brasil. E as principais vítimas desas desinformações da mídia são o próprio povo, a quem o PIG se arvora de defensor. Qual será a próxima "epidemia" ? Será a "Epidemia das Formigas Assassinas ?"
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados