topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A febre amarela divulgada Imprimir E-mail
Escrito por Gabriel Perissé   
Terça, 15 de Janeiro de 2008
Recomendar

 

 

No século XVIII não há registro de epidemia de febre amarela no Brasil, apenas casos isolados. Em 1892, porém, a moléstia matou 1.742 pessoas na cidade de Santos, em São Paulo. Em 1896, 788 pessoas morreram em Campinas. Em um só dia do verão de 1894, 59 pessoas faleceram no Rio de Janeiro. Entre 1897 e 1906, na então capital do país, 4 mil imigrantes morreram do temível mal.

 

Uma das filhas do presidente Rodrigues Alves morrera de febre amarela. Seu empenho em debelar a doença levou-o a apoiar Osvaldo Cruz numa campanha agressiva, gostassem ou não a população e os jornais naquele início de século XX. O termo “campanha” era proposital, como explica Moacyr Scliar em seu livro “Do mágico ao social: trajetória da saúde pública”. Associava-se a campanha militar, o que traduzia o “caráter organizado, autoritário, do trabalho a ser realizado”.

 

Em 1908, declarou-se erradicada a febre amarela no Brasil, o que não correspondia bem à verdade. Sobretudo no norte do país continuaram existindo focos da doença. E, como alertou o médico e escritor Pedro Nava num de seus livros, qualquer epidemiologista sabe que moléstia infecciosa alguma está totalmente extinta...

 

Quase um século depois, houve 18 mortes em 1999, e 39 em 2000. Entre 2001 e 2007 registraram-se 63 casos fatais. Em 2004, o doutor Dráuzio Varella contraiu a febre amarela numa de suas viagens à Amazônia. “Bobeei”, como disse em entrevistas, com sinceridade e humildade. Quase morreu, e aproveitou a ocasião para escrever um novo livro: “O médico doente”.

 

Começo de 2008, a febre transformou-se em notícia urgente, renitente e recorrente. A população e seu medo inconsciente de voltar ao século XIX, sofrendo o que os nossos avós e bisavós sofreram. A febre propalou-se muito mais pela mídia do que por qualquer outro meio de disseminação. A corrida aos postos de vacinação reflete a onipresença e insistência da notícia. Se redundasse em imunização ouvir mais de cinco vezes por dia que a febre amarela quer recuperar o espaço perdido, bastaria assistir aos telejornais.

 

Mais do que surto, será apenas um susto? O susto é bom; previne. Sinal também de que a população valoriza a informação. Por outro lado, várias secretarias de saúde observam que muitos se vacinam sem necessidade. Pessoas que já haviam recebido a vacina nos últimos 10 anos fazem questão de “garantir”...

 

 

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor.

 

Web Site: www.perisse.com.br

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates