topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O natal de Jonatan Imprimir E-mail
Escrito por Wilson Aparecido Lopes   
Sexta, 21 de Dezembro de 2007
Recomendar

 

 

Ando pelas ruas e vejo lojas enfeitadas, casas com luzes coloridas, shopping-centers esbanjando exuberância, poder e riqueza. Todos anunciam: o natal chegou. Se será bom ou não, as estatísticas antevêem. O termômetro para medi-lo é o consumo. O frenesi do povo na rua dá o ritmo e as notícias aceleram ainda mais o corre-corre. Quem não comprar seu presente a tempo terá cometido pecado grave, imperdoável, porque simplesmente não terá consumido. O consumo faz com que o prazer de se presentear alguém fique relegado a segundo plano, importa consumir.

 

“Mamon” ordena: gastem. E sem nenhuma resistência, os “escravos do consumo desmedido” se atropelam dentro das lojas, para não desobedecer a sua ordem. O importante é abocanhar as liquidações e as promoções. Se se faz necessário não importa, importa adquirir. Cegadas pelo fascínio que o mercado provoca, as pessoas mal têm tempo para pensar. Ocultar a realidade do mundo à sua volta e aprisioná-las no grande templo do consumo, é justamente o objetivo de “Mamon”. Nada mais podendo intuir fora dele, o máximo que podem fazer é cultuá-lo como a um “deus”.

 

Consumir chega a ser um imperativo, o único grito que se ouve. Tudo o mais passa despercebido e o consumidor repete em uníssono: “o mercado sou eu”. Poucas pessoas se dão conta das falcatruas do governo para aprovar um imposto que não retornará a elas, mesmo que a propaganda seja em seu nome. Algumas apenas têm conhecimento da voracidade do agronegócio sobre nossas reservas ambientais, nossa água e nossa soberania. Dá para contar nos dedos das mãos as que têm conhecimento de que um bispo está prestes a morrer, para defender a vida de um povo e de um rio, contra a ganância das empreiteiras, das multinacionais do agronegócio e a teimosia de um governo que deseja a qualquer custo ver concluída uma obra faraônica. Somente os mais próximos sabem que a polícia deixou mais de vinte pessoas feridas, numa ação truculenta em Limeira-SP, quando mentirosamente chegou com uma proposta de negociação e desferiu uma rajada de balas de borracha nos “sem-terras do Acampamento Elisabeth Teixeira”, não poupando padre, freira, jornalista, crianças. Isto há menos de três semanas. E quem é que sabe algo a respeito da multinacional Syngenta. Esta é uma das maiores companhias de sementes do planeta, e também a responsável pelo assassinato do sem-terra, Keno, em Santa Tereza do Oeste-PR. Porém, todos sabem que o Corinthians foi rebaixado para a segunda divisão.

 

Neste mundo de luxo, aparência e privilégio, o circo está posto, já que muitos sequer têm pão. A mensagem subversiva de um nazareno nascido numa manjedoura – “cocho de alimentar animais” –, há dois mil anos, quase não tem efeito. Sua estrebaria não faz frente ao aparente mundo de uma Daslu. É preciso esvaziar, enfraquecer e despolitizar a rebeldia de sua Boa-Nova, do seu Reino de justiça e de vida e vida em abundância para todos e todas e não somente para alguns. Faz-se necessário confundi-la, até que paulatinamente “Mamon” ocupe o lugar de “Jesus”. Até que todas as pessoas passem a louvar o dinheiro e se esqueçam do Deus de Jesus de Nazaré.

 

Somente umas poucas pessoas fazem como os reis magos que, despindo-se de suas riquezas, se igualam aos pastores, deixando-se conduzir pela estrela-guia, para o lugar onde estava Jesus de Nazaré. Lá chegando, contemplam a “salvação” nascida numa gruta, num barraco de lona preta, debaixo dos viadutos, em acampamentos e assentamentos. Contemplam o Messias esculpido no rosto dos pobres, dos moradores de rua, dos sem-terra, dos meninos de rua, dos excluídos e marginalizados.

 

Para “Mamon”, é preciso que este jeito diferente de celebrar o natal seja varrido da mente e do coração das pessoas. Ninguém pode se dar conta dos sacrifícios exigidos por ele. Quanto menos se prestar atenção no despenhadeiro que os agrocombustíveis estão nos arrastando, melhor. Quanto mais os pais e mães de família ignorarem que 854 milhões de pessoas passam fome no mundo; e que destas 6 milhões de crianças, com até 5 anos de idade, morrem de fome todo ano, 12 por minuto, 1 a cada 5 segundos, mais poder ele terá sobre as pessoas. É bom que ninguém se aperceba que o Brasil, globocolonizado, muito em breve terá lugar para apenas duas coisas: grandes fazendas, com plantios de cana-de-açúcar e eucalipto, e casas-grandes, com condomínios de luxo. Quanto maior a ignorância, menor a rebeldia. Melhor para o império.

 

E Jonatan? Jonatan é um sem-terrinha que conheci há cerca de três semanas. Contemplei sua gruta, um barraco de lona preta, também presenciei sua manjedoura, um estrado de vara, sobre o qual estava estendido um velho colchão e alguns panos remendados. Nascera fazia quinze dias. Todos dentro do acampamento faziam questão de afirmar: este nasceu aqui dentro, já é sem-terra desde o nascimento. Conheci sua família. Estavam felizes com sua vinda ao mundo. Assim como Maria e José com a vinda de Jesus.

 

Jonatan não conhece quase nada do mundo. Ainda não teve tempo para isto. Contudo, já conhece uma das facetas mais perversas da vida: a exclusão. Tudo em sua vida lembra Jesus de Nazaré. Seu lugar de nascimento, onde dorme, a pobreza de sua família e a peregrinação em busca de um lugar melhor onde possa crescer saudável. Até mesmo a fuga do perverso Herodes, que procura matá-lo, lhe é semelhante.

 

Quando conheci Jonatan, ele estava em Franco da Rocha – Região da Grande São Paulo, num acampamento provisório. Neste momento, enquanto partilho de minha alegria ao encontrá-lo, ele está numa ocupação em Valinhos, próximo a Campinas. Talvez quando você estiver lendo este relato, o Jonatan já não mais esteja lá. Ele e sua família, juntamente com outras demais famílias, acabaram de receber a liminar de reintegração de posse. Terão que deixar a área. A juíza cumpriu a lei. Não interessa o Jonatan, tão pouco interessa as famílias e as crianças que estão acampadas naquele local. Não interessa se a fazenda é improdutiva e se está abandonada há mais de onze anos. Farisaicamente interessa a lei, mesmo que ela seja inconstitucional. É preciso manter a ordem.

 

Como será o natal de Jonatan? Pergunte: como foi o natal de Jesus que em tempos de hoje celebramos com tanta pompa e tanto luxo? Que preocupações povoavam a cabeça de Maria e de José? Para onde eles teriam ido fugindo de Herodes? Que dificuldades encontraram no caminho? Tiveram medo de encontrar com a legião romana? Com o que alimentaram o pequeno Jesus? Perpassava pela cabeça de seus pais a dúvida se o menino sobreviveria ou não a esta longa peregrinação?

 

Que natal espera por Jonatan? Quem sabe o comandante da polícia, a juíza, o governador de São Paulo, os empresários do agronegócio e dos condomínios de luxo possam responder.         

 

 

Wilson Aparecido Lopes é assessor da Pastoral do Povo da Rua (Osasco-SP) e do MST (Região Grande São Paulo).
Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates