topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Idioma nacional: uma defesa exagerada? Imprimir E-mail
Escrito por Gabriel Perissé   
Segunda, 17 de Dezembro de 2007
Recomendar

 

 

Em sua longa campanha em defesa da língua portuguesa (a luta começou em 1999), Aldo Rebelo se aproxima da vitória, salientando o deputado que trabalha em nome do “fortalecimento da aprendizagem em geral”, uma vez que educação e idioma caminham de mãos dadas.

 

O approach (perdão, o enfoque) de Aldo Rebelo resumir-se-ia em defender nosso idioma da deterioração. Nessa luta hão de engajarem-se os meios de comunicação de massa e as instituições de ensino.

 

Jornalista que quiser estartar a sua vida profissional com estrangeirismos terá de pensar duas vezes antes de cometer essa gafe (“deslize” seria melhor?). Ou imitar a solução que Kennedy Alencar e Gustavo Patu, na Folha, adotaram certa vez. Em novembro de 2005, Dilma Rousseff e o então colega Antonio Palocci tinham lá suas divergências, e admitiu a ministra que, se fosse “da Fazenda, seguramente estaria tendo um outro approach”. E os jornalistas tiveram o cuidado de explicar a expressão, entre colchetes: [abordagem do debate econômico no governo].

 

Além dos profissionais da mídia (posso escrever “mídia”?), deverão os professores sair em campo para defender o idioma. Docentes da área de Administração e Economia terão que evitar a todo custo a palavra “franchise”, por exemplo. Se existe “franquia”, e o infrator insistir em macular o nosso idioma com uma palavra estrangeira, será punido pela prática abusiva!

 

E “motobói”, já está devidamente aportuguesada? Ou seria melhor “moto-rapaz”? Muitas dúvidas deste jaez eu tenho... Haverá uma instância jurídico-gramatical capaz de saná-las?

 

E já que devemos falar e escrever escrupulosamente, cultivando a ilibada prática do idioma... nada como expurgar vícios antigos. A palavra “déficit”! Acentuá-la é influência nociva do idioma francês. A rigor, a palavra se escreve sem acento, “deficit”, porque vem do latim. Mas talvez seja o momento de nos corrigirmos, e adotarmos “défice”, como em Portugal.

 

A exemplo da Lei Cidade Limpa, do prefeito Gilberto Kassab, Aldo parece ter concebido uma Lei Idioma Limpo. Exigirá policiamento ostensivo. Campanhas de esclarecimento. Quem sabe a Academia Brasileira de Letras crie sua tropa de elite... Os imortais Arnaldo Niskier e Paulo Coelho, dicionários em punho, invadindo os redutos de corrupção lingüística. Multas deverão ser aplicadas para coibir os transgressores...

 

Confesso que, embora simpático às nobres intenções do deputado, alimento muitas dúvidas quanto à oportunidade e à aplicabilidade dessa lei, que ainda precisa ser aprovada pelo incorruptível Senado.

 

 

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor.

Web Site: www.perisse.com.br

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates