De Bali a Frei Luiz

0
0
0
s2sdefault

 

 

Já dizem que Bali será um fracasso, em que pese a boa vontade de tantos, como foi Kyoto. Não se poderia esperar nada do “capitalismo ecológico”. Essa história do “poluidor-pagador, usuário-pagador, crédito carbono, selos ecológicos” apenas transformou em negócios a tragédia ecológica do planeta. Ou se vai à raiz do modelo, ou o modelo nos elimina.

 

Vamos de Bali a Sobradinho, onde D. Luiz faz jejum e oração contra a transposição do São Francisco e a favor de alternativas que alcançam 44 milhões de nordestinos com água potável. É a mesma luta de quem não se conforma com a lógica predadora do modelo civilizatório, aqui revestido da velha indústria da seca, do atual hidronegócio, dos governos a serviço dos predadores.

 

A nova realidade do mundo exigiria cuidados minuciosos com a água e os solos. Dos 260 milhões de hectares irrigados no mundo, 80 milhões estão salinizados, particularmente nas regiões áridas e semi-áridas. Dos 11 projetos de irrigação analisados pelo Banco Mundial no Nordeste Brasileiro, sete são deficitários e muitos inviabilizados pela salinização. Hoje, a agricultura irrigada é responsável pelo consumo de 70% da água doce utilizada no mundo. Portanto, manejar a água nos dias de hoje é absolutamente diferente de 50 anos atrás quando Lula era menino, ou 150 anos atrás quando D. Pedro era imperador.  Entretanto, chamar as corporações técnicas, as empresas e os governos à luz da razão, pelo que parece, nem com greve de fome até à morte.

 

Nossa tendência é afirmar de forma conclusiva que o capital é predador e suicida. Pedro Casaldáliga, na sua imensa sabedoria, acha que a humanidade não é suicida, que “ela vai encontrar caminhos de sobrevivência”.

 

Hoje sequer falamos de pessoas. Já falamos na sobrevivência da espécie humana. Se a tragédia planetária for contada aos bilhões, não haverá problema, desde que a espécie sobreviva. A elite mundial acha que será a sobrevivente, com seus exércitos, sua tecnologia, sua ciência, seu poder. Os pobres serão expurgados. É bem provável que seja assim.

 

Entretanto, esses dias aqui com Frei Luiz, diante da serenidade dele, da manutenção da magnanimidade, da nobreza de seus gestos, sem vestígios de rancor, sem apequenar a alma, aprendemos que a história guarda segredos e que ninguém a controla. Os poderosos também se acabam. Quem não acredita em Deus terá seu acerto com Gaia. Gaia transforma todos em pó e os re-assimila em seu ventre fecundo. É ela quem nos comanda, não nós que a comandamos. A vitória final pertence à Gaia.

 

 

Roberto Malvezzi, o Gogó é coordenador da CPT.

{moscomment}

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados