Edição 1032 – 10/10/2016 a 16/10/2016

0
0
0
s2sdefault

 

PEC 241: “Temer deve manter as transformações estruturais fragilizantes dos governos do PT”

Por Gabriel Brito e Valéria Nader, da Redação

 

alt

 

Após uma disputa eleitoral que ocupou escasso tempo no calendário, o Brasil se depara com a aprovação na Câmara, em primeiro turno, de uma autêntica declaração de princípios do governo Temer: a PEC 241, que visa conter por 20 anos o gasto real nas despesas nominais, isto é, aquelas atreladas aos investimentos sociais. Para projetar o quadro econômico da nova gestão federal, o Correio da Cidadania conversou com o economista e professor da UFRJ Reinaldo Gonçalves.

 


 

24 anos do Carandiru e política de Estado: “a ditadura não acabou nas periferias”

Por Raphael Sanz, da Redação

 

alt

 

Poucos dias antes do Massacre do Carandiru completar 24 anos, os 74 policiais investigados como responsáveis pelo episódio seriam absolvidos no Tribunal de Justiça de São Paulo. A decisão reavivou um velho debate sobre o papel que as políticas de Estado exercem sobre esta modalidade de violência. Qualquer subterfúgio tornou-se suficiente para não discutir as políticas de extermínio que o Estado Brasileiro leva adiante, ou, ao menos, faz vista grossa.

 


 

 

“Tardiamente, o Brasil compreende o peso do PMDB nas eleições municipais”

Por Raphael Sanz, da Redação

 

alt

 

As eleições municipais se encerraram em quase todo o Brasil, com exceção dos 55 municípios que ainda terão segundo turno. Enquanto o PMDB se manteve absoluto com mais de mil prefeituras e o PSDB ampliou sua inserção, vimos o PT perder espaço, apesar de que outros setores da esquerda não acompanharam a decadência petista. Para analisar essas eleições entrevistamos o cientista político Humberto Dantas, professor da USP e da FESPSP.

 


 

POLÍTICA

 

Uma reacionária e ilegítima Constituição está sendo reescrita no país

Por Fernando Silva

 

Um estudo do IPEA mostra que somente a área da Saúde irá perder R$ 743 bilhões em 20 anos. O próximo e natural passo dessa ofensiva é a Reforma da Previdência. Afinal, a PEC 241 para ser realmente eficaz nesse período precisa de um abrupto corte nos benefícios da Previdência Social. Associar essas duas propostas a outras contrarreformas já anunciadas pelo governo Temer – como a trabalhista (fim da CLT), a do ensino médio, a lei da privatização de tudo – impõe reflexões e conclusões para balizar nossas ações.

 


 

Sobre o sentido histórico perverso e melancólico de ataques como a PEC241

Por Potiguara Lima

 

A desmoralização da organização portadora de uma estratégia política que previa reformas progressivas e progressistas levou da esperança à frustração não só uma geração de militantes sociais. Os representantes “puro sangue” das classes dominantes (os herdeiros de uma tradição política mais afeita a senhores de escravos do que a pelegos sindicais) têm agora a seu dispor toda uma atmosfera social de melancolia entre potenciais lutadores do povo.

 


 

Pensando a longo prazo – Weber e incongruências

Por Wladimir Pomar

 

Weber não soube distinguir as “singularidades” Ocidental e Oriental por haver utilizado o frágil “economicismo” da “economia monetária”. Incongruências que, apesar dos esforços de Jessé Souza, apontam que o problema não está na leitura incorreta de Weber, mas no próprio Weber.

 


 

Carandiru: não esqueceremos!

Por Ivan de Carvalho Junqueira

 

Ivan Sartori, para quem não o conhece, também ratificou a violência fardada na comunidade de Pinheirinho, no município de São José dos Campos, culminando na expulsão de mais de 5 mil pessoas. Na ocasião, classificou a atuação da PM como “maravilhosa e de alta tecnologia”. No governo federal ilegítimo, José Serra, ministro das relações exteriores, abriga no seu gabinete, Hideo Dendini, na condição de assessor especial, um dos réus no Carandiru.

 


 

SOCIAL

 

Real objetivo da PEC 241/16 é desvincular saúde e educação

Por César Minto e Pedro Pomar

 

Ancorados em suposta crise financeira, os setores conservadores que controlam o governo ousam propor a desvinculação de recursos para a saúde e a educação.

 


 

ECONOMIA

 

A PEC do Teto (241/2016) – como ficará?

Por Guilherme C. Delgado

 

Uma tal engenharia fiscal-financeira para se consumar precisaria suspender garantias constitucionais de cerca de 40 artigos da Constituição Federal. Não é exagero afirmar que os que assim agem acreditam no cinismo, na hipocrisia e na manipulação de mentes e corações como destino fatal ao exercício do poder, para manter uma humanidade permanentemente refém, enquanto os princípios da ética, da justiça e do direito estariam definitivamente fora das suas concepções de política e de história.

 


 

Existe alternativa para reduzir a dívida da Petrobrás sem vender seus ativos

Por Felipe Coutinho e José Carlos de Assis

 

A Petrobrás não precisa vender ativos para reduzir seu nível de endividamento. Ao contrário, na medida em que vende ativos ela reduz sua capacidade de pagamento da dívida no médio prazo e desestrutura sua cadeia produtiva, em prejuízo à geração futura de caixa, além de assumir riscos empresariais desnecessários.

 


 

INTERNACIONAL

 

Colômbia: um estado débil e dois países fortes

Por Raul Zibechi

 

A estrondosa derrota do processo de paz no referendo do último dia 2 de outubro mostra que não é possível apenas rubricar acordos para que uma reconciliação seja feita. A Colômbia está dividida em duas metades que não se reconhecem, nem se reconhecerão, porque precisam de uma forma para se encontrarem e dialogar, mas não ao estilo do processo de Havana, elitista e distante.

 


 

Lula e Obama: convergência em torno do sofrido Haiti

Por Virgílio Arraes

 

Espera-se que a ajuda internacional seja, desta vez, provida de maior eficiência e celeridade.

 


 

Xenofobia inglesa assusta

Por Luiz Eça

 

Livre das amarras humanistas que prendiam seu país à União Europeia, ela começou declarando seu país fora da Convenção de Direitos Humanos europeia. Depois de mostrar seu lado desumano, o governo May mostrou ser também xenófobo. Através da secretária do Interior, Amber Rudd, o governo propôs que se encorajassem os empresários a admitirem funcionários ingleses.

 


 

CULTURA E ESPORTE

 

Ordem e progresso: em 13 versos a fala de um presidente sem culpa?

Por Roberto Antônio Deitos

 

A mais nova forma de governar Ordem e progresso na frente O povo atrás descontente Fala de presidente: Eu me culpo por nunca querer ser governo

 


Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados