Uma reacionária e ilegítima Constituição está sendo reescrita no país

0
0
0
s2sdefault

 

 

 

 

O título é uma primeira conclusão da aprovação em primeiro turno da PEC 241, a chamada “PEC do fim do mundo”, endossada no último dia 10 por 366 deputados. A emenda constitucional congela gastos públicos por 20 anos no Brasil, atingindo severamente a educação, saúde, servidores e serviços públicos e começando a redesenhar política e juridicamente (para muito pior) o mapa dos direitos sociais no país.

 

A articulação deste massacre teve um ponto alto no jantar no final de semana oferecido por Temer, com mais de 200 parlamentares presentes e 1000 pessoas no total, que custou a bagatela de R$ 30 milhões. Trata-se da mesma ampla maioria usurpadora, que deixa cada vez mais nítidos os objetivos verdadeiros da operação que teve no impeachment um ponto de partida para uma ofensiva sem precedentes contra a esmagadora maioria do povo brasileiro. E que se pretende rápida, pois o ilegítimo presidente e sua maioria parlamentar têm dois anos para fazer o serviço sujo, sem preocupações com reeleição.

 

Muito já foi e está sendo falado sobre o significado da PEC 241. Vale apenas registrar que um estudo do IPEA mostra que somente a área da Saúde irá perder R$ 743 bilhões em 20 anos. Basta observar o estado atual da saúde pública no Brasil, com financiamento já insuficiente, para imaginar o pesadelo que se avizinha para a população.

 

O disparate da PEC 241 não se resume ao congelamento dos gastos sociais. O que dá uma perfeita dimensão do seu caráter de classe, e de como o grande capital está articulado com a maioria usurpadora, é que não há nessa PEC nenhuma limitação ou congelamento de gastos com juros da dívida pública. Didaticamente, é fácil explicar quem manda nesse governo.

 

O próximo e natural passo dessa ofensiva é a Reforma da Previdência. Afinal, a PEC 241 para ser realmente eficaz nesse período precisa de um abrupto corte nos benefícios da Previdência Social. Associar essas duas propostas a outras contrarreformas já anunciadas pelo governo Temer – como a trabalhista (fim da CLT), a do ensino médio, a lei da privatização de tudo – impõe reflexões e conclusões para balizar nossas ações.

 

Tempos de resistência... E de voltar às ruas

 

A primeira reflexão necessária é que estamos sob a ameaça de uma etapa de regressão histórica no país, daquelas que pode levar décadas para ser revertida, caso as PECs e contrarreformas neoliberais não sejam barradas nos próximos dois anos.

 

Estamos presenciando o aprofundamento e continuidade do golpe, com um momento ainda pior, que é o de acabar com o que restou da Constituição de 1988. Na prática, está a se reescrever outra Constituição sem que esta maioria parlamentar tenha legitimidade para tal, pois não foi eleita com os poderes constituintes que agora se arvora.

 

E não se pode contar com o Poder Judiciário, que não consegue mostrar um rasgo de independência. O STF não barra nada das atrocidades regimentais e anticonstitucionais do governo.

 

A operação Lava Jato hoje nada mais é do que a ferramenta preferencial para abrir o caminho desta ofensiva política do governo Temer (um bloco de poder corrupto, intocável pelos justiceiros de Curitiba, ainda que largamente envolvido nos mesmo esquemas desvendados) a fim de pavimentar o caminho para que em 2018 venha, “naturalmente”, da direita a solução de continuidade após o serviço sujo.

 

A principal conclusão que se impõe a todos nós, a toda militância da esquerda e dos movimentos sociais, é que precisamos de uma frente única ampla, prática, para barrar essa ofensiva. O caminho será o de ir e disputar as ruas. Disposição para a luta não faltará. Basta ver as 200 escolas ocupadas no país contra a reforma do ensino médio ou a repúdio nas redes sociais contra a “PEC do fim do mundo”.

 

A presença do PSOL no segundo turno no Rio de Janeiro, Belém e em Sorocaba reveste-se de enorme importância imediata, pois a vitória do partido nestes locais constituirá pontos de apoio para alavancar a resistência política e social e para o avanço de uma nova alternativa de esquerda no país.

 

Ainda há tempo para uma ampla mobilização por todos os canais e espaços possíveis, como a mobilização de ruas através de atos, como os convocados pela Frente Povo Sem Medo para barrar a votação em segundo turno da PEC 241. O caminho imediato é esse. A resposta precisa ser rápida.

 

A mobilização unitária com eixo na defesa dos direitos e contra a ruptura constitucional ilegítima deve ser um ponto de partida para o desafio de construirmos uma sólida frente única nesse período, com todos os setores que queiram deter os ataques e contrarreformas que visam extirpar os direitos da classe trabalhadora, da juventude, das mulheres, dos sem-teto, sem-terra, negros e negras, LGBTTs, indígenas e todosos “de baixo”. Esta é natureza da frente que devemos buscar.

 

Por fim, a reflexão mais política e de fundo que precisamos fazer é a busca da combinação entre tal frente para barrar os ataques com um movimento político que retome o Fora Temer e a necessidade de eleições gerais. Nem o governo e nem sua maioria “desconstituinte” tem legitimidade para jogar o país na era pré-CLT, da precarização absoluta e da regressão nos direitos democráticos conquistados.

 

Abaixo a PEC 241! Nenhum direito a menos! Fora, Temer! Diretas já!

 

 

Leia também:

 

Pré-Sal, Petrobrás e a política econômica em curso no governo Temer

 

“Tardiamente, o Brasil compreende o peso do PMDB nas eleições municipais”

 

Estamos colhendo, exatamente, os frutos dos 13 anos de petismo no governo federal


“É saudável que os índices de participação nas eleições tenham caído; estranho seria o contrário”

 

De onde veio essa abstenção toda?

 

As Teses de Abril e o Brasil atual

 

Crimes de Lula. Com provas

 

Não é hora de unir as esquerdas

 

Da FIESP ao “baixo clero” do Congresso, Temer não conseguirá administrar as pressões ao seu redor

 

"Dilma é responsável por todos os retrocessos que agora Temer acelera"

 

“No quadro atual, o PT representa um peso para as correntes de esquerda combativa”

 

Acabou a lua de mel da conciliação de classes; Brasil volta à disputa aberta

 

Greve dos bancários pede reajuste à altura da inflação e critica reforma trabalhista

 

A nova cegueira do que chamam democracia

 

PEC 241 torna inconstitucional o desenvolvimento social e cultural

 

“Um governo com 80% de aprovação não fazer nada por uma sociedade mais coesa realmente cometeu graves equívocos”

 

Temer, fator de insegurança jurídica

 

‘Com Temer, estamos assistindo ao impeachment do processo civilizatório’

 

Real objetivo da PEC 241/16 é desvincular saúde e educação


Fernando Silva é jornalista e membro da executiva nacional do PSOL.

Comentários   

0 #1 Sem comentariosJuca Ramos 15-10-2016 14:33
Vocês nao aceitam mais comentarios?
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados