topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Lula e Obama: enfeixar a pauta e superá-la Imprimir E-mail
Escrito por Virgilio Arraes   
Quarta, 05 de Outubro de 2016
Recomendar

 

 

 

 

 

Os Estados Unidos recusam-se a atualizar a nomenclatura de seus cargos de primeiro escalão, ao manter o nome de secretaria ou departamento, jamais ministério. De quando em quando, há confusão na correspondência de hierarquia de funções, ao cotejar-se com outras administrações, uma vez que o subsecretário, por exemplo, relacionar-se-ia com o secretário brasileiro.

 

Em dezembro de 2009, Arturo Valenzuela, recém-nomeado secretário do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado, deslocou-se em passos rápidos ao Cone Sul em uma jornada a todos os países da região. Dedicou a eles meros cinco dias. De modo retórico, o pequeno périplo incluía reiterar o valor da democracia e da parceria econômica.

 

Naquela fase, havia divergência entre a Casa Branca e o Planalto em função do desfecho político de Honduras, onde o retorno ao poder do deposto Manuel Zelaya foi colocado de lado por Washington, e do programa nuclear do Irã, em que Brasília defendia a possibilidade de que ele poderia destinar-se a atividades civis, sem direcionar-se de maneira incisiva, portanto, para fins bélicos.

 

O desconforto norte-americano desagradou muito os brasileiros. Sob a invocação do protocolo funcional, o Itamaraty informou ao Departamento de Estado que Valenzuela não seria recebido por seu titular, Celso Amorim, mas sim por seu lugar-tenente, Antônio Patriota, e pelo assessor especial da presidência da República, Marco Aurélio Garcia.

 

A justificativa utilizada para não acolher no primeiro círculo da chancelaria o enviado estadunidense esboroou-se quando se efetivou seu recebimento pelo titular da defesa, Nélson Jobim. O propósito da visita a ele foi o de reforçar o apoio junto ao Brasil da aquisição de jatos por empresa norte-americana, no caso a Boeing. O Planalto cogitava havia anos comprar três dúzias de aeronaves em um período em que a recuperação econômica mundial patinava.

 

Nos três tópicos levados a cabo entre Valenzuela e seus análogos locais, política e economia entrelaçavam-se de maneira distinta a cada um. Honduras revestia-se de valor simbólico ao Brasil, haja vista o local de abrigo escolhido pelo dirigente defenestrado na terceira semana de setembro daquele ano – um governo não hispânico.

 

A predileção incomum refletiu a opção do mandatário apeado no tocante à liderança regional à proporção que para o sucessor eleito - ou usurpador para o arco bolivariano – inclinar-se-ia pela estadunidense. Assim, natural o Planalto não acatar de bom grado o resultado da eleição presidencial, enquanto a Casa Branca, sim.

 

Em comum, a visão de que Zelaya teria direito de rumar para o México de forma oficial, caso desejasse, sem ser submetido a nenhum tipo de constrangimento governamental. No entanto, retirar-se, mesmo de maneira provisória, seria o reconhecimento tácito do novo quadro.

 

De uma perspectiva política, Irã era considerado chamativo demais a ponto de ser menoscabado por ambos. Brasília aspirava à participação maior de Teerã em assuntos médio-orientais, ao passo que Washington, não, ao mencionar as tentativas anteriores de diálogo nas quais não teria havido bom encaminhamento.

 

De todo modo, melindrar o Brasil quanto ao tema não era o propósito dos Estados Unidos, por duas razões: a primeira conectava-se com o próprio Irã que tinha na América do Sul a Venezuela como a aliada mais próxima.

 

A segunda por vincular-se ao terceiro ponto da viagem do diplomata norte-americano: o eventual comércio dos aviões militares, estimado em torno da cifra de dez bilhões de dólares. Por causa dele, é possível relembrar a frase extraída de um discurso de junho de 1928 do presidente Calvin Coolidge, do Partido Republicano: o principal negócio da América são os negócios. Nesse sentido, aborrecer-se com Brasilia não valia a pena!

 

 

Leia também:


Brasil e Estados Unidos: a influência do jornalismo tradicional

 

Brasil e as olimpíadas: a execução da diplomacia lúdica

 

Brasil e a ONU: a insistência de vaga no Conselho de Segurança no governo Lula

 

Brasil-Estados Unidos – atritos latino-americanos

 

Brasil-Estados Unidos – receio da militarização na fronteira

 

Brasil-Estados Unidos – a apresentação informal da candidata Dilma Rousseff

 

Brasil-Estados Unidos – interesses na situação do Irã

 

Brasil-Estados Unidos – a proximidade sem embaraço entre Lula e Obama

 

Estados Unidos: silêncio de Obama diante do pleito onusiano de Lula

 

Brasil-Estados Unidos – Lula no final, Obama no início

 

 

 

Virgílio Arraes é doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates