topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A comédia de erros chega ao fim... Até que enfim! Imprimir E-mail
Escrito por Celso Lungaretti   
Quarta, 31 de Agosto de 2016
Recomendar

 

O que tornou imperativo o impeachment de Dilma Rousseff foi haver conduzido o país a uma terrível recessão econômica e estar, quando do seu afastamento, havia 16 meses sem conseguir governar. Ou seja, como sua permanência no poder faria apenas agravar-se uma situação que já era insustentável, ou ela caía, ou cairia o Brasil (no caos e, possivelmente, numa nova ditadura). Simples assim.

 

Como nossa imperfeita Constituição não contém dispositivo para o descarte de um(a) presidente incompetente ao extremo, mesmo quando sua extrema incompetência está detonando a economia e esfarelando a nação, o processo de impeachment teve de se restringir formalmente a motivos até irrisórios no quadro geral da devastação, se não causada certamente maximizada pela gestão destrambelhada de Dilma Rousseff.

 

Exemplo: as manobras contábeis ilícitas não foram casos isolados, mas parte do pior estelionato eleitoral cometido no Brasil em todos os tempos. Ocorre que, espantosamente, estelionato eleitoral não está entre as justificativas legais para o impedimento presidencial.


 

Alguém pode, como Dilma em sua campanha para a reeleição, impingir ao eleitorado as piores mentiras e até satanizar os adversários atribuindo-lhes intenções sinistras, das quais só escaparia elegendo-o(a), para, em seguida, fazer exatamente aquilo que dissera que os malvados fariam. Tudo bem, pois a Constituição não proíbe que vigaristas políticos tratem os eleitores do país inteiro como otários. Goebbels adoraria o Brasil.

 

Quanto às manobras contábeis em questão, foram também parte do estelionato: a maquiagem ilícita serviu para ocultar do eleitorado o profundo descontrole das contas públicas, o que certamente serviria de combustível para uma crise econômica que já provocava muita inquietação. Será que uma vitória por margem tão exígua teria sobrevivido à revelação dos maus feitos administrativos da gerentona e das consequências que deles decorreriam para os brasileiros?

 

Dilma, no melodrama que encenou para os senadores, o mesmo que martela incessantemente há meses para a opinião pública sem convencer quase ninguém, fugiu destes questionamentos mais gerais (e importantes), reduzindo tudo a uma discussão técnica sobre haver ou não cometido crimes de responsabilidade – embora nem assim saísse totalmente bem na foto, pois os entendidos garantem que os cometeu (só que de um tipo usualmente não punido em nosso país).

 

A vitimização de Dilma se sustenta nas imperfeições constitucionais. Se estivesse sendo “impichada” pelas razões corretas e completas, nossa paciência não enfrentaria a dura prova de aguentar tal lengalenga durante meses a fio...

 

Quanto às tantas vezes alegada honestidade pessoal, na verdade se restringe apenas a não haver embolsado grana proveniente de maracutaias. Mas Deus e o mundo sabem que o preço do beijo do Lula a haver transformado de rã em princesa foi olhar para o outro lado enquanto tais maracutaias grassavam soltas (começando pela inacreditável aquisição da usina de Pasadena por um valor superestimadíssimo). Já fazia vistas grossas quando chefiava a Casa Civil e o Conselho Administrativo da Petrobrás; continuou fazendo como presidente.

 

Agora, a Operação Lava Jato revela que a grana das maracutaias irrigou suas campanhas eleitorais. Quem acreditar que ela ignorava isto também compra até terreno na Lua.

 

Por que me dou o trabalho de desconstruir o jus sperniandi da Dilma, quando a confirmação do impeachment é uma certeza e até mesmo os senadores direitistas parecem cumprir seu papel com certo enfado?

 

Porque à direita basta mandar Dilma para casa; e isto já está assegurado.

 

Já para a esquerda reconstruir-se após a praga de gafanhotos que a assolou, é preciso ficar bem claro que o período de hegemonia petista não terminou por causa de conspirações mirabolantes, mas pelo esgotamento da opção reformista, que substituiu a luta de classes pela conciliação de classes e se limitou a apenas garantir para os explorados algumas migalhas a mais do banquete dos exploradores.

 

Pior: gerenciar o capitalismo para os capitalistas foi catastrófico para a moral da esquerda, que teve muitos expoentes se beneficiando das boquinhas e se envolvendo em roubalheiras, o que foi explorado ad nauseam pela imprensa burguesa; e provocou incoerências altamente desmoralizantes, como a de Dilma, em desespero de causa, ter tentado utilizar um economista neoliberal como boia, na contramão de todas as críticas que a esquerda fazia ao neoliberalismo desde a década de 1960.

 

A fábula do golpe não evitou o impeachment, mas poderá evitar que os erros cometidos nos últimos 13 anos sejam questionados pela esquerda com a contundência que se impõe, tamanho foi o descrédito que acarretaram para nossos ideais.


 

O PCB era a força hegemônica da esquerda até a rendição sem luta de 1964; o processo de crítica e autocrítica subsequente reduziu em muito sua influência e importância.

 

É o que precisa ocorrer agora com o PT, caso contrário a derrota sofrida, além de acachapante, terá sido inútil.

 

Ou a esquerda desperta de sua hibernação reformista e volta aos trilhos revolucionários, ou marchará para a irrelevância.

 

Leia também:

 

Instantes finais

 

A política dos pixels - discurso fotográfico e manipulação histórica

 

Encruzilhada da indignação

 

Sobre as leis de bronze da lumpemburguesia

 

Tchau, querida! (Bye, bye, Lava-Jato)

 

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”

 

Duas semanas de folga para uma sociedade exaurida e ressentida

 

Só agora, Gilmar?

 

“No quadro atual, o PT representa um peso para as correntes de esquerda combativa”

 

‘Esse governo é ilegítimo e quer erguer-se com base na demolição dos direitos do trabalho’

 

“Um governo com 80% de aprovação não fazer nada por uma sociedade mais coesa realmente cometeu graves equívocos”

 

‘Com Temer, estamos assistindo ao impeachment do processo civilizatório’

 

“Na crise, princípios éticos precisam orientar a construção de soluções técnicas”

 

‘Governo Temer não tem legitimidade política e capacidade operacional pra articular saídas à crise’

 

 

Celso Lungaretti é jornalista.

Blog: Náufrago da Utopia.

 

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates