topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Sobre o golpe Imprimir E-mail
Escrito por Givanildo Manoel   
Quarta, 31 de Agosto de 2016
Recomendar

 

 

 

 

 

Assisti ontem parte do depoimento de Dilma e dos debates ocorridos no Senado no processo de golpe. Hoje não tenho dúvida que o seja. Admito que durante um tempo tive muitas dúvidas, mas diante de inúmeras evidências fiquei convicto sobre o ataque democrático que se estabeleceria.

 

O que realmente fica difícil é não pensar como esse golpe vem sendo construído. Não é de agora e nem é de hoje que inúmeras violações ocorrem, tendo como uma de suas expressões mais perversas as mortes e o encarceramento massivo, principalmente, de jovens indígenas e negros, as remoções forçadas, a destruição ambiental, entre tantas outras que deixariam esse espaço pequeno.

 

Não posso tampouco deixar de pensar quantas vezes a ordem legal foi quebrada e quantas pessoas sofreram com essas violações.

 

Mas o que tem de diferente nesse processo?

 

Feito o golpe, o patamar de violações aumentará terrivelmente e acontecerá de diversas formas: aumentará a violência policial (como já pudemos ver nesta segunda-feira, 29, com a ação da PM atacando idosas e crianças na avenida Paulista), a criminalização crescerá assustadoramente, se legitimará a falta de controle da violência do Estado - como já anunciou o atual Ministro da Injustiça, o que resultará no cada vez maior número de mortes praticadas por agentes policiais.

 

De fato, é uma situação construída para atacar mais ainda os direitos trabalhistas do povo e atender mais ainda os interesses do capital e dos setores privilegiados. Mas não nos enganemos. Pelo que se desenhava, até então, com o PT no governo as consequências não seriam tão diferentes no que se refere aos ataques aos direitos dos trabalhadores.

 

Qual a diferença?

 

A diferença é que um grupo, assumidamente mafioso, assumirá a direção do Estado e nenhum código, além dos seus interesses, será respeitado. Ou seja, se antes o Estado ainda mantinha alguma aparência republicana, agora veremos que não mais haverá nenhum tipo de mediação diante dos "conflitos" estabelecidos, dentro daquilo que conhecemos vagamente como democracia. Assim, é ainda mais urgente o avanço e a resistência da luta pelos direitos das trabalhadoras e trabalhadores.

 

Não entremos no barco de quanto pior melhor, porque o pior atingirá muito mais aqueles que não conseguem se organizar para se defender diante do que está por vir.

 

A lógica do "quanto pior melhor" também não eleva a consciência da classe. É importante observar que a precarização da vida não eleva a consciência de classe, ao contrário: os setores que não tiveram acesso a processos formativos – hoje a grande maioria – acabam direcionados para uma resolução “mais fácil” de seus problemas.

 

Como a história já demonstrou em momentos como o que antecedeu a Segunda Guerra Mundial, com ascensão do nazismo e do fascismo, a resposta fácil acabou por "justificar" a perseguição, a opressão e, por fim, o assassinato de dezenas de milhões de trabalhadores na Europa.

 

Não é um cenário fácil, principalmente quando temos dificuldades de espiarmos nossas responsabilidades. Não será fácil! Precisaremos de uma dose enorme de generosidade para fazer a autocritica, entender que o melhor pensamento da humanidade está sendo derrotado e precisaremos fazer um longo percurso. Não sabemos quanto tempo ainda durará, mas precisamos, principalmente nesse momento, ser mais fraternos e generosos entre nós, porque os tempos que virão exigirão muito desse esforço.

 

Pra finalizar, sim, sou contra o impeachment. Ainda que não visse muitas virtudes de Dilma, passei a respeitá-la mais por ter encarado a máfia instalada nas instituições de Estado. Ela tem o meu respeito e, de resto, continuaremos fazendo uma oposição programática ao PT, ao PSDB, ao PMDB e a todos os partidos que cumprem um papel de submissão aos interesses do capital, contra os interesses da maioria.

 

Leia também:

 

Instantes finais

 

A política dos pixels - discurso fotográfico e manipulação histórica

 

Encruzilhada da indignação

 

Sobre as leis de bronze da lumpemburguesia

 

Tchau, querida! (Bye, bye, Lava-Jato)

 

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”

 

Duas semanas de folga para uma sociedade exaurida e ressentida

 

Só agora, Gilmar?

 

“No quadro atual, o PT representa um peso para as correntes de esquerda combativa”

 

‘Esse governo é ilegítimo e quer erguer-se com base na demolição dos direitos do trabalho’

 

“Um governo com 80% de aprovação não fazer nada por uma sociedade mais coesa realmente cometeu graves equívocos”

 

‘Com Temer, estamos assistindo ao impeachment do processo civilizatório’

 

“Na crise, princípios éticos precisam orientar a construção de soluções técnicas”


‘Governo Temer não tem legitimidade política e capacidade operacional pra articular saídas à crise’

 

 

Givanildo Manoel é ativista social, membro do Tribunal Popular – o Estado no Banco dos Réus e do Comitê pela Desmilitarização da Polícia e da Política.

 

 

Recomendar
Última atualização em Qui, 01 de Setembro de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates