Instantes finais

 

 

 

 

 

Após meses, o impeachment vai chegar ao fim. Dilma, em seu discurso, rebateu do ponto de vista jurídico a ausência completa de legitimidade nas acusações das pedaladas fiscais.

Porém, ao afirmar que não se acumpliciou com o pior da política no Brasil, não disse a verdade. São seus próprios ex-aliados que agora vão votar pelo fim do seu mandato, entre os quais vários ex-ministros.


Ela se aliou, sim, com o pior da política no Brasil, de Maluf a Collor, dos partidos fisiológicos aos fundamentalistas evangélicos e, sobretudo, com o PMDB, seu parceiro de longa data.

Por que ela não pode fazer uma autocrítica destas alianças? Porque tais alianças continuam!


Mesmo com o impeachment, o PT continua aliado com os partidos golpistas! Dilma não enriqueceu pessoalmente, o que de fato a distingue da venalidade explícita da maior parte dos que a condenam.

 

Mas não deixou de manter suas alianças com o pior da política brasileira, com os corruptos mais descarados, com os oligarcas mais antigos, com o sistema político ao qual se adaptou.


O mais triste é que o papel maior do PT foi o de neutralizar a mobilização popular, de reduzir o movimento social a uma mera base eleitoral.

Aliado à burguesia e seus representantes, cumpriu tão bem seu papel de rebaixar as expectativas, de promover o lucro dos setores mais predatórios do agronegócio, da mineração e do capital financeiro, de forjar uma legislação repressiva, que agora, quando perdeu sua utilidade como parceiro do grande capital, quase não há mobilização em sua defesa.

O governo caiu num golpe palaciano, urdido pelos seus próprios aliados e, apesar disso, continua a manter nas eleições municipais alianças com esses mesmos partidos fisiológicos e traiçoeiros, haja vista a aliança de Haddad em São Paulo com o PR de Magno Malta e Tiririca.

Não há como defender o PT que se mantém nas mesmas estratégias, fisiológica e conciliatória, que o levaram ao colapso.

A esperança agora é que o Fora Temer cresça e nas próximas eleições o voto no PSOL, no PSTU e no PCB indique a superação das ilusões no PT.

 

Leia também:


A política dos pixels - discurso fotográfico e manipulação histórica


Encruzilhada da indignação


Sobre as leis de bronze da lumpemburguesia

 

Tchau, querida! (Bye, bye, Lava-Jato)

 

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”

 

Duas semanas de folga para uma sociedade exaurida e ressentida

 

Só agora, Gilmar?

 

“No quadro atual, o PT representa um peso para as correntes de esquerda combativa”

 

‘Esse governo é ilegítimo e quer erguer-se com base na demolição dos direitos do trabalho’

 

“Um governo com 80% de aprovação não fazer nada por uma sociedade mais coesa realmente cometeu graves equívocos”

 

‘Com Temer, estamos assistindo ao impeachment do processo civilizatório’

 

“Na crise, princípios éticos precisam orientar a construção de soluções técnicas”

 

‘Governo Temer não tem legitimidade política e capacidade operacional pra articular saídas à crise’


Henrique Carneiro é ativista e professor da USP.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados