topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
STF, suprema decepção Imprimir E-mail
Escrito por Emanuel Cancella   
Domingo, 28 de Agosto de 2016
Recomendar

 

 

 

 

Eles recebem os maiores salários da República. Até seria justo, já que seu principal papel é manter o respeito à Constituição Federal, a lei maior do país. Mas estão muito longe de um bom desempenho. O melhor exemplo é o silêncio mantido pelos nossos excelentíssimos ministros do STF diante das evidências legais de que nada justifica o impeachment da presidenta Dilma.

 

O processo do impeachment foi aberto, sob o argumento de que a presidenta teria cometido as tais “pedaladas fiscais”. Ora, até a perícia do Senado já disse que Dilma “não pedalou”. A Organização dos Estados Americanos (OEA) disse a mesma coisa, assim como o Tribunal Internacional formado por juristas de vários países que também se debruçaram sobre o caso. Mas o STF se cala, enquanto o Congresso golpista insiste junto à OEA e à opinião pública que há, sim, razões para o impeachment.

 

Quem conhece a História do Brasil sabe que o STF costuma se esquivar diante dos golpes de Estado no país. O Supremo tem se prestado antes em mascarar os golpes, dando-lhes aspecto de legalidade, do que em fazer valer a Constituição.

 

Fosse, de fato, o guardião da legalidade, o STF não seria conivente com os juros escorchantes de 63,7% ao ano (dez/2015), quando a Carta Magna diz que o limite é de 12% ao ano. O STF parece mais preocupado em proteger os banqueiros do que os direitos constitucionais.

 

Se for verdadeiro o conteúdo das gravações do filho de Nestor Cerveró, amplamente divulgadas, aqueles que deveriam zelar pela Constituição não apenas descumprem essa função como vão além. Alguns teriam o hábito de aliviar a barra de bandidos. A gravação coloca Dias Toffoli e Gilmar Mendes na condição de suspeitos de tentarem facilitar a fuga de Cerveró, réu confesso e condenado por corrupção.

 

Aliás, a citação de Gilmar Mendes não surpreende. Foi ele quem  decidiu manter em liberdade o médico estuprador Roger Abdelmassih. No Brasil, o cara estava condenado a 278 anos de cadeia, mas teve a fuga facilitada e passou a viver como nababo numa mansão, no Líbano, onde contraiu novas núpcias e foram felizes para sempre.

 

Aliás, Gilmar Mendes também traz no currículo os dois habeas corpus concedidos, em 24 horas, ao banqueiro Daniel Dantas, que havia sido condenado a 10 anos de prisão. Já o delegado que condenou Dantas foi expulso da Polícia Federal e teve prisão decretada.

 

Como se não bastasse, em plena crise institucional, o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, reuniu-se com o então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, para resolver o problema do próprio salário. Não por acaso, Cunha foi quem abriu o processo contra a Dilma. Será que houve barganha e por isso o STF insiste que, apesar das evidências, não houve golpe?

 

Por último, Gilmar Mendes tem criticado a Lei da Ficha Limpa e o faz na condição de presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cargo que acumula com o ministro do STF. A crítica à justíssima lei conquistada pela sociedade teria como propósito minimizar os crimes eleitorais cometidos pelo presidente golpista, Michel Temer, que está inelegível pelos próximos oito anos.

 

Diante disso, dá para acreditar na seriedade desse STF?

 

 

Leia também:

 

Só agora, Gilmar?

 

A política dos pixels - discurso fotográfico e manipulação histórica

 

Encruzilhada da indignação

 

Sobre as leis de bronze da lumpemburguesia

 

Tchau, querida! (Bye, bye, Lava Jato)

 

Não era contra a corrupção. Vamos capturar pokémons?

 

Escolas sem política, tribunais com crucifixos

 

“No quadro atual, o PT representa um peso para as correntes de esquerda combativa”

 

Emanuel Cancella é diretor do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).

 

 

 

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates