topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Nada mudou Imprimir E-mail
Escrito por Rogério Grassetto Teixeira da Cunha   
Quarta, 05 de Dezembro de 2007
Recomendar

 

“Em outros declives semelhantes, vimos, com prazer, progressivos indícios de desbravamento, isto é, matas em fogo ou já destruídas, de cujas cinzas começavam a brotar o milho, a mandioca e o feijão”.

 

“Pode-se prever que em breve haverá falta até de madeira necessária para construções se, por meio de uma sensata economia florestal, não se der fim à livre utilização, ou, melhor dizendo, devastação das matas desta zona”.

 

“As ervas desse campo, para serem removidas e para fertilizar o solo com carbono e extirpar a multidão de insetos nocivos, são queimadas anualmente pouco antes de começar a estação chuvosa (...) assistimos com espanto à surpreendente visão da torrente de fogo ondulando poderosamente sobre a planície sem fim”.

 

“(...) a atividade dos homens que esburacam o solo (...) para a extração de metais. Covas informes e montões de cascalho desfiguram as serras situadas a oeste e norte da cidade, nas quais corre ouro no xisto argiloso”.

 

“Infelizmente (...), ávidos de sua carne [tatu galinha], não ponderam sobre essas sábias disposições. Perseguem-no com tanta violência, como se a espécie tivesse de ser extinta.”

 

“No solo adubado com cinzas das matas queimadas dá boas colheitas (...) Contudo, isso se refere somente à colheita do primeiro ano; no segundo já é menor e, no terceiro, o solo em geral está parcialmente esgotado e em parte tão estragado por um capim compacto (...) que a plantação é desfeita ...”

 

“Maiores lucros deram, outrora, as minas de ouro (...). Agora estão esburacados os bancos de areia dos rios de todos os lugares e a superfície da terra”

 

“Em parte, haviam sido queimadas grandes extensões das pradarias. Assisti hoje a este fenômeno diversas vezes e, por um quarto de hora, atravessamos campos incendiados, crepitando em altas chamas”.

 

“Subimos então a Serra Garo, que oferecia um aspecto totalmente singular de abandono e devastação pelas inúmeras escavações feitas para as lavras de ouro”.

 

***

 

Lendo as citações acima, o leitor pode estar se perguntando de onde elas foram extraídas, até pela linguagem pouco usual, e a que lugares referem-se. Poderá imaginar que são trechos de publicações técnicas sobre o meio ambiente, talvez algum relato de um membro de uma ONG ambientalista ou de um viajante de Portugal ou outra coisa qualquer do gênero. Pois bem, não é nada disso. Na verdade, as citações foram extraídas do livro “Viagem no Interior do Brasil” (1976, Editora Itatiaia/EDUSP, tradução de Milton Amado e Eugênio Amado) do naturalista austríaco Johann Emanuel Pohl (aliás, livro que particularmente recomendo, pela riqueza de informações sobre o Brasil da época). O detalhe que torna as citações mais interessantes para aquelas pessoas preocupadas com o meio ambiente é a época em que foi feita a viagem: entre 1818 e 1819. Isto mesmo, há quase 190 anos! Repito: cento e noventa anos atrás. Triste constatar que, de lá pra cá, não só pouca coisa mudou como retrocedemos em outras.

 

O naturalista viajou pelos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás e Tocantins e descreveu os caminhos por onde passou, detalhes geológicos, aspectos da fauna e da flora, costumes e tradições das cidades, do campo e de agrupamentos indígenas, aspectos históricos, etc. Embora não seja seu foco principal, pode-se extrair várias conclusões a respeito da forma como o meio ambiente era tratado. O imediatismo, a destruição pela cobiça, a nefanda prática das queimadas, a falta de planejamento e o hábito de esgotar os recursos para posteriormente mudar o local da destruição são facilmente percebidos ao longo do texto. Na verdade, dada a época em que o relato foi feito, isto não constitui grande surpresa. O mais impressionante, no entanto, é a analogia com os dias atuais. No tocante à mineração, basta lembrar Serra Pelada, os acidentes com derramamento de substâncias tóxicas no rio Pomba, as invasões de Terras Indígenas e áreas protegidas. Sobre a exploração madeireira, temos a mesma gana exploratória, agora disfarçada sob os auspícios das Concessões Florestais de florestas públicas, planos de manejo e do recém criado Serviço Florestal Brasileiro. No quesito queimadas, continuamos com taxas recordes e números que beiram ao ridículo. Quanto à extinção de espécies e desmatamento, bem, estas é melhor nem comentar. Quase dois séculos se passaram, o discurso ambientalista ganhou força, as ONGs são entidades de peso político extraordinário, mas tudo indica que, na prática, nada mudou.

 

 

Rogério Grassetto Teixeira da Cunha, biólogo, é doutor em Comportamento Animal pela Universidade de Saint Andrews.

E-mail: rogcunha(0)hotmail.com

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates