topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O prazer da enganação Imprimir E-mail
Escrito por Osiris Lopes Filho   
Quarta, 05 de Dezembro de 2007
Recomendar

 

Tardiamente, entrou no balcão das negociações a desvinculação das receitas da União – a DRU. Desde a aprovação da prorrogação da CPMF em 2003 até 31 de dezembro deste ano, o governo Lula teve quase quatro anos para se preparar para a extinção desse tributo, perverso, enganador, entreguista e gilete (corta dos dois lados, a produção e o consumo).

 

Optou, obcecado pela avidez arrecadatória, por deixar para a última hora a questão da CPMF.

 

Afinal, trata-se da arrecadação de 40 bilhões de reais e muita coisa se pode fazer com esta fabulosa quantia, inclusive comprar convicções e votos.

 

Na Câmara a prorrogação foi fácil. A experiência do mensalão demonstrou que a moeda resolve votações nessa casa que, infelizmente, está aí, suscetível à realização de operações de compra e venda.

 

No Senado, em que a maioria governamental não prima pela firmeza e pela lealdade estrita, a crise se acumulou, pois à amnésia seletiva que caracteriza o governo Lula se agregou a cegueira oportunista de apoiar a continuidade de Renan Calheiros na presidência do Senado, contra a opinião pública e a moralidade.

 

Instalaram-se, em clima de desespero governamental, operações de escambo, em nome de interesses regionais e políticos. E aí, a DRU, irmã siamesa da CPMF que seguia esquecida, aflorou no toma-lá-dá-cá que vai empolgando as negociações.

 

É que alguns senadores ou blocos de senadores uniram-se e fizeram exigências tópicas no balcão das negociações. Claro, no melhor dos propósitos. As primeiras foram com relação a limites nos gastos de custeio, outras de redução da carga tributária, que ultrapassa os limites da razoabilidade e está há muito tempo situada no palco da indecência explícita.

 

O senador Cristóvam Buarque, cuja campanha presidencial focou-se na educação, fez exigência pública de que só votaria pela prorrogação da CPMF se houvesse ressalva dos recursos destinados à educação. Outros exigem se respeitem os gastos na saúde.

 

E aí entrou no balcão das negociações a DRU, este instrumento de castração financeira. Mais de 70% da arrecadação da União concentram-se nas contribuições. A relevância arrecadatória situa-se nas contribuições, que constituem tributos vinculados a uma finalidade, por fornecerem, em tese, benefício ou vantagem aos seus contribuintes ou ao setor que suporta a sua incidência. Foram criadas essas contribuições em função da sua finalidade específica. Pela DRU, 20% da sua arrecadação são retirados da sua finalidade e utilizados para atender aos gastos gerais da União.

 

Em verdade, esses 20% são utilizados para compor o superávit primário, bolo de recursos destinado a pagar os juros da dívida pública federal. A própria CPMF tem 20% capados pela DRU – cerca de 8 bilhões, antes da sua destinação à saúde, à previdência e ao combate à pobreza. A CIDE dos combustíveis perde o mesmo percentual retirado de sua destinação de melhorar a nossa infra-estrutura de transportes: estradas e aeroportos. A COFINS e o PIS, que poderiam resolver a crise da saúde, da previdência e da assistência social, sofrem idêntico desvio.

 

Na Emenda Constitucional nº. 42, que prorroga a CPMF e a DRU, foram excepcionados do desvio os recursos arrecadados pelo salário-educação. E tem sido respeitada a integralidade de destinação. É necessário introduzir o respeito e a observância da destinação das contribuições, pois as suas finalidades são relevantes e merecem respeito em nome do interesse nacional e da lealdade com os contribuintes. Se os senadores votarem na prorrogação da CPMF e da DRU, confiantes apenas nas promessas do governo, para salvar a sua imagem, poderão a partir do próximo carnaval compor o bloco “me engana que eu gosto”. Será a adesão à autenticidade.

 

 

Osiris de Azevedo Lopes Filho, Advogado, Professor de Direito na Universidade de Brasília – UnB – e Ex-Secretário da Receita Federal.

E-mail: osirisfilho(0)azevedolopes.adv.br

Recomendar
Última atualização em Terça, 11 de Dezembro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates