topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Protesto de D. Luiz Cappio ‘não acabará bem’, diz Gogó Imprimir E-mail
Escrito por Mateus Alves   
Segunda, 03 de Dezembro de 2007
Recomendar

 

Pala falar da importância da retomada da greve de fome do bispo Luiz Flávio Cappio para a luta contra a transposição do rio São Francisco, o Correio da Cidadania entrevista Roberto Malvezzi, o Gogó, coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e um dos principais opositores do projeto do governo federal.

 

Para Gogó, o protesto de Dom Luiz, iniciado na cidade de Sobradinho (BA), alerta para a incapacidade das obras em atender as vítimas da estiagem no Nordeste e enfrenta forte oposição do governo federal, que busca isolar o bispo da mídia, dos representantes políticos e da Igreja.

 

 

Correio da Cidadania: Quais são os motivos que levaram Dom Luiz Cappio a reiniciar uma greve de fome? O protesto similar realizado pelo bispo em Cabrobó (PE), há dois anos, surtiu efeito?

 

Roberto Malvezzi: Objetivamente, o governo iria abrir um canal de diálogo a respeito de alternativas para a transposição do rio São Francisco, tendo firmado um compromisso quando Dom Luiz encerrou sua primeira greve de fome.

 

Isso, nunca fez. Após dois anos, ficou claro que o governo não quer dialogar sobre alternativas; aceitam falar algo sobre a obra em si, mas não sobre alternativas para a transposição.

 

A situação se agravou recentemente com o fato de o rio estar muito baixo – quase 600 km de rio viraram esgoto; em Sobradinho, cidade onde Dom Luiz se encontra, o rio está apenas com 14% de seu volume normal.

 

A estiagem está afetando nove estados do Nordeste, e o governo se recusa a considerar qualquer alternativa. Ora, se dizem que 12 milhões de pessoas serão beneficiadas pela transposição, 34 milhões de pessoas no meio urbano e mais 10 milhões no meio rural seriam beneficiadas pela implementação do Atlas do Nordeste e por meio da construção de cisternas. São 44 milhões de pessoas beneficiadas, com serviços reais de abastecimento de água, pela metade do valor que está sendo investido na transposição.

 

Diante desse impasse, Dom Luiz sentiu que o governo queria enganá-lo, e sua alternativa foi retomar a greve de fome.

 

CC: Qual a importância dessa retomada da greve de fome na luta contra a transposição?

 

RM: Com isso, Dom Luiz está dizendo, radicalmente, “ou suspendem a transposição, arquivam o projeto e retiram o Exército dos canteiros de obras ou vou até o fim”.

 

CC: O bispo está realmente convicto de ir até o fim?

 

RM: Sim, está. Ficamos sabendo que o governo está com estratégia em três níveis para isolá-lo, minimizando a sua decisão.

 

Primeiro, procuram isolá-lo da grande mídia, para que a greve de fome não repercuta; isolá-lo da classe política do Nordeste, de deputados e senadores; e isolá-lo da Igreja. E o governo está tendo certo sucesso nas duas primeiras esferas, mas ainda temos dúvidas se terá sucesso entre a Igreja.

 

CC: E por que meios o governo está fazendo isso?

 

RM: A notícia não está circulando na grande mídia, somente em veículos locais e regionais. A Globo, por exemplo, sequer tocou no assunto. Deputados e senadores também não deram as caras ainda, especialmente aqueles ligados ao PT. Da outra vez que Dom Luiz havia iniciado uma greve de fome, estes estavam presentes.

 

CC: Você acredita em alguma possibilidade de diálogo entre Dom Luiz e o governo?

 

RM: Não haverá diálogo. O governo nunca quis dialogar, e agora está mais fechado ainda. Eu acredito que isso não irá acabar bem.

 

CC: De que maneira os movimentos sociais estão apoiando a greve de fome do bispo?

 

RM: Os movimentos estão reunidos no apoio. Haverá uma grande manifestação, em nível nacional, no próximo dia 10; a Via Campesina irá promover ações em todo o Brasil.

 

Até lá, tomarão lugar diversas ações pontuais – e há também manifestações oriundas de indivíduos e grupos sociais, como redes de jejum, de solidariedade e celebrações.

Recomendar
Última atualização em Segunda, 03 de Dezembro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates