topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Brasil-Estados Unidos – a proximidade sem embaraço entre Lula e Obama Imprimir E-mail
Escrito por Virgílio Arraes   
Sexta, 08 de Julho de 2016
Recomendar

 

 

 

 

 

Em meio ao corrente processo de destituição de Dilma Rousseff da presidência da República, sobejam afirmações, como maneira de defesa política de sua iníqua administração, relativas a uma suposta altivez da política externa das gestões trabalhistas ao longo de quatro mandatos ou independência concernente a interesses dos estadunidenses.

 

Na prática, a proximidade entre os dois países, indistintamente da agremiação à frente do poder, tem sido real. Durante a gestão de Lula da Silva, o dirigente democrata, Barack Obama, era elogiado em público pelo brasileiro, como, por exemplo, na época de sua visita a países da área médio-oriental em maio de 2009.

 

No mesmo período, a indicação de Thomas Shannon, servidor de carreira do Departamento de Estado, para ser o embaixador foi acolhida de modo positivo pelo Planalto. Fluente em português e espanhol, o diplomata havia trabalhado no país no início da carreira (1989 a 1992) -  http://www.state.gov/r/pa/ei/biog/55306.htm. Ele substituiria Clifford Sobel, após apenas três de exercício.

 

Uma das questões prementes daquele momento relacionava-se com a possibilidade de exportação do etanol ao mercado norte-americano, dificultada por causa da alíquota de 2,5% do imposto de importação do produto além da imposição de um adicional acima de 14 centavos de dólar por litro para vários países - https://www.cbo.gov/sites/default/files/111th-congress-2009-2010/reports/07-14-biofuels.pdf.

 

Cerca de 98% do biocombustível consumido no território norte-americano era produzido internamente – em torno de 40 bilhões de litros. A tendência seria a de ampliar mais a quantidade. Em que pesasse o interesse de Brasília, Shannon observava que a eventual redução da tarifa não dependeria da vontade do Executivo tão somente. Lá, o Congresso dispõe de poderio maior para resguardar a produção local, se comparado com seu similar brasileiro.

 

A forma alternativa para comerciar o etanol seria a de o Brasil valer-se de parcerias junto a países centro-americanos com os quais os Estados Unidos mantivessem acordos de livre comércio. No entanto, a relação inverter-se-ia de maneira surpreendente nos meses seguintes: o país passaria a importar mais que exportar o produto, de sorte que a sugestão do embaixador caducaria.

 

De acordo com um importante diário britânico - https://www.theguardian.com/world/2009/jun/02/obama-lula-world-bank - a identificação ideológica entre os dois governos no primeiro semestre de 2009 era tão próxima que Lula da Silva teria sido cogitado por Barack Obama para presidir o Banco Mundial, a despeito de não ser cidadão estadunidense, tradição vigente até aquela fase.

 

Seu possível concorrente seria o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh. Um ou outro nome demonstrava a vontade de Washington de valorizar o multilateralismo e, ao mesmo tempo, de alinhamento, ao ir de encontro ao posicionamento da gestão predecessora, a do republicano George Bush Jr.

 

De todo modo, a Casa Branca indicaria de fato o primeiro estrangeiro para a instituição em março de 2012: o sul-coreano, embora residente desde os primeiros anos em território norte-americano, Jim Yong Kim.

 

Por fim, Moises Naím, editor da Foreign Policy, em entrevista à BBC afirmou que a política econômica da gestão de Lula da Silva situava-se mais à direita que a de Barack Obama - http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2009/06/090530_eua_esquerdas_bruno.shtml.

 

Destarte, razão havia para que os democratas se entusiasmassem com os trabalhistas como singulares colaboradores na governança global, abalada por uma crise econômica de extensão sem precedentes no pós-Guerra Fria.

 

 

Leia também:


Estados Unidos: silêncio de Obama diante do pleito onusiano de Lula

 

Brasil-Estados Unidos – Lula no final, Obama no início


Virgílio Arraes é doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição.

 

 

Recomendar
Última atualização em Segunda, 11 de Julho de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates