topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Sonho pervertido em pesadelo Imprimir E-mail
Escrito por Osiris Lopes Filho   
Sexta, 13 de Abril de 2007
Recomendar

 

 

A contribuição provisória sobre movimentação financeira – CPMF –  contou para a sua aprovação com mutirão de pessoas e setores da sociedade brasileira. O principal personagem desse conjunto de esforços foi o professor Adib Jatene, notável cirurgião, então ministro da Saúde, que promoveu campanha para a instituição dessa contribuição mobilizando a opinião pública, para obtenção de recursos para a saúde, que à época estava à míngua de dotações orçamentárias para o seu sustento adequado.

 

O Dr. Jatene, com sua autoridade moral, conseguiu mobilizar a opinião pública, sensibilizando também a classe política, que terminou aceitando-a, inclusive o Congresso, aprovando Emenda Constitucional nº 12/1996, atribuindo à União a competência para instituir a CMPF.

 

A concentração no Dr. Jatene da habilidade cirúrgica e da autoridade moral possibilitou-lhe produzir o prodígio de comandar uma operação de transformismo tributário. Conseguiu mudar o sexo do tributo. O que tinha sido originalmente imposto provisório sobre movimentação financeira (Emenda Constitucional nº 3, de 1993, art. 2º), submetido ao regime jurídico másculo de imposto, passou a ter fecundidade feminina multiplicadora, ao ser convertida em contribuição.

 

A Lei nº 9.311, de 24/10/1996, viabilizou a criação da CPMF, eis que a Constituição atribui competência para instituir determinado tributo e a lei é que efetivamente o cria.

 

Aí surgiu um novo componente de apoio à CPMF. Feita ação direta de inconstitucionalidade – ADIN –, o Supremo Tribunal Federal considerou-a constitucional.

 

Havia séria resistência no Executivo, de então, à criação dessa contribuição. Era sabida a sua irracionalidade. Todavia, essa turma do governo não era louca, pois um dos testes para se determinar a loucura é saber se o paciente rasga dinheiro. Surgida a oportunidade, a resistência anterior à implantação da contribuição virou, prazerosamente constrangida, avidez desbragada por receita.

 

A contribuição que devia adicionar recursos à saúde teve a sua arrecadação desviada para outras finalidades, de modo que, no frigir dos ovos, os recursos para a saúde diminuíram, em verdade.

 

Uma corrente poderosa da opinião pública, desejosa de implantar o imposto único sobre transações financeiras, usando portanto a mesma materialidade econômica da contribuição, deu-lhe apoio, como forma experimental de introdução. Panacéia tributária que deu com os burros n’água.

 

Prevista constitucionalmente para falecer em 31 de dezembro, véspera do ano bom, com previsão para iniciar livre dessa tributação pervertida, o Executivo queria eternizá-la. Diante do absurdo dessa providência, pretende apenas prorrogá-la.

 

São tantos “Ps” que, no final, de prorrogação em prorrogação, vai ficando permanente, pois é difícil renunciar à arrecadação de cerca de 35 bilhões de reais, que é o que se dará, pelo previsto, neste ano.

 

O governo federal, embevecido pelo etanol, tirou das palavras de ordem o velho lema “go home”,  que em outros países tem recepcionado o presidente Bush. Melhor é, em prestígio à pregação do deputado Aldo Rebelo, defensor da valorização do nosso idioma, substituir tal “slogam” por “fora CPMF”, pois esse tributo é que, diariamente, extorque indecentemente o povo brasileiro, que vai sendo tosquiado, sem clemência,  por contribuição entreguista, gilete, escorchante, que não se apóia na capacidade contributiva, enganosa e que eleva os preços dos produtos nacionais, contra o nosso povo e contra o esforço de exportação. Portanto, é hora de dizer, ao Congresso Nacional: fora CPMF.          

 

 

Osiris de Azevedo Lopes Filho, advogado, professor de Direito na Universidade de Brasília – UnB – e ex-secretário da Receita Federal.

E-mail: osirisfilho(0)azevedolopes.adv.br

 

Para comentar este artigo, clique comente

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates