Festa de São João

0
0
0
s2sdefault

 

 

 

João, santo cuja festa se celebra a 24 de junho, era primo de Jesus, filho de Zacarias, sacerdote do Templo de Jerusalém, e de Isabel, prima de Maria. Como o nascimento de Jesus se comemora a 25 de dezembro, por ter nascido seis meses depois de seu primo, João tem a sua festa natalícia a 24 de junho.

 

De fato, as duas festas decorrem das festividades pagãs, apropriadas pela Igreja, dos solstícios de verão e inverno no hemisfério norte. Solstício vem do latim solsistere, “que não se mexe”. É quando o sol, medida a sua latitude a partir da linha do equador, se encontra em sua maior declinação em relação à Terra. Então, neste dia, no hemisfério norte o dia é o mais longo do ano e, a noite, a mais curta. No hemisfério sul ocorre o contrário.

 

Os solstícios não ocorrem sempre no mesmo dia. Variam conforme o ano. Mas quase sempre entre os dias 20 e 25 de junho e dezembro. Por isso, os dias 21 de junho e 21 de dezembro marcam as mudanças de estações. No hemisfério sul, do outono para o inverno, em junho; e da primavera para o verão, em dezembro.

 

Há indícios de que João, decidido a não seguir a carreira sacerdotal do pai no Templo de Jerusalém, preferiu unir-se aos monges essênios de Qumran, junto ao Mar Morto. Talvez por discordar do elitismo espiritual dos essênios, que se consideravam os prediletos de Deus, João trocou a vida monástica pela pregação ambulante às margens do rio Jordão. Ali formou a sua própria comunidade, selada pelo batismo cuja espiritualidade se centrava na prática da justiça. Daí passou a ser conhecido como João Batista (aquele que batiza). Jesus aderiu à comunidade de seu primo e foi por ele batizado nas águas do Jordão.

 

João denunciou a vida corrupta e devassa do governador da Galileia, Herodes Antipas, que se juntara à mulher de seu irmão, Felipe. Preso, foi degolado a pedido de Salomé, enteada do governador, orientada pelo ódio vingativo de sua mãe, Herodíades. Em plena festa palaciana, a cabeça de João foi exibida em uma bandeja.

 

A atuação de Jesus só teve início após o martírio de João. É como se o primo firmasse posição para demonstrar a Herodes Antipas, a quem chamava de “raposa”, que a luta continua... Seus primeiros discípulos, André e Simão, o cananeu, vieram do grupo de João.

 

Da comunidade dos doze apóstolos, o mais jovem também se chamava João, autor do quarto evangelho. Ele abre o seu relato em homenagem ao xará, a quem chama de “enviado de Deus para ser testemunha da luz.”

 

A festa de São João é marcada, no hemisfério sul, pela fogueira e os fogos de artifício, que simbolizam a “luz do mundo” e o fato de a luz (Jesus) vencer as trevas (da noite mais longa do ano).

 

Desde o século XVIII, a festa foi comemorada no Brasil com adereços que os portugueses trouxeram da Ásia, especialmente da China, como balões, bandeirinhas e fogos de artifício. Já a dança da quadrilha (quadrille, dança de quatro casais), aqui em trajes caipiras, veio da Holanda e recebeu influências portuguesa e francesa. A marcação, hoje abrasileirada, lembra foneticamente o francês: anarriê (en arièrre, retornar); anavantu(tout em avance, todos para frente).

 

Neste ano, todos nós, devotos de São João, devemos pedir muita luz para o Brasil, onde muitas cabeças vêm sendo degoladas pela corrupção e os desmandos administrativos.

 

 

Frei Betto é escritor, autor de “Fidel e a religião” (Fontanar, 2016), entre outros livros.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados