topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Arábia Saudita pressiona e sai da lista dos países que matam mais crianças Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Sexta, 24 de Junho de 2016
Recomendar

 

 

 

 

 

A Arábia Saudita não é exatamente um país modelo no respeito a direitos humanos.

 

Desde março de 2015, vem bombardeando implacavelmente o Iêmen para repor no poder o ex-presidente Hadi.

 

A Arábia Saudita é responsável por dois terços dos civis mortos, vítimas dos aviões e outros armamentos fornecidos pelos EUA ao reino.

 

Usa até mesmo bombas de fragmentação, proibidas pela ONU por atingirem civis longe do campo de batalha.

 

Ademais, como algumas não explodem, enterram-se na terra e vão ferir civis que passam por lá, mesmo anos depois.

 

Fato que, depois de quinze meses, levou os EUA a suspender a venda dessas armas aos exércitos sauditas.

 

As crianças não escapam dos bombardeios executados pelo governo de Riad.

 

Segundo relatório da ONU que lista os países que matam mais crianças, nada menos que 512 já foram mortas e 667 feridas pelas forças sauditas. O que representa 60% das vítimas infantis na Guerra do Iêmen.

 

Falando sobre esta estatística, Ban Ki-moon, secretário geral da ONU, declarou: “Graves violações contra crianças aumentaram dramaticamente como resultado da escalada do conflito”.

 

Daí a surpresa quando um porta-voz de Ban ki-Moon anunciou que a Arábia Saudita seria removida da lista dos países matadores de crianças.

 

Prontamente, a Anistia Internacional denunciou que esta decisão foi “resultado direto de pressões dos sauditas”.

 

De Richard Bennet, dirigente da Anistia, partiu um duro comentário: “é inconcebível que esta pressão foi exercida sobre a ONU por um dos próprios países listados no relatório”.

 

Totalmente sem jeito, a ONU balbuciou que a remoção seria temporária e está revisando as conclusões do relatório em cooperação com os sauditas.

 

Desta vez, Ban ki-moon pisou na bola. Será que a “pressão saudita” incluía cortar as verbas que o reino concede à ONU?

 

 

Luiz Eça é jornalista.

Website: Olhar o Mundo.

 

 

Recomendar
Última atualização em Segunda, 27 de Junho de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates