topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Ocupa tudo! Imprimir E-mail
Escrito por Mauro Luis Iasi   
Qui, 19 de Maio de 2016
Recomendar

 

 

 

 

Foi assim. Começou mais ou menos quando os jovens ocuparam as escolas. Aprendiam e ensinavam, uns aos outros, sem diário de classe, sem avaliação e nota. Sentavam-se em roda e conversavam. Cantavam, liam, falavam alto, sorriam e se punham sérios. Limpavam os banheiros, faziam comida, arrumavam as carteiras, pintavam paredes, dando um jeito nas lousas e janelas quebradas.

 

Alguns levavam comida e cobertores, livros e músicas, poemas e esperanças... E eles foram, assim do nada, construindo uma nova escola. Pelo menos é o que achavam àquela época. Mas, aos poucos, vindo das sombras onde se escondem entre as luzes da cidade, começaram a brotar pessoas. Não se sabia que ainda havia pessoas. Os moradores de rua trouxeram pão com manteiga e chocolate quente. Os ladrões de comida ficaram pasmos: afinal, como é que a comida chegava às escolas e eles não ganhavam nada?

 

Os camponeses, então, resolveram que não poderia faltar comida para a moçada e decidiram imitar os estudantes (que os haviam imitado) e ocupar as terras. E lá plantavam comida, uma coisa que muita gente tinha esquecido o que era, acostumados que estavam em produzir emulações de comida em caixas coloridas e vistosas cheias de química, espessantes, acidulantes e sabores artificiais idênticos ao natural. Para plantar precisavam de instrumentos de trabalho, máquinas e caminhões... Os estudantes precisariam de lápis, cadernos, panelas, janelas e portas, fogões e geladeiras, carteiras e tintas, tijolos e cimento...

 

Foi assim que eles apareceram. “Sei cozinhar”, disse um senhor, “sei fazer tijolos”, disse uma senhora. “Conserto panelas”. Um sabia pintar paredes, outros levantar paredes, trabalhar a madeira, o ferro, o barro, o pano. Sabe-se lá onde estavam este tempo todo, sofrendo de dura invisibilidade, presos pela magia das coisas, reificados em seus corpos de metal, sua pele de plástico, atrás das embalagens nas gôndolas do supermercado, em sua existência coisal, desempregados, demitidos, descartados, explorados... E os operários ocuparam as fábricas e decidiram que a partir daquele momento produziriam objetos úteis e foram conversar com os estudantes, os camponeses, as pessoas e quanto mais produziam para satisfazer necessidades, menos coisas eram, as coisas e eles mesmos.

 

É verdade que não sabiam fazer de tudo e erravam muito. Era muito divertido ver aquelas coisas todas erradas, como casa de parede caiada que mostra a tinta que já foi sua, a pedra e barro de que é feita, e tudo foi ficando muito bonito. Sem embalagem e sem propaganda, às vezes torta, às vezes feia, como a gente que fazia as coisas... bonitas.

 

Foi neste momento que, meio assim envergonhadas, meio sem jeito, foram aparecendo pessoas que diziam que sabiam de algumas coisas que podiam ajudar... Quem sabe... Saíram de seus escaninhos, seus laboratórios, suas salas, seus currículos lattes. Saíram de seus esconderijos e dos livros, e foi assim que as universidades foram ocupadas e alguns professores descobriram, atônitos, que também ali havia estudantes e funcionários, e que do lado de fora também havia pessoas com necessidades.

 

Fizeram então uma pergunta que há muito tempo tinham abdicado de formular: o que é que vocês querem? Foi engraçado porque justamente eles que viviam fazendo perguntas e respondendo suas próprias perguntas, e discordando entre eles de suas respostas, nem sempre sabiam responder às perguntas daquela gente toda que ocupavas as escolas, as terras, as fábricas... Todos riram muito disso e depois ficaram sérios buscando as respostas.

 

E não faltaram mais professores, médicos, enfermeiras, engenheiros, assistentes sociais, agrônomos, psicólogos, filósofos, sociólogos, pedagogos, dentistas, biólogos, químicos, físicos e de tudo um pouco. A diferença é que agora eles vinham em todas as cores. Eram índios, eram negros e negras, eram gente que olhando assim, parecia gente, igual àquelas que viviam lá fora. Um desavisado diria que eram pobres, pelo jeito simples de falar e de se vestir, porque andavam de ônibus, moravam perto e comiam do mesmo pão.

 

Porque comiam do mesmo pão e respiravam do mesmo ar, porque ficou difícil de diferenciar um do outro, começaram a se apaixonar loucamente, de todos os jeitos possíveis. E foi tanta paixão, tanto beijo, tanto tesão, que ninguém mais achou que precisava catalogar como homo, hetero, trans, bi e combinou chamar tudo de amor e foi assim que aconteceu. A família foi ficando uma coisa tão grande que não cabia mais, nem no estatuto, nem na lei, então, foi assim que de tão grande cabia o jeito de cada um.

 

Como todo mundo estava ocupando tudo, os loucos ocuparam os manicômios e decidiram em assembleia geral... Fechar todos os manicômios. Saíram pelas ruas e diziam para as pessoas... “Estou triste”, “dói muito”, “enfim vocês entenderam... “Você gosta de mim”, “me dá um cigarro. Decidiu-se que não era crime ser triste, nem louco, para ser punido com remédio e contenção, mas mereciam e precisavam de tratamento e compreensão, então, os loucos foram assim se misturando com a vida e foi bom. Os loucos ficaram mais vivos e a vida mais louca... O que foi bom.

 

E os cantores cantaram, os poetas poetaram, os pintores pintaram, os escultores esculpiram, os escritores escreveram. No começo ninguém se deu conta, mas tinha gente cantando em escola ocupada, no ônibus, nas escadas do Teatro Municipal, tinha gente recitando poesia em sala de aula, dando aula em teatro, uma bagunça gloriosa.

 

Num dia destes, de tamanha confusão, um policial que foi prender uma mulher que havia roubado comida de um supermercado, resolveu perguntar por que ela tinha feito aquilo e diante da resposta que foi para dar comida para seus filhos que estavam com fome, foi lá e fez uma compra e deu pra ela. Vejam só!

 

Quando quase tudo estava ocupado foi que ouviram gritos vindos do palácio do governo. O povo foi até lá com cuidado. Não foi passeata nem manifestação, foram lá por curiosidade. Na sala presidencial estavam Temer e Cunha, engalfinhados rolando pelo chão disputando aos tapas a faixa presidencial. “É minha, é minha! Eu peguei antes”!

 

O pessoal que havia ocupado os CAPS disse que ia cuidar deles. Havia outros que sofriam de comportamento tão estranho e que nem tinham percebido que tudo já estava ocupado.

 

Eram empresários que sentados no canto de suas casas em posição fetal ficavam repetindo “é meu, é meu”, banqueiros agarrados a malas de dinheiro com olhos vidrados e loucos dizendo “posso comprar qualquer um que queira se vender, outros agarrados a espingardas gritavam eu mato, eu mato”, parlamentares aos berros choravam “se me der um cargo eu voto”, homens altos e raivosos de terno com um saiote cor de rosa de bailarina que berravam “eu não sou gay, não sou”, gente sentado na frente da TV tentando, sem conseguir, achar a Globo News e até mesmo pessoas comuns com camisas da seleção brasileira que olhavam assustadas pelas janelas esperando que os militares as salvassem.

 

Quando o último pedacinho do mundo foi ocupado e as pessoas se reuniram para decidir se já era hora de passar do reino da necessidade para o reino da liberdade é que apareceu a última surpresa. Um operário pediu a palavra e falou: “reino é o cacete... Proponho que seja uma República”!

 

Não sei, só sei que foi assim. Todos os fatos aqui narrados são rigorosamente verdadeiros, apenas alguns deles não aconteceram... Ainda.

 

 

Leia também:

“Teremos um governo de crise permanente, que lembra o final do mandato de Sarney” – entrevista com o historiador Lincoln Secco.

 

A “Retórica da Intransigência” outra vez na liquidação da política social

 

"Com as decisões nas mãos do atual Congresso, não há democracia nem legitimidade. Por isso insisto em eleições gerais" – entrevista com Luciana Genro

 

“Dirigimo-nos para um governo chantagista que vai implantar o programa da grande rapinagem” – entrevista com  a historiadora Virginia Fontes

 

“O Brasil foi confrontado com o colapso final do sistema de representação política tradicional”entrevista com o sociólogo Ruy Braga

 

Gilmar Mauro: “A sociedade brasileira está dividida em cisão característica da luta de classes”

 

Quem ganha na conciliação de classes?

 

“É uma vergonha Eduardo Cunha comandar o impeachment” – entrevista com o deputado  federal Ivan Valente

 

Guilherme Boulos: “Se passar pelo impeachment, governo poderá ter de se recompor com o pântano parlamentar”

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Afinal, o que quer a burguesia?

 

Belo Monte e a democracia

 

A agenda das contrarreformas no Congresso: 63 ataques aos direitos sociais

 

“Na política brasileira, está em jogo, acima de tudo, repactuação do poder e estancamento da Lava Jato” – entrevista com o deputado federal Chico Alencar

 

Assumir as derrotas, construir as vitórias

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.

 

 

Mauro Iasi é professor adjunto da Escola de Serviço Social da UFRJ, pesquisador do NEPEM (Núcleo de Estudos e Pesquisas Marxistas), do NEP 13 de Maio e membro do Comitê Central do PCB.

 

Recomendar
Última atualização em Terça, 24 de Maio de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates