topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Por uma agenda com compromissos de combate Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Segunda, 16 de Maio de 2016
Recomendar

 

 

 

 

Ao lado das tentativas esporádicas de responder à ofensiva da direita, até agora vitoriosa, com surtos da virose infantil do esquerdismo, também nos assolam os ventos gelados da capitulação, ou rendição incondicional, à reprise do sistema neoliberal privatista e entreguista já em curso com Temer no comando.

 

Reconhecer que ocorreu uma derrota estratégica e que se foi levado a uma defensiva estratégica não significa render-se nem entregar os pontos. Mesmo porque, para manter a aparência de obediência constitucional impecável, a direita está sendo obrigada a comer o bolo do golpe bocado a bocado, para não engasgar. Dizendo de outro modo, ainda há cerca de seis meses nos quais serão travados novas batalhas estratégicas e inúmeros combates táticos.

 

Nessas condições, ainda não se pode arriar as bandeiras de “Não ao Golpe” e “Fora Temer”. Mas isso não basta. Tão ou mais importante consiste em remodelar a estratégia ainda predominante no PT e em outros agrupamentos de esquerda, e elaborar e levar à prática uma agenda imediata de combates.

 

Isto é, uma agenda que, na pior das hipóteses, desnude para a população brasileira, especialmente para os trabalhadores, as camadas populares e os setores médios progressistas, o caráter neoliberal e entreguista dos golpistas, e recupere as bandeiras dos direitos econômicos, sociais e políticos, da soberania nacional e dos princípios éticos que estiveram na base da fundação do PT e de outros agrupamentos políticos da esquerda.

Como sugestão ao debate, e como condição para travar batalhas e combates em novas condições, tal agenda poderia conter:

 

1. Reconhecimento público, pelo PT e pela presidente Dilma, de que cometeram um erro grave ao tentar um ajuste fiscal de conteúdo neoliberal, que contribuiu para o agravamento das crises econômica e política e permitiu à direita consolidar sua ofensiva antipopular, antidemocrática e antinacional;

 

2. Compromisso público, da presidente Dilma, de que nos próximos dois a três meses trabalhará junto com sua equipe para apresentar um programa de saída da crise econômica. Tal programa pode ter por base o documento aprovado pelo diretório nacional do PT, com queda das taxas de juros, administração do câmbio, controle da inflação, retomada dos investimentos públicos e privados, geração de empregos, luta contra os oligopólios, maior participação das empresas estatais na industrialização nacional, crescimento econômico democrático, desenvolvimento soberano, manutenção dos direitos dos aposentados, continuidade da política de valorização do salário mínimo, e luta contra qualquer tentativa de liquidação dos direitos sociais e políticos presentes da Constituição de 1988;

 

3. Compromisso público da presidente, de lutar pela observação firme das leis que regem o país, contra qualquer criminalização dos movimentos sociais;

 

4. Compromisso público da presidente contra qualquer esmorecimento no combate à corrupção, mas sem transgressões às leis que regem o país, determinando que a PF se atenha à letra dessas leis no cumprimento de suas ações;

 

5. Compromisso público do PT de cumprir rigorosamente a proibição de contribuições financeiras empresariais e de instituir comissão especial para examinar todos os casos de filiados e/ou dirigentes envolvidos em acusações de corrupção e/ou tráfico de influência, adotando as medidas internas de suspensão, desfiliação e/ou expulsão, conforme a gravidade das provas.

 

6. Compromisso público do PT de lutar para que todas as operações policiais e judiciais em curso contra a corrupção sejam levadas avante, incluindo a totalidade dos arrolados e não apenas os politicamente selecionados, e tendo como base provas consistentes e não apenas “suposições” e “indícios”. O que inclui o aceleramento do julgamento do meliante Cunha e seus associados no parlamento e nas empresas públicas e privadas.

 

7. Compromisso público do PT de lutar, de todas as formas legais, contra as tentativas golpistas de criminalizar os movimentos sociais de todos os tipos e de retirar os direitos sociais e democráticos dos trabalhadores, os direitos educacionais e culturais de todo o povo, e os direitos das mulheres e dos negros (maiorias do país) em participar nos destinos do país.

 

8. Compromisso público do PT de reconhecer o papel importante dos demais agrupamentos de esquerda na luta contra o golpe e procurar estabelecer pautas comuns, estratégicas e táticas, de luta para barrar a atual ofensiva da direita e retomar a luta por um Brasil democrático e popular.

 

9. Compromisso público da direção do PT, com aplicação prática imediata, de realizar um processo interno amplo de discussão e revisão de suas estratégias e táticas, retornando fortemente à ação junto às classes trabalhadoras e populares, suas principais bases de sustentação.

 

Nada disso é novidade. Tudo já aparecia nas discussões internas no PT e nos diálogos com os movimentos sociais e outras forças de esquerda, bem antes da disputa eleitoral de 2014.

 

A diferença é que, neste momento, se uma agenda desse tipo não for posta em prática, as derrotas estratégicas nas próximas batalhas políticas poderão representar um desastre econômico semelhante aos anos perdidos da década de 1980 e 1990, e uma dispersão social e política semelhante à dos anos 1960 e 1970, mesmo que não ressurjam o SNI e os DOI-CODIs.

 

Leia também:


A “Retórica da Intransigência” outra vez na liquidação da política social

 

"Com as decisões nas mãos do atual Congresso, não há democracia nem legitimidade. Por isso insisto em eleições gerais" – entrevista com Luciana Genro

 

“Dirigimo-nos para um governo chantagista que vai implantar o programa da grande rapinagem” – entrevista com  a historiadora Virginia Fontes

 

“O Brasil foi confrontado com o colapso final do sistema de representação política tradicional”entrevista com o sociólogo Ruy Braga

 

Gilmar Mauro: “A sociedade brasileira está dividida em cisão característica da luta de classes”

 

Quem ganha na conciliação de classes?

 

“É uma vergonha Eduardo Cunha comandar o impeachment” – entrevista com o deputado  federal Ivan Valente

 

Guilherme Boulos: “Se passar pelo impeachment, governo poderá ter de se recompor com o pântano parlamentar”

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Afinal, o que quer a burguesia?

 

Belo Monte e a democracia

 

A agenda das contrarreformas no Congresso: 63 ataques aos direitos sociais

 

“Na política brasileira, está em jogo, acima de tudo, repactuação do poder e estancamento da Lava Jato” – entrevista com o deputado federal Chico Alencar

 

Assumir as derrotas, construir as vitórias

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.


Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Recomendar
Última atualização em Qui, 19 de Maio de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates