topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A chantagem da Arábia Saudita: fato ou teoria da conspiração? Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Segunda, 16 de Maio de 2016
Recomendar

 

 

 

 

Na semana passada, publicamos matéria baseada em notícias do norte-americano The New York Times e do inglês The Independent. Dois jornais conceituados, que não costumam ser levianos.

 

Ambos publicaram que, de acordo com informantes, o governo saudita havia ameaçado por à venda 750 bilhões de ativos norte-americanos em poder do reino. O que seria uma catástrofe para Washington.

 

O motivo seria a anunciada publicação de 28 páginas secretas do relatório da Comissão de Inquérito do atentado das Torres Gêmeas e a discussão na Câmara de uma lei, com chances de aprovação, que dava aos EUA direito de processar chefes de governos estrangeiros.

 

Aparentemente, os sauditas teriam culpa no cartório. Do contrário, não fariam ameaça tão extrema para barrar as revelações das 28 páginas e a aprovação da lei.

 

Havia indícios de que as 28 páginas teriam sido escondidas pelo governo Bush por incriminarem o governo de Riad ou, ao menos, algum príncipe próximo ao trono.

 

Caso fosse verdade e a nova lei aprovada, a pressão da opinião públicas estadunidense poderia obrigar a Casa Branca a abrir um processo desastroso para a imagem saudita no exterior.

 

Possivelmente, foi para desatar esse nó que Obama viajou para Riad, onde encontrou o rei e sua corte.

 

Sabe-se que ele deu garantia de que, se aprovada, a temida lei seria por ele vetada. Quanto à publicação das 28 fuzilantes páginas, pouco havia de se temer, pois John Clapper, chefe de todas as agências de inteligência dos EUA, estava encarregado de censurar tudo que ameaçasse a segurança nacional.

 

Só os ingênuos acreditam que ele deixará passar eventuais fatos implicando os sauditas na preparação do atentado das Torres Gêmeas.

 

Tudo resolvido, o ministro do Exterior da Arábia Saudita, Abdel al-Juber, depois de conversar com John Kerry, falou aos jornalistas em Genebra que seu país era contra a lei porque inibiria investimentos de países estrangeiros nos EUA (que homens santos tão preocupados com os problemas norte-americanos...).

 

Negou terminantemente à imprensa que seu país jamais tenha ameaçado o governo dos EUA com represálias econômicas.

 

Caso as 28 páginas sejam apresentadas cheias de frases cortadas e Obama vete o projeto de processamento dos governos estrangeiros, o governo saudita sairá inocente como um cordeirinho.

 

E a História terá de registrar a participação do reino como mais uma teoria da conspiração. Como a leitura do episódio está recheada de “se” e “caso”, provavelmente ficaremos mesmo no escuro.

 

Leia também:


A Arábia Saudita ameaça quebrar os EUA


Luiz Eça é jornalista.


Website: Olhar o Mundo.

Recomendar
Última atualização em Qui, 19 de Maio de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates