topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A “Retórica da Intransigência” outra vez na liquidação da política social Imprimir E-mail
Escrito por Guilherme C. Delgado   
Sexta, 13 de Maio de 2016
Recomendar

 

 

 

 

 

Ainda no início da década dos anos 90 do século passado, um brilhante economista – alemão e brasileiro de coração, Albert Hirschman (falecido em 2014) – escreveu um livro instigante, até pelo título: “A Retórica da Intransigência: Perversidade, Futilidade e Ameaça” (Cia de Letras 1992). Esta obra é atualíssima para desvendar a verdadeira guerra ideológica que o campo ultraconservador (ou reacionário, para ser fiel à versão original em inglês do livro) ora move contra a política social que, diga-se de passagem, não é apenas a do governo Dilma, como mostrarei adiante, mas a da Constituição de 1988.

 

Hirschman, com muita acuidade, desvenda o discurso reacionário e imobilista, que consciente ou inconscientemente move-se contra as políticas sociais promotoras da igualdade social, de um lado, e principalmente por uma direita latino-americana e internacional, já sem qualquer vínculo com inspirações liberais da Revolução francesa. Mas também por setores de uma esquerda ultraortodoxa, que nega, “a priori”, a possibilidade concreta da igualdade no sistema capitalista.

 

A primeira justificação ideológica é o “argumento da perversidade” – as ações públicas, ainda que bem intencionadas, provocariam frutos adversos, tais como preguiça, ociosidade, comodismo, ao invés de melhorias na igualdade social. A segunda justificação ideológica seria o “argumento da futilidade”, que pressupõe estruturas profundas e intactas da desigualdade social, insuscetíveis de mudança pela ação da política social. O terceiro pretexto ideológico é o “argumento da ameaça”, utilizado por muitos dos que, reconhecendo os méritos da política social, veem-na, contudo, como grave ameaça à estabilidade econômica, em razão dos recursos fiscais que consome, daí porque estarão sempre com tesoura na mão a recomendar cortes, pressuposto alegado à salvação do edifício da estabilidade.

 

Os três “argumentos” ou pretextos da “Retórica da Intransigência” (até porque argumentar requer racionalidade), principalmente os da perversidade e da ameaça, estão de maneira tácita ou explícita presentes nas repetidas entrevistas, artigos, documento partidários (Ponte para o Futuro, do PMDB) dos muitos áulicos brasileiros atuais do “ajuste fiscal estrutural”. Como estes agora assumem com toda liberalidade as rédeas do governo de transição do vice Michel Temer, o ensaio prometido é demolir de vez o Estado Social da Constituição de 1988.

 

Na conjuntura temos observado vários ataques aos programas sociais gerados nas gestões dos governos do PT, especialmente ao Programa Bolsa Família (14 milhões de beneficiários diretos, com benefício familiar teto de 168 reais por família e orçamento para 2016 de 28 bilhões de reais, equivalente a 0,5% do PIB). A tese de perversão é usada e abusada para desqualificação dos beneficiários.

 

Mas não nos iludamos. A bola da vez é outra:  é o pretexto da “ameaça’, que representariam em conjunto os cerca de 30 milhões de benefícios monetários da seguridade social vinculados ao salário mínimo: 18,3 milhões da Previdência Social, 3,9 milhões da Assistência Social (BPC) e cerca de 8 milhões do Seguro Desemprego. E isto é direito social da base da pirâmide e como tal corresponde a cerca 10 vezes o valor do Bolsa Família. Todos têm seus valores, de direito, vinculados ao piso constitucional previsto no Artigo 201 (parágrafo segundo) da Constituição Federal. Removido este vínculo, a questão do piso de benefícios sociais passaria a ser assunto administrativo do Ministério da Fazenda, a serviço do “ajuste fiscal”, como assim o fora na época dos governos militares.

 

Os titulares desses direitos sociais ora são aposentados e pensionistas do INSS, seja como idosos, órfãos e viúvas, segurados da Previdência Social, que recolheram seus salários de contribuição no nível mínimo ou contribuíram com seus tempos de trabalho comprovados no regime de economia familiar da Previdência Rural. Ora, são pessoas comprovadamente oriundas da extrema pobreza os benefícios de prestação continuada para idosos e deficientes contemplados pela Assistência Social. Mas há também os atendidos por seis meses pelo Seguro Desemprego, ainda mais necessário agora quando o país enfrenta grave crise de desemprego.

 

Mas como essa massa de necessitados recebe 880 reais por beneficiário e o seu número é de 30 milhões, entra compulsoriamente no discurso da ‘ameaça’ ao decantado ajuste fiscal. Logo se lhes irão acrescentar desqualificações da “retórica da intransigência”, desde as mais farisaicas, oriundas dos áulicos da estabilidade econômica, às mais banais, brandidas agressivamente por uma idiotia circulante em certos círculos da classe média, ávida por emitir sentenças condenatórias contra os pobres. Campanhas ideológicas de mídia completarão o trabalho, sob o argumento do sacrifício necessário dos pobres ou da desnecessidade do salário mínimo vinculado às necessidades básicas daqueles que perderam involuntariamente capacidade de trabalho ou emprego.

 

Esse é o enredo principal com que nos depararemos no governo tampão do vice-presidente Temer – uma repetição histórica na análise do autor da “Retórica da Intransigência”, agora em doses abusivas de farsa.

 

 

Leia também:

 

 

"Com as decisões nas mãos do atual Congresso, não há democracia nem legitimidade. Por isso insisto em eleições gerais"

 

 

“Dirigimo-nos para um governo chantagista que vai implantar o programa da grande rapinagem” – entrevista com  a historiadora Virginia Fontes

 

“O Brasil foi confrontado com o colapso final do sistema de representação política tradicional”entrevista com o sociólogo Ruy Braga

 

Gilmar Mauro: “A sociedade brasileira está dividida em cisão característica da luta de classes”

 

Quem ganha na conciliação de classes?

 

“É uma vergonha Eduardo Cunha comandar o impeachment” – entrevista com o deputado  federal Ivan Valente

 

Guilherme Boulos: “Se passar pelo impeachment, governo poderá ter de se recompor com o pântano parlamentar”

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Afinal, o que quer a burguesia?

 

Belo Monte e a democracia

 

A agenda das contrarreformas no Congresso: 63 ataques aos direitos sociais

 

“Na política brasileira, está em jogo, acima de tudo, repactuação do poder e estancamento da Lava Jato” – entrevista com o deputado federal Chico Alencar

 

Assumir as derrotas, construir as vitórias

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.

 

 

Guilherme Delgado é economista e pesquisador aposentado do IPEA.

 

 

 

Recomendar
Última atualização em Sexta, 20 de Maio de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates