topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Impeachment ou golpe: paixão e ódio Imprimir E-mail
Escrito por Paulo Metri   
Qui, 12 de Maio de 2016
Recomendar

 

 

 

 

A grande novela nacional está se desenrolando com enorme emoção e lances de paixão e ódio desenfreados. Há uma discórdia profunda na sociedade, porque ela, hoje, instigada pela mídia do capital, toma partido nesta disputa de forma acirrada. Mas não perguntem o que está em disputa, pois vão lhe responder que é o combate à roubalheira, o que surpreende. Porque se deseja trocar quem facilitou todas as investigações sobre a roubalheira identificada por quem está ao lado de Eduardo Cunha, Renan Calheiros, Romero Jucá, Eliseu Padilha, Geddel Vieira Lima, Henrique Eduardo Alves e Valdir Raupp, todos citados na Lava-Jato.

 

Discute-se, de forma emocionada, como se estivessem se defendendo de ataques pessoais. Não há o benefício da dúvida para os adversários. Só faltam lutas físicas serem iniciadas, quando a racionalidade terá claudicado por completo. Trata-se de um triste momento da vida nacional em que a cordialidade e a educação foram subtraídas. O principal ponto de discórdia é se a presidente Dilma cometeu crime de responsabilidade e, com isso, se deve ou não sofrer o impeachment. Contudo, a questão é bem mais complexa. Os exaltados se pegam em especificidades, como é o caso das pedaladas, mas na verdade existe uma luta acirrada pelo poder, que desrespeita os votos dos eleitores dados para a presidente em 2014.

 

Confundem tudo e, no calor da discussão, dizem que ela é também uma má gestora e é neste exato instante que confundem impeachment com recall. Enfim, o que está em jogo é o país continuar sendo democrático ou não. Neste caso, aprovar o impeachment significa rasgar a Constituição. Nego-me a discutir “pedaladas” por ser um tema irrelevante e, além disso, quero que atire a primeira pedra o presidente que não as fez. Se quisermos nos entender, falando sem paixão, ninguém, no Brasil, tem dúvida que Dilma é uma pessoa honesta. É também corajosa. Podem a acusar, e eu permanecerei calado, de ser irascível, turrona e pouco amável. Por outro lado, Temer já deu demonstração de ser traiçoeiro e foi citado também por delator.

 

A diferença importante com relação a eles, além do grupo palaciano de cada um ser ou não composto de delatados, são seus projetos. Busco transmitir esta diferença de projetos, que é a causa para a mídia manipular a população. A exacerbação de ânimos é muito conveniente para os manipuladores que não querem que as diferenças dos projetos sejam identificadas pelo povo.

 

Temer, candidato do grande capital, mormente o estrangeiro, unanimidade na mídia convencional corrupta e tendenciosa, tem um programa neoliberal, cujo nome merecia ser “uma ponte estreita em que nem todos chegarão no futuro”. Isto porque fará um governo de exclusão social, basicamente para os ricos e retirará conquistas sociais. Dilma terá o governo que nós conhecemos: ela deu grandes privilégios aos rentistas, como o Temer também dará, às empresas privadas de energia elétrica, às montadoras de carro.

 

Mas, diferentemente do Temer, não “focará” os beneficiários do Bolsa Família, que é um programa de prolongamento de vidas, e continuará tocando outros programas sociais, como o que acaba com a sina do filho do pobre ter que ser pobre, formando uma casta onde os nascidos nela não conseguem se livrar. Com o acesso à universidade para os filhos dos pobres, este círculo vicioso é interrompido.

 

Na verdade, o julgamento da presidente Dilma representa o embate dos dois projetos de país e das alternativas de evolução para a sociedade brasileira. As pedaladas são mero pretexto para o grupo sem grande compromisso social chegar ao poder. Nunca é inoportuno dizer que os seres humanos têm valores diferentes, enxergam o mundo de formas diferentes e anseiam sonhos diferentes. Assim, podem ser diferentes quanto ao julgamento de qual candidato a presidente é melhor, na hipótese de irem rasgar a Constituição.

 

Mesmo assim, poderiam ser magnânimos e reconhecerem que a democracia é um bem maior, que vale ser preservada. Mas, vamos ser realistas e reconhecer que Temer não tem esta magnanimidade. Poderiam chegar também a uma proposta de consenso, melhor para a sociedade, apesar do estupro à Constituição, que é a eleição para presidente já. De novo, Temer e seu grupo de delatados não a aceitam.

 

No entanto, nossa mídia corrupta e entreguista, de posição única, manipula a sociedade para chegar ao golpe em curso por uma causa bem maior, escamoteada com perfeição. A invasão do Iraque, capitaneada pelos Estados Unidos, com o apoio de Reino Unido, Austrália e Polônia, em março de 2003, justificada como luta contra o governo Saddam Hussein, que possuía armas de destruição em massa e apoiava terroristas, significou a derrubada de um regime, que não fazia nada do que fora alardeado, a desorganização total do país e a entrega da sua reserva de petróleo, avaliada por baixo em 115 bilhões de barris, a quarta reserva mundial, às empresas petrolíferas privadas ocidentais. A guerra do Iraque custou aos Estados Unidos mais de 2 trilhões de dólares e deu acesso a esta reserva, ou seja, grosso modo, cada barril iraquiano custou aos Estados Unidos em torno de US$ 17, além do acesso à reconstrução do país pelas construtoras estadunidenses, pagas com os royalties do petróleo entregues ao Iraque.

 

O assalto ao Pré-Sal, pela sua grandiosidade, pode justificar a inundação de recursos em grupos de mídia, inclusive nas nascentes mídias alternativas de direita, em movimentos ditos “sociais” de direita, que buscam atrair participantes para suas manifestações, em compra de votos de congressistas e de consciências de lideranças corruptas, enfim, abrindo o caminho para o golpe e, em seguida, para o Pré-Sal ser entregue às petrolíferas privadas ocidentais.

 

Mas tudo só funciona com o amálgama da mídia monotemática. Os agentes corruptores dos brasileiros ansiosos para serem cooptados devem ser a CIA, a NSA e as próprias empresas petrolíferas. Por mais que elas estejam gastando muito dinheiro no Brasil visando, no curto prazo, o golpe, o barril de petróleo do Pré-Sal sairá para elas ainda muito atrativo.

 

 

Paulo Metri é conselheiro do Clube de Engenharia

 

 

Blog do autor: http://paulometri.blogspot.com.br/

Recomendar
Última atualização em Segunda, 16 de Maio de 2016
 

Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates