topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Desenvolvimento e sustentabilidade Imprimir E-mail
Escrito por Marcus Eduardo de Oliveira   
Terça, 10 de Maio de 2016
Recomendar

 

 

 

 

Promover um bom entrosamento entre o olhar econômico (produção, consumo e circulação de bens) e a dimensão ambiental (notadamente os serviços ecossistêmicos e a disponibilidade limitada de recursos naturais e energéticos), a fim de diminuir a inquietante correlação entre crescimento econômico (mais produção de mercadorias e serviços) e degradação do meio ambiente (entropia do mundo natural), certamente é o desafio maior que espera por solução no desenrolar desse século 21.

 

A importância desse assunto ganha relevância ímpar, pois qualquer abordagem que se faça em torno do alcance do desenvolvimento não pode prescindir da questão da sustentabilidade, assim como o inverso, nesse caso, também é verdadeiro: falar de sustentabilidade requer, antes, que se pense no dinamismo da macroeconomia voltada a atingir crescimento e desenvolvimento.

 

Na busca por tentar promover a tão “sonhada” paz social e econômica, resolvendo primeiramente as necessidades básicas das populações mais carentes, a atividade econômica, estabelecida numa frenética mania de produzir além da conta, tem provocado a degradação do mundo natural, o que, per si, compromete acintosamente o próprio objetivo “sonhado” aqui exposto.

 

Por isso, a ideia em torno de um desses “sonhos”, vale dizer, o desenvolvimento sustentável – termo consagrado pelo Relatório Brundtland (1987) que, na essência, confere elevado valor à sustentabilidade com equilíbrio na política de crescimento econômico – vem acompanhado de uma série de importantes e imprescindíveis medidas que devem ser tomadas pelos países, tais como:

 

1) limitação do crescimento populacional;

 

2) garantia de disponibilidade e de acesso aos recursos básicos (água, alimentos, energia) no longo prazo;

 

3) preservação da biodiversidade e dos ecossistemas;

 

4) diminuição do consumo de energia e desenvolvimento de tecnologias com base no uso de fontes energéticas renováveis;

 

5) aumento da produção industrial nos países não-industrializados com base em tecnologias ecologicamente adaptadas;

 

6) controle da urbanização desordenada e integração entre campo e cidades menores;

 

7) atendimento das necessidades básicas (saúde, educação, moradia).

 

Assim, se o desenvolvimento é uma aspiração legítima e imanente da sociedade, a sustentabilidade, por sua vez, como apropriadamente asseveram Bursztyn & Bursztyn, (...) “está em sintonia com o princípio da perenidade da vida, com a permanência das condições de vida, com o compromisso em relação às futuras gerações” (*).

 

Portanto, as duas aspirações são indissociáveis e, dada a convergência em prol da melhoria das condições de vida, se apresentam, pois, como fundamentos cruciais para a consolidação de um modo de vida pautado, sobremaneira, pelo equilíbrio ecológico e pela paz socioeconômica, valores tão caros aos conturbados dias atuais em que estamos vivendo.

 

Por isso, ainda, o desenvolvimento (social, econômico, humano) é visto igualmente como uma expressão indissociável de bem-estar, capaz de provocar substanciais melhorias no modo de vida das populações à medida que se identifica com a “qualidade”, diferenciando-se, portanto, e, mais ainda, se afastando da ideia central contida na lógica do crescimento, ou seja, da “quantidade”, do expansionismo industrial, do aumento físico das economias.

 

De modo análogo, a sustentabilidade, uma vez posta em prática, procura devolver vida à Terra, e, como se estivesse no meio de uma guerra, visa sobretudo enfrentar o esgotamento das fontes de matérias-primas, combater a geração de resíduos e lutar contra toda e qualquer forma de degradação da qualidade de vida, dentre tantos outros impasses ambientais, muitos deles provocados quase que exclusivamente pela dimensão econômica do crescimento desmesurado e pelo modo consumista da sociedade.

 

Por isso também os fundamentos do desenvolvimento e da sustentabilidade, aconchegados na noção central de economia verde, devem andar de mãos dadas para ocupar o lugar de uma economia linear (que extrai, consome, descarta, polui) e que, por isso, se apropria dos recursos naturais de forma predatória.

 

Para tanto, urge abandonar o eixo da economia tradicional e, no lugar, reafirmar políticas públicas que coloquem as pessoas em primeiro plano; afinal, o desenvolvimento e a sustentabilidade são voltados para elas (as pessoas), enfatizando assim o objetivo precípuo da atividade socioeconômica: dar resposta positiva à vida de todos nós.

 

Conquanto, isso somente será possível quando houver a conciliação definitiva da economia com os princípios da ecologia, colocando as pessoas – e não o mercado – para pensar a organização socioeconômica em termos de seus fundamentos biofísicos, regendo, pois, as regras da vida social pautadas na sustentabilidade (pelo lado da ecologia) e no desenvolvimento (pelo lado da economia).

Notas:

(*) Do livro “Fundamentos de Política e Gestão Ambiental – Caminhos para a Sustentabilidade”, Garamond, 2013, RJ, p. 35.

 

 

Marcus Eduardo de Oliveira é economista e ativista ambiental

Recomendar
Última atualização em Qui, 12 de Maio de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates