topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Cuidado com a virose infantil Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Quarta, 04 de Maio de 2016
Recomendar

 

 

 

 

Na história das lutas sociais e políticas, nos mais variados países do mundo, têm sido frequentes, diante de derrotas sérias, táticas ou estratégicas, que as forças políticas populares sejam acometidas por doenças políticas, em geral cunhadas como “doença infantil do esquerdismo”. Como as viroses estão na moda, podemos chamá-las de “virose infantil do esquerdismo”.

 

Um dos aspectos interessantes dessa virose é que ela costuma atacar principalmente, e de forma mais intensa e, às vezes, letal, justamente aqueles que, no processo que levou à derrota tática ou estratégica, haviam adotado políticas direitistas. No Brasil temos um caso clássico, nem sempre avaliado nesse aspecto.

 

Nos anos 1950 e até 1964, a hegemonia das forças políticas de esquerda era exercida pelo PCB. Sua estratégia consistia em realizar uma aliança estratégica com a “burguesia nacional”, para superar os principais entraves à “modernização” do país: o latifúndio e a dependência ao imperialismo.

 

A esmagadora maioria dos dirigentes e militantes do PCB acreditava que a burguesia nacional era “revolucionária”. Além disso, afirmava que as forças armadas tinham uma “tradição democrática” e não se colocariam contra as “reformas de base”, propostas para superar aqueles entraves. O golpe militar de 1964, porém, representou uma brutal derrota estratégica, tanto para o PCB quanto para a esquerda em geral.

 

Enquanto a resposta de grande parte da direção do PCB foi simplesmente capitular, a resposta de muitos outros dos mais destacados dirigentes da “direita” daquele partido foi escorregar celeremente para a formação de agrupamentos “esquerdistas”. Eles passaram a defender não apenas políticas de tipo “blanquista” (“quem sabe faz a hora”, “a militância arrasta a massa”), mas também formas de luta que podiam “animar a militância”, mas certamente afastavam as camadas populares das ações de massa de resistência à ditadura. Os resultados são conhecidos.

 

No momento presente há indícios de que algo parecido pode estar ocorrendo. Destacados dirigentes da “direita” do PT, que ainda mantêm certa hegemonia no conjunto da esquerda, e foram responsáveis pela estratégia política que substituiu totalmente a luta social pela disputa e conciliação institucional, na esperança de eliminar a pobreza sem a necessidade de realizar rupturas econômicas, sociais e políticas, dão sinais de que estão sendo acometidos pelo “vírus infantil do esquerdismo”.

 

Ao invés de reconhecerem que a estratégia política que impuseram ao PT é a responsável pelos erros econômicos e políticos de condução do partido e do governo, abrindo brechas para a ofensiva da direita conservadora e reacionária, e para a eclosão da crise econômica e política em que o país se encontra, operam no sentido de “animar” a militância com propostas de ações que, ao invés de mobilizarem as camadas populares e médias, tendem a afastá-las.

 

É verdade que, diferentemente de 1964, a unidade de diferentes forças de esquerda e de centro em defesa da subordinação ao resultado das urnas, dos direitos democráticos e sociais da Constituição de 1988, e pela mudança da política econômica, pode contribuir para corrigir a errônea estratégia até então seguida pelo PT e evitar que a derrota seja desastrosa.

 

No entanto, também é verdade que aqueles que estão sendo acometidos pelo vírus infantil do esquerdismo podem isolar as esquerdas das grandes massas da população e dar justificativas à direita reacionária para golpear mais fortemente os direitos democráticos e sociais.

 

Quando vejo e ouço o presidente da confederação nacional dos trabalhadores agrícolas anunciando invasões de propriedades rurais, sejam ou não latifúndios improdutivos, apenas como retaliação ao golpe parlamentar, me vem à memória os discursos de um certo cabo, em 1964, incitando marinheiros a desobedecer as ordens dos oficiais, como se a revolução já estivesse na ordem do dia.

 

Quando vejo ruas, avenidas e estradas serem bloqueadas me pergunto que efeito isso tem sobre as camadas médias que comandam os veículos particulares e sobre as camadas populares que utilizam os transportes públicos como meio de se dirigirem ao trabalho.

 

Em ambos os casos, tais ações podem “animar” a militância, mas auxiliam a direita a isolar a esquerda das camadas populares e médias e dar pretextos a ações militares repressivas. O que me leva a crer que a luta contra a “virose infantil do esquerdismo” passou a ser um item importante da atual defensiva estratégica da esquerda.

 

Passar à defensiva estratégica, ou mesmo ser obrigado a realizar uma retirada estratégica, é uma operação política que exige pouca ou nenhuma aventura, muita determinação e espírito autocrítico, e muito esforço de reformulação estratégica e tática. Algo que é impossível realizar se as direções da esquerda estiverem acometidas por aquela virose infantil.

 

Leia também:

 

“Dirigimo-nos para um governo chantagista que vai implantar o programa da grande rapinagem” – entrevista com a historiadora Virgínia Fontes

 

“O Brasil foi confrontado com o colapso final do sistema de representação política tradicional” – entrevista com o sociólogo Ruy Braga

 

Gilmar Mauro: “A sociedade brasileira está dividida em cisão característica da luta de classes”

 

Desafios da esquerda frente ao novo bloco de poder

Vamos continuar lavando as mãos em relação ao Congresso Nacional?

Dilma e PT devem autocrítica aos trabalhadores e ao povo

 

Quem ganha na conciliação de classes?

 

“É uma vergonha Eduardo Cunha comandar o impeachment” – entrevista com o deputado  federal Ivan Valente

 

Guilherme Boulos: “Se passar pelo impeachment, governo poderá ter de se recompor com o pântano parlamentar”

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Afinal, o que quer a burguesia?

 

A necessidade de reconhecer a derrota sem nos sentirmos derrotados

 

Belo Monte e a democracia

 

Jogo jogado?

 

Das injustiças e dos arbítrios

 

A agenda das contrarreformas no Congresso: 63 ataques aos direitos sociais

 

“Na política brasileira, está em jogo, acima de tudo, repactuação do poder e estancamento da Lava Jato” – entrevista com o deputado federal Chico Alencar

 

Assumir as derrotas, construir as vitórias

 

Brasil fragmentado na expectativa do dia seguinte

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.

 

 

 

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 06 de Maio de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates