topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Vamos continuar lavando as mãos em relação ao Congresso Nacional? Imprimir E-mail
Qui, 28 de Abril de 2016
Recomendar

 

 

 

A sensação de asco, nojo e espanto com os posicionamentos dos deputados federais nas suas justificativas de voto a favor do impeachment da presidente Dilma no dia 17/4 na Câmara são sintomáticos. Primeiro por demonstrar que estamos desatentos e distantes da esfera legislativa a ponto de nos espantarmos ou simplesmente constatarmos que somos representados por brancos, cristãos, conservadores, homofóbicos, machistas, racistas e até torturadores da pior espécie. Segundo, quero ressaltar que em certa medida somos responsáveis por isso, e me refiro a quem está parando para ler o texto, tido como bem informado(a) e potencial formador(a) de opinião.

 

Para quem não tem a dimensão dos “argumentos proferidos” pelos representantes, uma coletânea foi feita pela Cecília Olliveira e pode ser vista aqui: https://goo.gl/X7qG2x. Não vou entrar no mérito de pensar se essa Câmara representa a população brasileira, ainda que acredite que sim. Basta ver que o resultado da votação, independente dos discursos, representa de certa forma o desejo da população por afastar Dilma. Evidentemente, a população também quer o mesmo em relação a Temer e isso não será feito. Mas o fundamental é pensar que são esses os eleitos pela população.

 

Que tal começarmos a pensar em formas de enfrentar o que tanto nos deixou impressionados nas falas dos deputados? Particularmente, não esperava nada muito diferente e vou mais além: o que deve ser a Câmara dos Vereadores ou a Assembleia Legislativa mais próxima?

 

Os desafios são imensos e a dissonância em pauta deve-se fundamentalmente ao fato de nos focarmos exageradamente no Executivo e apreciar o Legislativo como mero apêndice, algo menor. Não fazemos qualquer esforço consistente em relação às eleições legislativas.

 

Um bom começo, por exemplo, ainda no calor da hora da votação da Câmara, seria aproveitar os posicionamentos que consideramos absurdos delineados pelos deputados durante a votação do impeachment, e não foram poucos, e levar essas posições para suas bases eleitorais para provocar debates públicos. Quem tem pique pra isso? Quem está organizado para agir no curto prazo? Porque ficar destilando revolta e espanto ou inconformismo pelas redes sociais não vai mudar a situação. Se não estamos organizados precisamos estar, pois essa ação não virá dos representantes que temos, por exemplo.

 

Um outro caminho é fomentar debates locais para discutir as múltiplas escalas da representação com base naquilo que é fundamental em termos de pautas para os grupos sociais que compõem essa base, qualificando o público para melhores escolhas no tempo da política eleitoral. Claro que não vai mudar no curto prazo, pois trata-se de uma cultura política que se constituiu em séculos conjugada à própria mercantilização da política, mas é um passo possível para estancar o clientelismo e o coronelismo.

 

Por fim, nada disso será eficaz se não lutarmos por uma reforma política que não se limite ao sistema eleitoral. Estamos falando de um país diverso em que uma mídia concentra o fluxo de informações e uma polícia militar e milícias matam pobres, em especial negros. Sem esses dois enfrentamentos é muito difícil produzir mudanças consistentes em termos de participação popular.

 

A caminhada é longa e árdua, mas uma coisa é certa: ninguém que está lá em cima fará isso por nós.

 

 

Leia também:


Dilma e PT devem autocrítica aos trabalhadores e ao povo

 

“O Brasil foi confrontado com o colapso final do sistema de representação política tradicional”

 

Gilmar Mauro: “A sociedade brasileira está dividida em cisão característica da luta de classes”


Dilma e PT devem autocrítica aos trabalhadores e ao povo

 

Quem ganha na conciliação de classes?


 

“É uma vergonha Eduardo Cunha comandar o impeachment” – entrevista com o deputado  federal Ivan Valente

 

Guilherme Boulos: “Se passar pelo impeachment, governo poderá ter de se recompor com o pântano parlamentar”

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Afinal, o que quer a burguesia?

 

 

A necessidade de reconhecer a derrota sem nos sentirmos derrotados

 

Belo Monte e a democracia

 

Jogo jogado?

 

Das injustiças e dos arbítrios

 

A agenda das contrarreformas no Congresso: 63 ataques aos direitos sociais

 

“Na política brasileira, está em jogo, acima de tudo, repactuação do poder e estancamento da Lava Jato” – entrevista com o deputado federal Chico Alencar

 

Assumir as derrotas, construir as vitórias

 

Brasil fragmentado na expectativa do dia seguinte

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.

 

 

Marcelo Castañeda é sociólogo e pesquisador.

 

Recomendar
Última atualização em Quarta, 04 de Maio de 2016
 

Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates