O Brasil que nós queremos

0
0
0
s2sdefault

 

 

 

 

Os jornalistas estrangeiros estão querendo entender o que aconteceu no Brasil, com a recente condenação da presidente da República pela Câmara dos Deputados. Não é fácil dar uma explicação cabal e satisfatória.

 

É típico episódio que nos deixa perguntando a quantas andamos na construção de nossa nacionalidade. E aí as perguntas aumentam o leque das causas que estão por trás dos acontecimentos.

 

É sintomático, por exemplo, que ninguém se deu conta de que a data, 17 de abril, recordava o massacre de Eldorado dos Carajás. Certamente porque aquele episódio ainda incomoda e deveria ser colocado no esquecimento. Em todo o caso, foi nítida a tendência de transformar uma votação carregada de consequências em simples espetáculo a divertir uma plateia de dimensões nacionais.

 

Assim, para muitos, o domingo à tarde/noite teve uma opção diferente de passar o tempo, para retomar na segunda-feira a faina de sempre.

 

O difícil é ler os acontecimentos e perceber o que eles nos revelam sobre a situação do país. Pensar o país, eis o desafio. Superar a dimensão de espetáculo que diverte para assumirmos a postura de quem se pergunta como viabilizar um projeto de país, abrangente e adequado às circunstâncias que a realidade e a história nos proporcionam.

 

Pensar é laborioso. E muitos preferem deixar esta tarefa para outros. Ao passo que a primeira condição para construirmos um país é a participação consciente dos cidadãos, que precisa começar pela definição de um projeto que contemple todas as dimensões da convivência social.

 

Foi sintomático o que aconteceu na última assembleia da CNBB. Foi apresentado um subsídio, denso e consistente, com a finalidade de estimular a reflexão sobre o país, com o título: “Pensando o Brasil”. A reação dos bispos mostrou que a maioria rejeitava o texto, não porque discordasse do conteúdo, mas porque ele exigia um esforço de leitura e de reflexão. Quando se prefere não pensar, a situação fica perigosa, pois cedemos o espaço para quem pensa, rapidamente, na defesa dos próprios interesses, e não olha o bem comum.

 

Anos atrás a CNBB empreendeu um amplo processo de reflexão sobre “O Brasil que nós queremos”, ou “O Brasil que a gente quer”. Em termos de princípios, deu para chegar a uma definição abrangente, de um Brasil “politicamente democrático, economicamente justo, socialmente solidário, culturalmente plural, regionalmente diversificado, ecologicamente sustentável e religiosamente ecumênico”.

 

Nas utopias é fácil ter consenso. O desafio é passar das utopias para a realidade. Aí se exige um trabalho atento, consciente, persistente, incansável, a partir da própria cidadania, para tornar possíveis algumas mudanças urgentes e estratégicas. A começar, finalmente, pela reforma política, onde deve ser proibida a doação de empresas para candidatos. Pois estas doações se tornaram em fonte principal do desvio de recursos públicos para interesses particulares.

 

Em todo o caso, cabe agora a cada um de nós fazer do episódio de domingo um estímulo para continuar “pensando o Brasil” e agindo de acordo com nossas convicções, que precisam ser partilhadas, em vista de chegarmos a grandes consensos, que são indispensáveis para o enfrentamento democrático dos graves problemas que ameaçam inviabilizar “o Brasil que nós queremos”.

 

A importância de um candidato não se mede pelo dinheiro que usa para fazer sua campanha. Mas, sim, pela consistência de suas propostas e pelo testemunho de vida que ele apresenta.

 

 

Leia também:


“O Brasil foi confrontado com o colapso final do sistema de representação política tradicional”


 

Gilmar Mauro: “A sociedade brasileira está dividida em cisão característica da luta de classes”

“É uma vergonha Eduardo Cunha comandar o impeachment” – entrevista com o deputado  federal Ivan Valente

 

Guilherme Boulos: “Se passar pelo impeachment, governo poderá ter de se recompor com o pântano parlamentar”

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes


Afinal, o que quer a burguesia?


 

A necessidade de reconhecer a derrota sem nos sentirmos derrotados

Belo Monte e a democracia

 

Jogo jogado?

 

Das injustiças e dos arbítrios

 

A agenda das contrarreformas no Congresso: 63 ataques aos direitos sociais

 

“Na política brasileira, está em jogo, acima de tudo, repactuação do poder e estancamento da Lava Jato” – entrevista com o deputado federal Chico Alencar

 

Assumir as derrotas, construir as vitórias

 

Brasil fragmentado na expectativa do dia seguinte

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.

 



Dom Demétrio Valentini é bispo emérito de Jales-SP.

 

 

 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados