topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

A necessidade de reconhecer a derrota sem nos sentirmos derrotados Imprimir E-mail
Quarta, 20 de Abril de 2016
Recomendar

 

 

 

 

 

O processo de impeachment foi aceito de forma acachapante pela Câmara dos Deputados ontem. Isso é um fato. Seguirá o rito: deverá ser acatado pelo Senado em breve. Dilma será afastada por 180 dias e assumirá Michel Temer. É inevitável. Dilma não renunciará. No máximo fará uma manobra conjunta com o PT no sentido de tentar convocar novas eleições, o que talvez seja tardio. O fato é que ficaremos até 12 de maio com uma presidente que está prestes a ser afastada. Muito provavelmente, Michel Temer vai articular de forma mais explícita o seu governo provisório, que durará até que Dilma seja julgada pelo Senado, o que pode durar até outubro.

 

A agonia do impasse político assim como as crises que vivenciamos não têm hora para acabar. A forma de sair não é pela vaga evocação do vermelho esquerdista que foi derrotado pelo que há de pior no fisiologismo e conservadorismo. A saída é para além da esquerda, é pela sociedade na busca por constituir uma democracia real com base em pautas. O governo Dilma que tanto combato não foi superado por méritos de uma esquerda organizada em torno de um projeto alternativo (que não existe) e isso aumenta a agonia, nos leva às raias do desespero. O caminho será longo.

 

Da mesma forma que as lutas foram derrotadas em 2014 por Dilma ao bradar “Não vai ter Copa”, o governo Dilma foi derrotado na sua paródia ao gritar “Não vai ter golpe”. Evidente que o principal responsável por esta derrota é quem introduziu o grito mistificado: o próprio PT. Não há motivo para fugir desta avaliação, como querem alguns, introduzindo as pessoas em uma luta por Dilma nos próximos meses que não terá fim nem efeito no terreno da institucionalidade. É preciso reconhecer a derrota sem nos sentirmos derrotados para seguir adiante. O governo Dilma acabou, não tem mais volta. É hora de encarar o governo Temer, quiçá novas eleições.

 

Neste cenário, quero chamar atenção para alguns pontos:

 

1 - Se o PT foi derrotado, quem ganhou foi o PMDB. Uma disputa na coalizão governista que pode ser vista como uma espécie de golpe. Sim, a narrativa do golpe é múltipla e precisa ser qualificada senão é inadequada. Lula mostrou que sua força tem limites claros ainda que mobilize segmentos à esquerda mais pela memória do que por suas práticas atuais, tais como negociar cargos em um luxuoso hotel de Brasília de forma nada eficaz, como mostra a votação na Câmara.

 

2 - A mobilização mais emergencial na escala nacional é o #ForaCunha. É inadmissível que essa figura continue comandando o Congresso e foi um erro dos maiores tê-lo deixado em paz desde que aceitou o pedido de impeachment. É sempre bom lembrar que o fez depois de quatro meses negociando com o PT a posição deste partido que o sustentava no Conselho de Ética.

 

3 - O cenário das novas eleições é o menos provável neste momento. Pode ser que ganhe corpo, mas o efeito colateral é certo: vai engolir e achatar as eleições municipais.

 

4 - Não há muito o que esperar em termos argumentativos dos deputados que votaram ontem. Fariam melhor se simplesmente votassem. A zoeira das redes agradeceu e encobriu o desespero pela miséria em que estamos. Por outro lado, precisamos, pessoas bem informadas e "formadores de opinião", qualificar o debate público e agir mais concretamente para que as escolhas dos eleitores não se repitam, capitaneadas pelos interesses econômicos. Somos responsáveis. Podemos usar até mesmo os exemplos desta votação em um trabalho de longo prazo. Estamos no pântano que se multiplica nas Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores. Preocupamo-nos demais com o Executivo e nos esquecemos por completo do Legislativo.

 

5- No cenário mais provável, Michel Temer deve assumir: sem cacife, com alta impopularidade e podendo ser cassado pelo TSE. Será interessante se a saída do PT gerar uma mobilização permanente por direitos e contra o ajuste fiscal com um corpo que não teríamos sem sua estrutura. O revés do PT não pode ser encarado como vitimização, mas como oportunidade para que o governo Temer não avance em sua agenda ultra-neoliberal da “Ponte para o Futuro”. Mas existem duas questões importantes: I) veremos se o PT foi capaz de destruir suas pontes com a esquerda institucional e com a sociedade para se manter no poder; II) essas mobilizações não podem constituir a plataforma para a volta de Lula em 2018.

 

6 - Ainda que esquecida, a Lava Jato continua pelo menos até dezembro. Cabeças devem rolar.

 

Definitivamente, precisamos fazer um novo momento.

 

 

Leia também:

 

“O Brasil foi confrontado com o colapso final do sistema de representação política tradicional” – entrevista com o sociólogo Ruy Braga

 

“É uma vergonha Eduardo Cunha comandar o impeachment” – entrevista com o deputado federal Ivan Valente

 

Guilherme Boulos: “Se passar pelo impeachment, governo poderá ter de se recompor com o pântano parlamentar”

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Belo Monte e a democracia

 

Jogo jogado?

Das injustiças e dos arbítrios

A agenda das contrarreformas no Congresso: 63 ataques aos direitos sociais

 

“Na política brasileira, está em jogo, acima de tudo, repactuação do poder e estancamento da Lava Jato” – entrevista com o deputado federal Chico Alencar

 

A agonia continua depois do domingo

 

A história é a nosso respeito

 

Últimas reflexões antes da votação do Impeachment na Câmara dos Deputados

 

Crise e Agonia

 

Assumir as derrotas, construir as vitórias

 

Brasil fragmentado na expectativa do dia seguinte

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Hipóteses outonais

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.

 

 

Marcelo Castañeda é sociólogo e pesquisador.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 27 de Abril de 2016
 

Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates