Afinal, o que quer a burguesia?

0
0
0
s2sdefault

 

 

O dia 17 de abril de 2016 entrará para a história do Brasil como um dos mais deprimentes exemplos da degradação política a que chegamos, com o país mostrando a sua cara e sua indigência moral e intelectual.

 

O país inteiro teve a oportunidade de assistir uma Câmara de Deputados composta, em sua esmagadora maioria, por parlamentares que mostravam o seu quilate nas bizarras e patéticas declarações ou justificativas de seus votos. Mais grave, ainda: tudo se passando sob a presidência de um réu no STF, acusado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, que aguarda (?) decisão desta mesma Corte sobre o seu próprio afastamento desse posto, por, de acordo com pedido do procurador-geral da República, usar o cargo em benefício próprio, integrar organização criminosa e tentar obstruir investigações criminais.

 

Foi este mesmo réu a grande liderança do gravíssimo processo de impedimento de uma presidente da República, que chegava ao seu final no âmbito da Câmara. Fora ele mesmo que aceitou e deu seguimento a uma representação contra a presidente, pedindo o seu impedimento por crime de responsabilidade, sob a acusação de manobras fiscais e orçamentárias. Essa decisão foi tomada após o partido da presidente ter optado, naquela mesma casa, por garantir os votos que lhe levariam à Comissão de Ética. Uma decisão monocrática e eivada de vingança.

 

Agora, essa curiosa e deprimente instância de poder e representação política decidiu aceitar a admissibilidade de um processo que poderá levar Dilma ao seu impedimento, de acordo com a vontade de uma campanha de massa sob o comando – político e financeiro – de entidades empresariais e redes nacionais de televisão.

 

Não quero aqui tratar das imensas e maiores responsabilidades do NeoPT e de seu comandante Lula pela situação em que nos encontramos. Mas é inevitável apontar que o padrão conciliatório de governabilidade, defendido desde 2002 e assumido pelo movimento lulista, foi rotundamente derrotado. E, na luta contra o impedimento, mais um show de incompetência foi dado, com a tentativa frustrada de encontrar uma saída para o governo através de um esdrúxulo acordo com o bloco PP/PDS/PR.

 

No entanto, quais são de fato os interesses que levam a burguesia brasileira, através de suas entidades de classe e algumas organizações empresariais, a investir na deposição do governo Dilma?

 

Este, o governo Dilma, desde que reeleito, tem procurado absorver e assumir o receituário liberal ortodoxo para enfrentar a crise. Talvez o seu erro mais grave, dentre muitos, tenha sido justamente esse: a total mudança entre o seu discurso de campanha e as medidas e propostas de ação feitas logo após. Jogou o país na recessão e no desemprego, procurando se aproximar dos setores econômicos hegemônicos, no momento em que as investigações da Lava Jato lhe pressionavam. Não afastou a crise, pelo contrário, e manteve-se vulnerável à República de Curitiba.

 

O receituário liberal, por sua vez, não apresenta nenhuma alternativa de superação da crise. Resume-se a uma estratégia defensiva desses setores hegemônicos – bancos e multinacionais, brasileiros e estrangeiros – e pode ser sintetizado por procurar:

 

- controlar parcelas ainda maiores do orçamento público, principalmente através da manutenção de elevados dispêndios com o pagamento de juros da dívida pública e da ampliação da desvinculação de receitas orçamentárias vinculadas às áreas sociais;

 

- reduzir o custo do trabalho, através de uma nova alteração na legislação trabalhista, restringindo direitos e flexibilizando normas de negociação entre patrões e empregados.

 

- abrir novas oportunidades de negócios privados, através de novas mudanças nas regras da previdência social pública – estimulando os programas de previdência complementar privada; avançando nas privatizações no âmbito da Petrobrás e do setor elétrico, bem como no restante do setor de infraestrutura, via concessões; e abrindo a área do pré-sal, com a abolição da atual Lei de Partilha.

 

É verdade que o governo Dilma em boa medida se rendeu a esse “programa”, mas sem a capacidade de aglutinar as forças parlamentares suficientes para viabilizar algumas medidas pontuais – como a própria volta da CPMF -, ao mesmo tempo em que encontrava resistências em sua própria base histórica de apoio, como as Centrais Sindicais. Mas, claramente, se esforçou. Trouxe para o seu ministério uma líder de classe do agronegócio, Kátia Abreu; um líder do setor industrial, Armando Monteiro, e nomeou para o ministério da Fazenda um executivo do setor bancário, Joaquim Levy.

 

Além disso, o NeoPT no governo, desde 2003, ajuda a atenuar pressões que tenham origem nos movimentos sociais, especialmente nas áreas de influência da CUT e do MST. O que se pretende, portanto, com a ofensiva pró-impeachment?

 

Tudo indica que a intenção maior seja acelerar a efetivação das medidas e “reformas” da agenda liberal. Entretanto, com a possibilidade de remoção de Dilma de forma tão questionável, jogando para a oposição – e com muito ressentimento – o domesticado NeoPT, afrontando os movimentos sociais e partidos da esquerda que não se rendeu, além de passarmos a ter como novo presidente uma questionável figura como Michael Temer, está claro que tempos de muita tensão, conflitos e embates estão por vir.

 

Um “programa” de natureza tão antipopular e atentatório à soberania nacional, em meio à grave crise econômica que se traduz em desemprego e perda de renda dos trabalhadores, somente será possível de se viabilizar em um contexto de aberta violência e repressão aos setores organizados do povo.

 

Contando, certamente, com o ambiente de desmoralização e abatimento do NeoPT, as classes empresariais que comandam esse processo de impeachment talvez estejam fazendo o cálculo político da possibilidade de avançar e, se for o caso, reprimir com rigor qualquer tentativa de resistência mais organizada. Afinal, até mesmo uma Lei Antiterrorismo vai sendo deixada pelo lulismo, para ser usada contra os movimentos que porventura venham a se insurgir.

 

Essa é uma variável, portanto, que não pode neste momento ser desconsiderada ou menosprezada. E o caminho, talvez, para procurar inverter a tendência será abortar a construção dessa estratégia de conflito que está sendo construída, de forma contundente e imediata.

 

Penso, assim, que a única maneira no momento para se viabilizar uma contraofensiva dos setores populares, em relação aos propósitos de tais segmentos da burguesia, é colocar a peça-chave do golpe parlamentar em curso na berlinda: torna-se, assim, essencial questionar a posição de Michael Temer.

 

Em seu primeiro posicionamento público, após a derrota que sofreu na Câmara dos Deputados, Dilma Rousseff fez duros ataques a Temer, chamando-o, com toda razão, de conspirador e traidor. Deveria tê-lo, também, desafiado – em nome da decência e da sua própria coerência – a ter a coragem e honradez de sua própria renúncia.

 

Afinal, ele praticou os mesmos atos administrativos que embasam os supostos crimes de responsabilidade que poderão implicar o afastamento de Dilma. Além disso, desrespeitando os milhões de votos recebidos pela presidente - que agora ele pretende depor, com seus aliados da estirpe de um Eduardo Cunha ou de um Moreira Franco -, é absolutamente imoral e incoerente que ele se torne o beneficiário desses mesmos votos que não lhe pertencem.

 

Não tenho ilusões com relação à decência ou coerência de uma sinistra figura como Temer. Mas, creio que, com o “conjunto da obra” do atual vice-presidente, também citado em delações e investigações da Lava Jato, seja possível um amplo movimento de contestação a sua eventual ascensão à presidência da República. Esta será a melhor maneira, neste momento, de se criarem dificuldades para as obscuras intenções de nossa criminosa burguesia.

 

Leia também:


“O Brasil foi confrontado com o colapso final do sistema de representação política tradicional” – entrevista com o sociólogo Ruy Braga

 

“É uma vergonha Eduardo Cunha comandar o impeachment” – entrevista com o deputado federal Ivan Valente

 

Guilherme Boulos: “Se passar pelo impeachment, governo poderá ter de se recompor com o pântano parlamentar”

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Belo Monte e a democracia

 

Jogo jogado?


Das injustiças e dos arbítrios


A agenda das contrarreformas no Congresso: 63 ataques aos direitos sociais

 

“Na política brasileira, está em jogo, acima de tudo, repactuação do poder e estancamento da Lava Jato” – entrevista com o deputado federal Chico Alencar

 

A agonia continua depois do domingo

 

A história é a nosso respeito

 

Últimas reflexões antes da votação do Impeachment na Câmara dos Deputados

 

Crise e Agonia

 

Assumir as derrotas, construir as vitórias

 

Brasil fragmentado na expectativa do dia seguinte

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Hipóteses outonais

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.

 

Paulo Passarinho é economista.

Comentários   

0 #1 Temos que pensar maiorZe Antonio 23-04-2016 11:27
Temos que pensar maior. A estreitez , a camisa de força que o PT impôs e impõe na sua administração a todos os níveis , federal estadual e municipal demonstra uma visão limitada de nossa possibilidades. Acho que foi formatado depois da II guerra com a "pretensa vitória brasileira". Nunca entendemos nossa sociedade local , regional, nacional por ela mesma. Sempre fomos instruídos para sermos períféria: economica, social,científica, política cultural tudo. os centros hegemonicos produzem esse material intelectual. Ou tentamos fazer algo elaborado e elaborativo honesto e profundo com nosso povo trabalhador tão precarizado ou faremos outros pequenos mediocres, limitados... , atualizando sempre nosso fracasso como povo
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados