topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Governos cenográficos Imprimir E-mail
Escrito por Léo Lince   
Qui, 12 de Abril de 2007
Recomendar

 

 

No intervalo da última de suas múltiplas viagens de negócios, o governador Cabral descobriu espantado que a situação da segurança pública no Rio de Janeiro, que já era calamitosa, se agravou bastante durante o seu curto período de governo. Não era para menos. O assassinato do jovem policial militar (Guaracy Oliveira, 27 anos) responsável pela segurança dos seus filhos menores bateu-lhe nas vísceras. Afinal, trata-se de um acontecimento que o aproxima dos mortais comuns, que só conseguem se ver na condição de vítima potencial da insegurança generalizada.

 

A sua primeira reação, humanamente compreensível e politicamente reveladora, foi pedir socorro.  Na clava do senso comum, ele quer o Exército, a Marinha e a Aeronáutica nas ruas. Já houve quem observasse, a propósito de declarações anteriores sobre o tema, que o governador trata dele como se não tivesse atribuições e responsabilidades concretas na condução da segurança pública. Fala como antropólogo, sociólogo, propositor de alterações na legislação penal – agregue-se agora a humana condição de vítima potencial – e nunca como autoridade máxima que dirige o aparato de segurança do Estado.

 

Ou ele não sabe o que fazer, por desconhecer suas atribuições e responsabilidades, ou sabe que o aparato que tem nas mãos não dá conta do problema que se avoluma. Situação grave, onde nenhuma das alternativas tranqüiliza o cidadão.

 

O governo federal, por sua vez, faz o de sempre: emite sinais contraditórios para depois não fazer nada. O presidente diz que vai tratar com carinho e atender ao pedido do governador, enquanto o ministro da Justiça se declara em oposição ao uso policial das forças armadas. Para além das limitações de ordem legal, ele deve conhecer a opinião daqueles que estudam, com racionalidade, o complexo problema da segurança. Tais estudiosos existem - na academia, nas organizações sociais, nos próprios aparelhos de segurança e até nas forças armadas - e estão cansados de saber que usar as forças armadas no papel de polícia não resolve o problema da segurança pública, nem aqui nem no Haiti.

 

Quando o presidente diz que vai ajudar, ele está dizendo também que o problema não é dele. A política nacional de segurança é um papel para inglês ver. Aliás, todos se lembram do discurso de posse, solene e grave, no parlatório de mármore do Palácio do Planalto. O trecho de maior repercussão foi aquele em que, falando exatamente do Rio de Janeiro, o recém empossado proferiu a palavra terrível: terrorismo. Houve quem acreditasse que era coisa séria, senha para o início de uma ação articulada. Palavras ao vento. Não se moveu uma palha, tudo permaneceu como dantes no quartel de Abrantes.

 

Estamos vivendo tempos sombrios, onde os governos só se ocupam com perseverança e denodo com a continuidade dos grandes negócios. Se a macroeconomia vai bem, o resto pode explodir em mil pedaços. Governar é intermediar negócios e recolher fundos para a próxima campanha eleitoral. Quando o vale de lágrimas explode em violência, os governantes falam qualquer coisa. Prometem mundos e fundos, lançam planos mirabolantes, e até pedem socorro. Puro simulacro. Na sociedade do espetáculo, a micro-política gera governos cenográficos. 

 

 

Léo Lince é sociólogo.

 

Para comentar este artigo, clique aqui

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates