topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Assumir as derrotas, construir as vitórias Imprimir E-mail
Escrito por Guilherme Basto Lima   
Quarta, 13 de Abril de 2016
Recomendar

 

 

1. A esquerda só se une na cadeia”. Eis uma meia verdade brasileira que, ao questionar nossa capacidade unitária enquanto esquerda, atropela marcos políticos como o apoio do Partido Comunista a Jango e o suporte de parte significativa das forças de esquerda à Constituição de 1988. Infelizmente, os resultados desses dois processos foram duas derrotas: na década de 60, abriu-se caminho para a retomada da direção do Estado pelo bloco mais conservador; hoje, por mais que na última década as condições materiais de vida do povo tenham melhorado significativamente, trata-se de uma grave derrota no plano ideológico. Ela ainda é reversível, mas precisa ser entendida como uma derrota. Estamos falando da incapacidade do petismo de ganhar o coração das grandes maiorias para um novo horizonte societário.

 

2. O Golpe, adiado por Getúlio e pela bravura da campanha brizolista da Legalidade, revelou o esgotamento de um projeto que, desde a Revolução de 1930, reordenou os mecanismos do exercício de poder no Brasil. Com breves intervalos, alguns dos setores mais conservadores e umbilicalmente atrelados ao capital internacional – capitaneados pela burguesia compradora e pelos latifundiários exportadores, as duas classes antagonicamente opostas a qualquer projeto de Nação – foram obrigados a ceder parte de seu poder aos novos blocos dirigentes, que aliavam a roupagem nacionalista às preocupações sociais. Perder poder é perder acesso a posições no aparato estatal, algo que a burguesia enquanto classe não pode aceitar durante muito tempo.

 

3. No processo de construção da “Nova República”, outra derrota. Durante os anos 90, a reconfiguração da unidade discursiva das forças conservadoras no plano da retórica neoliberal logrou um êxito fabuloso, capaz de impor ao processo de redemocratização a direção de figuras-chave do regime militar. Figuras que não foram alijadas do poder, sequer um mísero centímetro. Isso só ocorreria se tivessem sido abertas fissuras na ordem constituída. Refém confessa da institucionalidade, a tradição política dos filhos do MDB – o filho de Direita, PSDB, e o de Esquerda, PT – revelou-se incapaz de articular um projeto de Nação à altura da expectativa das maiorias populares.

 

4. Claro que o fim da União Soviética contribuiu para rebaixar o horizonte político do possível nos anos 90. O pouco que restava de propaganda pública do socialismo no petismo, naquela época, já tinha se transfigurado no proselitismo do projeto democrático-popular e seu discurso da possibilidade das gestões emancipatórias municipais. O que sobrou delas? Oras, orçamentos participativos que mal atingem 5% da arrecadação municipal não são nada mais do que blábláblá participativista. Essas derrotas restringiram a possibilidade imaginativa do presente ao culto de um passado nostálgico. Afinal, devemos levar a sério a proposta do resgate de um “petismo de raiz” fictício, que nunca de fato existiu?

 

5. Não interessa à esquerda hoje debater o sucesso ou fracasso de um suposto projeto originário petista, tampouco a possibilidade de sua retomada. Importa dizer que ele foi derrotado enquanto projeto que sinalizasse formas de superação do atraso brasileiro. Ao invés de contribuir para desconcentrar as capacidades de poder dos tradicionais inimigos do povo, operou doutra maneira, sem ao menos neutralizar os oponentes - quando não lhes oferecendo maiores fatias do poder. Nenhuma imagem é mais emblemática do que a dos Josés presos: Genoíno e Dirceu na cadeia são a prova de que a direita segue mandando no país, fato que atesta grave derrota ideológica da esquerda.

 

6. Seguir vendendo derrotas como vitórias é contribuir para um autoengano do qual o futuro que se descortina vai cobrar muito caro. Com todo o respeito e admiração que temos pela difícil e corajosa opção de se lançar em armas contra a ditadura militar: a brava resistência ao Golpe foi prontamente esmagada, e nem a mais bela memória de luta deve mistificar nosso fracasso histórico nos anos 60; da mesma forma, ao deixar o processo de redemocratização sob a égide da direita, os cânticos do tímido reformismo legalista que aparecem na Constituição Cidadã soam como palavras ao vento: não fizemos as reformas de base e garantimos apenas migalhas de cidadania ilusória.

 

Ter neutralizado timidamente o núcleo duro do neoliberalismo durante meio punhado de anos também não é suficiente, como atesta o crescente descontentamento popular. As massas são o termômetro dos movimentos do real e nada que for alheio ao seu cotidiano terá organicidade prática para efetuar mudanças. Se não conseguirmos, junto a elas, fornecê-las uma nova direção, a direita mais hard novamente vai pilotar, sem freios, o bonde da história em nuestramérica.

 

 

Leia também:


 

 

Guilherme Boulos: “Se passar pelo impeachment, governo poderá ter de se recompor com o pântano parlamentar”

 

“Na política brasileira, está em jogo, acima de tudo, repactuação do poder e estancamento da Lava Jato”

 

Brasil fragmentado na expectativa do dia seguinte

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Hipóteses outonais

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.

 

 

 

Guilherme Basto Lima é Analista de Política Internacional e Diretor do Centro de Estudos Aplicados ao Desenvolvimento Brasileiro (CEDEBRAS).

Twitter @gbastolima

Recomendar
Última atualização em Qui, 14 de Abril de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates