topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O golpe como mera formalidade e seu enfrentamento político-estratégico Imprimir E-mail
Escrito por Luis Fernando Novoa Garzon   
Segunda, 11 de Abril de 2016
Recomendar

 

 

Disfarçada de campanha contra a corrupção e a favor do impeachment, conforma-se uma ofensiva de classe que procura definir a forma do país sair da crise, eliminando não apenas direitos sociais adquiridos, mas as condições cognitivas, organizativas e de legitimidade para o reconhecimento e defesa dos direitos da população trabalhadora. É um ataque oportunista justo no momento de maior desgaste das representações com garantia formal de unicidade; quando ainda se encontram em fase larvar as lutas sociais de novo tipo.

 

O consenso em torno do imperativo da disciplina fiscal, ou a estabilidade financeira como “bem público”, foram declarações de submissão entoadas repetidamente pelos titulares das áreas econômicas dos governos Lula e Dilma. A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), criatura de Malan e Armínio, adotada e embalada por Palocci e Mantega e agigantada com Levy e Barbosa, torna-se agora lastro para o impedimento de mandato presidencial. A despolitização da política econômica, ou seja, a retirada da macroeconomia da alçada de discussão e decisão pública propiciou a criação da temerosa figura de um crime de desvio ideológico, de irresponsabilidade fiscal.

 

Classes dominantes sempre amparadas no arbítrio da propriedade concentrada, frente à crise econômica e política que elas próprias alimentaram, alegam ser crime grave maquiar déficits fiscais. A criatividade infinda com os títulos secundários da dívida pública, essa pode tudo conforme a mesmíssima LRF. A roubalheira propiciada pela atualização e rolagem da dívida pública é tão grande no atacado que é mais fácil destacar a roubalheira no varejo, aquela que preside a chamada circulação de elites por meio de eleições e nomeações.

 

A questão não se reduz ao financiamento empresarial das campanhas eleitorais, pois é na interface porosa do aparelho do Estado que grandes empresas compõem projetos, alianças e incorporações. No atual grau de concentração e de imbricação financeira a que chegaram os capitais no Brasil - e a forma como esses reformataram o Estado -, já não é possível pensar em duas esferas distintas, Estado de um lado e Sociedade civil burguesa de outro. O que se pode inferir é a existência de recorrentes intersecções entre essas esferas.

 

Considerando os setores econômicos hegemônicos, cadeias produtivas especializadas em recursos naturais e grupos econômicos montados na dívida pública e em seus derivativos desenfreados, ambos sempre dependeram da máxima plasticidade do Estado e da instrumentalidade de seus distintos aparatos. Tais segmentos empresariais-financeiros, derrotados ou não nas urnas, têm ditado a forma como o país vem atravessando a crise, intensificando processos de espoliação e segregação social.

 

Por isso, pior que a decisão do impeachment é sua sustentação perene que transforma máximas do fundamentalismo neoliberal (equilíbrio fiscal e estabilidade monetária) em bens públicos ou bens jurídicos. Juridifica-se, assim, a matriz econômica monetarista e fiscalista como se houvesse uma forma única de condução da política econômica.

 

O que a direita verdadeiramente teme não é o fantasma de Lula e do PT. Para que a burguesia brasileira e suas tutoras estrangeiras continuem a dormir tranquilas, já não basta garantir curva ascendente de extração de mais-valor, é preciso apresentar e ritualizar sacrifícios de força social organizada que possam porventura ameaçá-la. O que está sendo posto sob linha de tiro é a possibilidade de qualquer horizonte equalizador no Brasil. O clamor por algumas cabeças oculta uma revanche burguesa tardia contra conquistas populares iniciadas nos anos 80.

 

Contrarrevolução sem revolução logo vira operação de rolo-compressor sobre conflitualidades e alteridades potenciais. Na lógica da conversão de pilhagem e superexploração em competitividade nacional, propõe-se a descentralização de tudo que possa ser operacionalizável. Tal ordenamento do desmando dissolve qualquer pretensão de regulação dos processos de monopolização de setores e mercados. A onda fascista torna assim o golpe contra Dilma uma mera formalidade.

 

Todos os entreatos e anteatos já se puseram em marcha. No entanto, o ato em si, ou seja, o golpe realmente temido, não é o impeachment. Se o golpe menor agiliza e facilita o golpe maior, façamos o combate avançado contra as distintas conjunções golpistas, que não cessarão com o afastamento da presidente. De antemão sabe-se que não haverá “sustentação de massas” para uma plataforma de mitigação da agenda inimiga do tipo privatizações com menor alcance, juros menos altos ou cortes sociais menos profundos do que seriam em um governo de coalizão PMDB-PSDB.

 

Se ainda queremos que perdure uma democracia política capaz de entorpecer e modular a guerra de classes, não bastará derrotar o golpismo midiático-judicial-legislativo. É preciso submeter o centro do capital (e suas hordas adestradas) a um novo tipo de arena pública agregada. Arena esta fundada na mobilização e organização popular nos marcos de uma frente ampla contra a fórmula fiscalista de enfrentamento da crise e contra o aprofundamento das privatizações e da flexibilização de direitos.

 

Leia também:

 

“Na política brasileira, está em jogo, acima de tudo, repactuação do poder e estancamento da Lava Jato”

 

Brasil fragmentado na expectativa do dia seguinte

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Hipóteses outonais

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.

 

 

 

Luis Fernando Novoa Garzon é sociólogo, doutor em planejamento urbano e regional e professor da Universidade Federal de Rondônia.

E-mail: l.novoa(0)uol.com.br

 

Recomendar
Última atualização em Segunda, 18 de Abril de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates