topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Condições necessárias para superação da crise econômica Imprimir E-mail
Escrito por Guilherme C. Delgado   
Sexta, 08 de Abril de 2016
Recomendar

 

 

 

 

Quando este artigo sair publicado, possivelmente algumas de suas conjecturas poderão ter sido superadas. Mas de qualquer forma, vale considerar este mês de abril como termômetro político para o ‘dia seguinte’, qual seja momento posterior à decisão do Congresso sobre o impedimento ou não da presidente da República eleita.

 

O dia seguinte, qualquer que seja a decisão tomada, inicia um novo governo. Se da presidente Dilma, com exigências populares bastante legítimas para reversão do quadro social muito perigoso, de agravamento do desemprego involuntário, sem perda de direitos sociais à base da pirâmide social. Por sua vez, se o governo vier a ser encabeçado pelo vice-presidente Michel Temer, as exigências do seu programa econômico vão em sentido diametralmente oposto, qual seja, o do aprofundamento do "ajuste fiscal” nos termos em que o PMDB assim o promete no programa "Ponte para o Futuro".

 

Mas é preciso atentar para uma realidade essencial, que infelizmente não está ao alcance direto da percepção pública. Qualquer seja a decisão política sobre continuidade ou ruptura do mandato presidencial em curso, somente é possível a governabilidade da crise e, portanto, sua potencial superação, com acordos e compromissos mínimos sobre o futuro imediato. Sem isto não há possibilidade de governar a economia, a sociedade e a própria política com o mínimo de previsibilidade. E romper o mandato presidencial com os argumentos ora esgrimidos pelos promotores do processo de “impeachment”, absolutamente não melhora o quadro de incertezas políticas, antes pelo contrário.

 

Conjecturo, para efeitos analíticos, com a tese do não impedimento e vejo no dia seguinte a necessidade de organização de um governo de “salvação pública” com vistas a estancar e reverter, nos planos econômico e social, as tendências perversas ao prolongamento indefinido da recessão e à ruptura da coesão social interna, parte reflexo da crise econômica, parte produto dos fortes antagonismos ideológicos fermentados desde 2013.

 

A meu ver, não há no campo estritamente econômico sinais impeditivos sérios à recuperação da crise. A inflação está em queda, o déficit externo praticamente revertido e as possibilidades de ataque especulativo externo, a exemplo do ocorrido nas crises de 1982 e 1999, praticamente descartadas.

 

As questões do “ajuste fiscal”, da dívida interna e da paralisia dos investimentos públicos e privados que ora constrangem a produção e o emprego são essencialmente decorrentes do jogo da economia política interna, ou seja, da divisão das fatias da renda social, permeadas por jogadas estratégicas internacionais, o que não significa que sejam questões triviais.

 

Vale a pena enunciar algumas dessas questões, que aparentemente estiveram equacionadas até 2013 e agora despontam como fermento de divisão no esquema hegemônico em crise:

 

1) a manutenção da política social de Estado (constitucionalmente provisionada de recursos fiscais);

 

2) o investimento público e privado em infraestrutura e a relação do Estado com as empresas de engenharia pesada;

 

3) a forma de o país tratar e remunerar sua Dívida Pública interna nas condições críticas ou mesmo fora delas.

 

Esses três vetores de crescimento, distribuição e regulação econômica entraram em crise, aparentemente irreconciliável. Nesse contexto, o papel da política em sociedade razoavelmente civilizada seria de articular algum consenso para arbitragem dos interesses e das necessidades públicas, mediante compromisso político. Mas isto está em xeque na conjuntura, com risco evidente de naufrágio coletivo, se prevalecer visão fundamentalista daqueles que ainda apostam na tese do “quanto pior melhor”.

 

 

Leia também:

 

Brasil fragmentado na expectativa do dia seguinte

A história se repetindo

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Hipóteses outonais

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci.

Guilherme Delgado é economista e pesquisador.

Recomendar
Última atualização em Qui, 14 de Abril de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates