topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Andanças militantes Imprimir E-mail
Escrito por Wilson Lopes   
Terça, 27 de Novembro de 2007
Recomendar

 

 

Um reencontro entre militantes num jantar regado a café, leite, alguns salgados, um pote de margarina e meio pacote de bolachas de sal. Na pauta da conversa solta: uma trajetória de luta que se encontrava. No centro das atenções: moradores de rua, sem-terras, desempregados, sem-tetos, marginalizados e oprimidos de nosso povo. Temáticas principais, em torno das quais se delinearam a caminhada de militantes e de governo.

 

Um reencontro de andanças militantes. Esta a experiência que me fora oportunizado vivenciar dias atrás, com uma antiga companheira de luta e seu companheiro, um trabalhador que a duras penas conseguira construir sua casa própria e que recém descobrira a luta, após quarenta anos vivenciados somente no interior das fábricas.

 

O reencontro com militantes que mantiveram sua fidelidade aos pobres e que não deixaram se cooptar pela atual conjuntura de um governo que a cada dia se torna mais neoliberal, sempre traz um sopro de vitalidade. Reencontrar antigos/as companheiros/as é com certeza renovar-se no caminho de quem não se cansa de refazer o compromisso com as origens. É viver esta volta à fonte, de quando se aspirava por um governo saído do meio do povo com uma proposta de governar para e com o povo.

 

Por um lado lembranças de lutas, de greves e mobilizações e a certeza de que a militância-popular ainda conserva o seu ardor. Por outro, sofridas dores de ter que cortar na própria carne as partes que se deixaram cooptar e que hoje se tornaram redutos de privilégios, capitaneados pela mesma elite até ontem combatida.

 

Recordações de velhos combatentes que até ontem sentiam orgulho de estarem com o povo, de serem chamados de populares e que não se envergonhavam de suas vestes surradas, de amassarem barros, de andarem em meio aos esgotos abertos ao céu, de percorrerem becos e vielas das favelas, de marcarem ponto nos acampamentos e assentamentos e que se sentiam vivos em meio às mobilizações, às greves e aos enfrentamentos.

 

Militantes que outrora entravam no palácio do planalto esbravejando palavras de ordem, criticando ações políticas e econômicas com clareza e razoabilidade conjuntural, sem a mínima vergonha de seus trajes de trabalhadores, convictos da classe a que pertenciam e mais convencidos ainda de que as mudanças viriam da luta do povo.

 

Militantes estes que pouco a pouco se viram envolvidos pelo manto da resignação. Estranhamente seus procedimentos e suas palavras passaram a transmitir excesso de tolerância, silêncio em demasia, afirmações do tipo “sempre foi assim”. E antes que se pudesse imaginar, o espírito de luta que antes movia estes companheiros se arrefeceu. Aprisionado na teia da cooptação, estes lutadores já não mais são povo, agora são governo.

 

Lembranças amargas de um governo que paulatinamente migrou do chão da fábrica para o escritório do patrão. Dores pelos militantes que ao adentrarem os corredores do palácio do planalto, facilmente deixaram sua essência de lutadores para trás. Que sem muita resistência aderiram aos “protocolos palacianos” e que já não mais se reconhecem dentro de suas antigas lutas, nem de seus antigos ideais.

 

Militantes que depois de um tempo percorrendo o palácio do governo cercaram-se de mimos, e já não mais esbravejam, apenas sussurram mansamente pedindo calma; já não mais criticam e sim defendem, afirmando que o governo está fazendo o impossível; que não querem mais saber de suas vestes amarrotadas, mas fazem questão do terno e da gravata; e já não mais partilham pão com mortadela e churrasco de lingüiça com companheiros e companheiras, nas praças e ruas, mas preferem os restaurantes requintados, com seus pratos exóticos, na companhia de antigos adversários.

 

E assim desta forma, a grossa crosta de poder e riqueza impregnados nas paredes daquele “nobre recinto palaciano”, outrora construído como espaço de representatividade do povo, vai passando para o corpo dos aguerridos militantes, corrompendo-os. Cooptados eles esquecem não somente quem eram, mas a quem representam e a responsabilidade que carregam por terem sonhados juntos o sonho de milhões de pessoas do povo que neles confiaram.

 

Sonhos, projetos, companheiros e companheiras, jazem nos corredores do palácio do planalto. Os companheiros de ontem são recebidos às escondidas. Afinal, o que pensarão os diretores-presidentes das grandes corporações? Como seremos vistos lá fora na companhia destes... Um momento de lucidez e um olhar para trás chama-os à atenção, desvanecidas as lembranças, logo se dão conta de que agora são governo e como governo... Como esquecer a irrefutável verdade de que “a cabeça pensa a partir de onde os pés pisam”.

 

Amargas lembranças e dores infindáveis pelos companheiros que se deixaram picar pela “mosca azul do poder”(Frei Betto), fazendo emergir a mais cruel de todas as patologias políticas: o “câncer da corrupção”. Amargas constatações de um governo “salomônico” que vê em cada aliança, um “casamento político”. De costas para o povo, vai defendendo corruptos e acobertando velhas raposas. Alimentando cobiças e ganâncias escabrosas em troca da votação de projetos que espoliam ainda mais os que quase nada têm, com pesadas taxações. Sem projeto para o povo, entrega um “pote de ouro” às multinacionais e aos banqueiros, e recebe uma moeda de volta.

 

E assim lá se vão as andanças de um governo que de discurso em discurso engana o povo e se auto-engana. Que alardeia a CPMF como um imposto para taxar os ricos e que na prática afeta diretamente os pobres. Que argumenta enfaticamente que todo o dinheiro do imposto vai direto para a saúde, quando a situação dos hospitais e postos de saúde mostram descaso e abandono. Poderia se perguntar: A CPMF é para quem mesmo?

 

De Napoleão Bonaparte se dizia possuir tamanha eloqüência que era capaz de fazer qualquer opositor indignado que adentrava seu palácio esbravejando, sair de lá louvando e desejando vida longa ao rei, vida longa ao rei. Parece que esta eloqüência deixou a França do século XVIII, para aportar no Brasil do século XXI.

 

Um governo que pode arrogar para si duas façanhas, até então, impensáveis: o fortalecimento ainda mais dos ricos e o enfraquecimento ainda mais dos pobres. Nunca os banqueiros e os grandes empresários lucraram tanto. Já os pobres... bem, os pobres tiveram que se contentar com o Programa Bolsa Família, uma espécie de nacionalização do assistencialismo. Enquanto a reforma agrária sequer entra na pauta do governo, o agronegócio está na ordem do dia. Enquanto os sem-terras são recebidos às escondidas, os usineiros são tratados como heróis.

 

Constatar que alguns militantes foram “incendiários ontem, bombeiros hoje” chega a causar desalento. Contudo, seria ingenuidade não fazê-lo. O mais coerente é chacoalhar estes velhos e aguerridos companheiros para que acordem e recordem a base de onde vieram. Mas que não deixem para fazer isto somente em tempo de eleição, pois isto seria uma atitude desrespeitosa, mesquinha e vil, além de desmedida falta de caráter, de coerência e de compromisso para com o povo.

 

Recordem estes lutadores que a luta não é feita de dentro do palácio do planalto. Ela nasce e se frutifica do lado de fora, na rua, nas mobilizações, na periferia, debaixo dos viadutos, nos acampamentos e assentamentos, na greve dos trabalhadores e desempregados.

 

Onde a esperança vence o medo? No povo, não no governo. O governo passa, o povo fica. Ao governante terá restado o peso histórico de ter realizado ou frustrado não o seu sonho, mas o sonho de milhares de sem-terras, moradores de rua, desempregados, sem-teto, gente pobre e simples do povo, que depositaram nele sua confiança.

 

Ainda há esperança? Sim. E como há! Esta teima em não se desvanecer. Ainda é tempo de acordar? Claro que é. Sempre é tempo. Enquanto houver militantes que guardam a proposta original e a defende mesmo sendo destituídos de seus cargos ou tendo que se destituir deles, por fidelidade aos pobres, ainda há esperança.

 

São estes militantes, que por manterem seu espírito de liberdade e de indignação intactos dos privilégios, é que mostram o quanto o governo tem se afastado do povo. São estes “lutadores que lutam a vida toda, e por isto são indispensáveis”, no dizer de Bertold Brecht, que por carregarem consigo a chama acesa de um projeto possível, é que mostram que o sonho sonhado e desejado por muitos não está morto e que ainda é possível concretizá-lo. É tempo de renovar a esperança, é tempo de acordar!

 

 

Wilson Aparecido Lopes é assessor da Pastoral do Povo da Rua em Osasco (SP) e do MST na Grande São Paulo.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 07 de Dezembro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates