topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A história se repetindo Imprimir E-mail
Escrito por Claudionor Mendonça dos Santos   
Qui, 07 de Abril de 2016
Recomendar

 

 

 

 

Há um ditado que afirma que a História não se repete a não ser a título de farsa. Lamentavelmente, os idos de 1963 se repetem em 2016. Ou pior, remontam à Alemanha de 1933.

 

Setores da sociedade se arvoram em catões da moralidade, apontando o dedo para setores devidamente selecionados do mundo político. Dizem-se indignados com tamanha corrupção, dado que descobriram que existe somente há uma década aproximadamente! Inocentes, alguns nem tanto, repetem jargões da mídia, com indisfarçável cinismo. Mídia e agentes políticos se acumpliciam e, contando com a colaboração de um judiciário partidarizado, expõem suas garras afiadas, mas sempre sob o manto da seletividade.

 

A visualização daqueles que foram às ruas, demonstra, com grandiloquência, o que setores da sociedade buscam. É saudável que a sociedade insatisfeita demonstre seu inconformismo alertando os detentores do poder eletivo no sentido de que o quadro poderá ser alterado, ao fim de seus mandatos. É natural que assim seja.

 

Contudo, causa repugnância que o judiciário busque no barulho das ruas a fundamentação de suas decisões. Decisões judiciais devem se ater àquilo que se produziu nos autos, com a incidência das regras constitucionais, duramente conquistadas ao longo de séculos.

 

Contraditório, ampla defesa, tratamento paritário dos partícipes do processo, são princípios que deverão nortear os verdadeiros magistrados. Trata-se de órgão que sempre deverá agir sob o manto da mais absoluta imparcialidade, afastado dos interesses de quaisquer das partes. Essa é a verdadeira e autêntica magistratura. A abstenção política é dever ético de qualquer magistrado que também deverá demonstrar ser pessoa equilibrada e sensata, mantendo conduta rigorosamente irrepreensível, insuscetível de qualquer mácula.

 

Carlos Aurélio Mota de Souza, eminente magistrado e professor, em obra memorável ensina que “é o juiz a substância humana dentro do processo, atuando livremente, com dignidade e hierarquia, como o comandante de uma nave, porém limitado aos seus contornos, que é a lei”, acrescentando, ainda, que o arbítrio judicial não é delimitado somente pela lei mas primordialmente pelo caráter do magistrado. Em tempos midiáticos, a lição do magnânimo doutrinador deve ser constantemente relembrada.

 

Da mesma forma, após a Constituição de 1988, o Ministério Público passou a exercer relevantes funções, especialmente na área dos direitos difusos, agigantando-se e multiplicando suas funções. Embevecidos, certos membros da Instituição, no desempenho de suas funções, afrontam preceitos éticos, destacando-se o excessivo protagonismo de alguns, provocando reações por parte de setores da sociedade secularmente fora do alcance das leis penais.

 

Já em 1956, no II Congresso Interamericano do Ministério Público, realizado em Havana, aprovou-se o Código do Promotor, elaborado por J.A. César Salgado, rezando, em seu inciso VI: “Sê nobre. Não convertas a desgraça alheia em pedestal para teus êxitos e cartaz para a tua vaidade”.

 

O decálogo, ao que parece, moureja em algum recôndito da memória de certos membros da Instituição, ferindo-se de morte várias regras constitucionais, como a presunção de inocência, respeito à integridade moral das pessoas, a intimidade e a honra alheias, cláusulas pétreas.

 

Lamentavelmente, ao que parece, voltamos aos tempos sombrios de outrora e que se acreditava jamais retornariam. Triste engodo.

 

Leia também:

 

Brasil fragmentado na expectativa do dia seguinte

 

“O pântano no volume morto: degradação institucional brasileira atinge ponto mais agudo" – entrevista com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes

 

Sobre a vontade generalizada de ser massa de manobra

 

O buraco negro da conjuntura política nacional

 

A classe trabalhadora volta do paraíso

 

‘Governo arruinou a Petrobras; Brasil já perdeu janela aberta pelo Pré-Sal pra se alavancar’ – entrevista com o cientista político Pergentino Mendes de Almeida

 

O que pretendem os setores dominantes com o impeachment de Dilma: notas preliminares

 

“Lula é o grande responsável pela crise" – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

 

Sobre crises, golpes e a disputa do Planalto

 

Hipóteses outonais

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Referendo revogatório: que o povo decida

 

Não é por Dilma e Lula

 

‘Sistema político derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’ – entrevista com o cientista político José Correia Leite

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular" – entrevista com a socióloga Maria Orlanda Pinassi

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas” – entrevista com o filósofo e pesquisador Pablo Ortellado

 

“O Brasil está ensandecido e corre risco de entrar numa aventura de briga de rua” - entrevista com o cientista político Rudá Ricci

 

 

Claudionor Mendonça dos Santos é Promotor de Justiça e membro do Movimento Ministério Público Democrático.

Recomendar
Última atualização em Segunda, 11 de Abril de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates