topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Sep   October 2016   Nov
SMTWTFS
   1
  2  3  4  5  6  7  8
  9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Fim de ciclo petista: um golpe no coração da esquerda latino-americana Imprimir E-mail
Escrito por Raul Zibechi   
Qui, 24 de Março de 2016
Recomendar

 

 

 

 

 

A crise que afeta o Partido dos Trabalhadores terá repercussão em toda a região latino-americana, já que as forças de esquerda e progressistas sempre se referenciaram em um tipo de “irmão mais velho”, que agora enfrenta o que pode ser sua fase terminal.

 

Tarso Genro, um dos quadros históricos do PT, e Ministro da Justiça no segundo mandato de Lula, sustenta que o “ciclo que levou o PT ao governo está esgotado”. E adiciona que é muito difícil que tenha chances de permanecer no poder no próximo período, porque estamos diante do “fim de um ciclo econômico, social e político no Brasil”.

 

Em dias de profunda incerteza e de forte ofensiva mediática e judicial contra o principal partido da esquerda latino-americana, está difícil fazer análises que superem o curtíssimo prazo para vislumbrar o futuro desta força política. Genro defende que o juiz Sérgio Moro, que foi quem ordenou a detenção do ex-presidente Lula no início do mês, se inspira em Carl Schmitt (1888-1985), jurista e filósofo alemão que colaborou com o regime nazista. A lógica com que operou a justiça nesse caso consistiu em “apontar primeiro uma pessoa e depois tentar produzir provas contra ela, o que é um procedimento de exceção às margens da legalidade constitucional, que gera um direito paralelo, uma Constituição paralela”. Todo o sistema judicial está distorcido, disse Genro, incluindo as famosas delações premiadas.

 

O PT e a América Latina

 

Em julho de 1990 se reuniram no hotel Danúbio de São Paulo 48 partidos e organizações da América Latina, à convite do PT, com o objetivo de “debater a nova conjuntura internacional pós-queda do muro de Berlim e as consequências da implantação de políticas neoliberais por parte da maioria dos governos da região” (http://forodesaopaulo.org/). A proposta principal girou em torno da construção de uma alternativa popular e democrática ao neoliberalismo. Na mesa daquele primeiro encontro reluzia um brasão do PT e a maioria dos assistentes militava nesse partido. Nesses anos de neoliberalismo feroz, o Partido dos Trabalhadores se converteu no principal referência das esquerdas latino-americanas, o que se acentuaria nos anos seguintes.

 

Em 1988 foi realizado em Porto Alegre, cidade governada pelo petista Olívio Dutra, a primeira experiência de orçamento participativo não apenas da região, mas do mundo. O processo foi tão impactante que prontamente foi irradiado a outras cidades, entre elas Montevidéu e Rosário (ARG), ao mesmo tempo em que uma dezena de cidades brasileira adotavam a experiência, que também tiveram traduções em outros continentes.

 

Mas a maior criação do PT foram os fóruns sociais. Com eles a estrela começou a iluminar não só a região, mas o mundo. O primeiro fórum foi convocado pela Associação para a Taxação de Transações Financeiras para Ajuda do Cidadão (Attac) e pelo PT, realizando-se de 25 de dezembro de 2000 a 30 de janeiro de 2001, em Porto Alegre, uma vitrine do que o podia ser um governo dessa força política.

 

Os seguintes fóruns foram um êxito completo. O terceiro, em 2003, ano em que Lula debutava como presidente, recebeu mais de 100 mil pessoas provenientes de 156 países, organizou 1300 seminários e oficinas e acolheu aos mais importantes pensadores da esquerda mundial: Noam Chomsky, Antonio Negri, John Holloway, Eduardo Galeano, entre muitos outros. Pouco repararam que uma das siglas que apareciam entre os apoiadores era a da Petrobrás.

 

Em um clima de euforia coletiva, Lula improvisou um discurso: “tenho a nítida noção do quanto nossa vitória representa de esperança não só para o Brasil, mas para toda a esquerda do mundo e sobretudo para a esquerda em nossa América Latina”. Disse estar consciente da “esperança que os socialistas do mundo inteiro depositam no êxito do nosso governo” e adiantou que esperava contribuir “para que outros companheiros ganhem as eleições em outros países do mundo”.

 

As três experiências que confluíram há apenas uma década em Porto Alegre murcharam: o orçamento participativo se converteu em uma secura burocrática, os fóruns sociais se esvaziaram cooptados pelas grandes ONGs e o governo do PT naufraga na incerteza. Deve recordar-se de que essas três experiências mereceram teses e livros, foram motivo de extensas reflexões no seio de uma esquerda que, uma década e pouco depois da queda do socialismo real, acariciava o retorno aos bons tempos. Apenas o zapatismo se manteve à margem.

 

Esquerda e Estado de exceção

 

“Se o Estado de direito já vinha sofrendo das vicissitudes da atual crise política pela inegável conduta parcial da justiça contra os pobres, contra os negros, contra as mulheres e outras minorias, com a operação Lava Jato a violação do Estado de direito se eleva ao estatuto de estado de exceção judicial. Esse estado se configura pela violação sistemática e politicamente orientada de direitos e garantias individuais garantidos pela Constituição e pelas leis”, escreve o sociólogo Aldo Fornazieri (Jornal GGN, 7 de março de 2016).

 

Assim como Giorgio Agambem e Hannah Arendt, que defendem que o nazismo foi um ponto de inflexão na utilização da legalidade estatal de exceção para a construção de um regime autoritário, Fornazieri sustenta que no Brasil se instalou uma “ditadura judicial”.

 

De toda forma, aqueles que defendem Lula e o PT não levaram em consideração pelo menos três questões.

 

A primeira é que as décadas durante as quais os negros, os pobres e de modo muito particular os habitantes das favelas foram sistematicamente castigados, assassinados e desaparecidos pela Polícia Militar, e tratados como ninguém pela justiça, os dirigentes do PT olharam para o outro lado ou foram cúmplices destes feitos. Um só exemplo. Em fevereiro de 2015, a Polícia Militar de Salvador matou 15 jovens negros e pobres, sendo muito questionada pelos organismos de direitos humanos. O governador Rui Costa, do PT, declarou aos meios de comunicação: “a polícia tem que decidir em cada momento, ter a frieza e a calma necessárias para tomar a decisão acertada. É como o artilheiro na frente do gol que tenta decidir em segundos como vai finalizar. Depois que a jogada termina, se foi um golaço, todos os torcedores vão aplaudir” (Carta Capital, 9-02-15).

 

Nestes anos de Lula e Dilma a morte violenta de negros disparou quase 40%.

 

A segunda questão é o que defende Luciana Genro, filha de Tarso e membro da Direção Nacional do PSOL, com base na delação premiada de Delcídio Amaral (senador e ex-chefe da bancada do PT): “É lamentável que um líder político como Lula tenha deixado de ser do povo para se aliar às elites, governar com elas e receber por isso inúmeras comissões e brindes” (Viento Sur, 5 de março).

 

Ninguém pode negar que Lula e o PT estabeleceram relações carnais com o grande empresariado brasileiro, em particular com as construtoras a quem abriram mercados e defenderam cada vez que enfrentaram problemas, como sucedeu quando a Odebrecht foi expulsa do Equador pelo presidente Rafael Correa.

 

Finalmente, o PT e o conjunto da esquerda brasileira não aparentam condições de afrontar nem enfrentar o “estado de exceção permanente” que denunciam. Segundo Agambem, “o totalitarismo moderno pode ser definido como a instauração, através do estado de exceção, de uma guerra civil legal, que permite a eliminação física não só dos adversários políticos, mas de categorias inteiras de cidadãos que por qualquer razão resultem não integráveis no sistema político”.*

 

Este é o calcanhar de Aquiles do lulismo: não tem a força moral necessária para enfrentar a ofensiva das direitas porque não defendeu, quando deveria fazê-lo, as vítimas do mesmo sistema que agora condena.

 

Leia também:

 

Enfrentar a direita sem cair nas ciladas do lulismo


 

Os golpes já foram e continuam sendo dados


Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”


Referendo revogatório: que o povo decida

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Apontamentos no calor dos acontecimentos

 

‘Brasil derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular"

 

Não é por Dilma e Lula

 

Qual democracia?

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular"

 

‘O governo está encurralado e dificilmente sairá do atoleiro em que se meteu desde o começo’

 

Crise política: o que fazer?

 

É possível a recuperação econômica na conjuntura atual?

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas”

 

 

 

Raúl Zibechi é jornalista e cientista político Uruguaio

Traduzido por Raphael Sanz, da Redação

Recomendar
Última atualização em Terça, 29 de Março de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates