topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Mobilização e avaliação de erros Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Qui, 24 de Março de 2016
Recomendar

 

 

Virou moda, entre analistas de esquerda que acordaram para a gravidade da situação vivida pelo país, repetir à exaustão que o principal, neste momento, é a mobilização popular. É verdade! A única força capaz de conter os golpistas e seus seguidores é o povo brasileiro mobilizado.

 

Por outro lado, tendo isso como pressuposto, esses analistas agregam que não é o momento de dispersar esforços. Consideram que seria dispersivo, neste momento, realizar avaliações sobre erros cometidos, mesmo que tais erros tenham contribuído para a atual crise em que o país e o PT estão mergulhados.

 

Ainda, segundo eles, não seria possível fazer previsões sobre a atual conjuntura. Com os dados de um ou mais anos atrás, não seria previsível supor o presente caos político, nem a crise econômica. Mesmo que alguém houvesse previsto isso, não teve capacidade de convencimento e de mobilização para evitar os erros e prevenir os presentes acontecimentos.

 

Cá entre nós, esse é um método canhestro de jogar sobre os ombros de outros a própria responsabilidade. Ou seja, se aqueles que previram o que ia ocorrer com as políticas errôneas adotadas não tiveram capacidade de convencer e de mobilizar forças suficientes para a adoção de outras políticas, eles seriam os responsáveis pelos resultados. Mesmo que isso fosse verdade - mas não é - a negação em reconhecer e avaliar os erros praticados continua sendo um empecilho para enfrentar com acerto a presente situação.

 

Como corrigir um erro, sem analisá-lo e tirar dele os ensinamentos decorrentes? A humanidade tem avançado num constante processo de tentativa e erro, no qual o reconhecimento do erro é a base para sua correção e para novos passos adiante. Nas novas tentativas de ação, novos erros ocorrerão, num processo contínuo, exigindo constantes avaliações e correções. Ao contrário de atrapalhar os passos adiante, o reconhecimento, avaliação e correção dos erros os ajuda.

 

No entanto, se houver resistência ao reconhecimento dos erros e, em consequência, à sua superação, não estaremos capacitados para enfrentar plenamente os novos desafios. Por exemplo, estamos forjando uma ampla unidade quanto à necessidade imperiosa de mobilizar as grandes camadas populares e intermediárias da população em defesa dos direitos democráticos, dos direitos sociais da Constituição de 1988, e da manutenção das eleições democráticas como forma de resolver as disputas políticas.

 

No entanto, isso não basta para mobilizar a maioria do povo brasileiro. Isto é, as grandes camadas trabalhadoras e populares da população, cuja participação é decisiva para barrar a ofensiva conservadora e golpista. Em outras palavras, o problema consiste em reconhecer que a mobilização social só ganhará o volume necessário para tornar patente a verdadeira porcentagem da mobilização de direita se, àquelas bandeiras políticas democráticas, incluirmos as bandeiras econômicas e sociais, também democráticas, de direito ao emprego, ao salário justo, à aposentadoria digna, à moradia, à saúde e à educação.

 

O que nos remete à necessidade de corrigir, no próprio processo de mobilização popular, o rumo econômico e social errado adotado pelo governo Dilma. E de evitar, nesse processo de correção, os erros estruturais dos períodos anteriores, mascarados pela situação econômica internacional favorável dos anos 2002 a 2010. Situação que permitiu, por algum tempo, o sucesso da política de elevação do poder de compra das camadas miseráveis e pobres da população brasileira sem o forte acompanhamento de uma política de investimentos e de correções cruciais na política macroeconômica.

 

Isto é, investimentos que promovessem a elevação constante da oferta de alimentos e de bens industriais não duráveis necessários pela crescente demanda da população de baixa renda. Investimentos que também consolidassem, paralelamente ao agronegócio, a presença de uma forte economia agrícola destinada ao mercado interno, e a retomada da industrialização, sem a qual é pirotecnia falar em soberania econômica. E correções macroeconômicas, particularmente nos juros e no câmbio, que estimulassem os investimentos produtivos e a industrialização.

 

Se corrigirmos os erros do governo Dilma com a adoção das mesmas políticas dos anos 2003 a 2010, estaremos substituindo uns erros por outros. Portanto, não é consistente sugerir que o reconhecimento e a avaliação dos erros atrapalhem o esforço pela mobilização popular. Ao contrário, são condição para a efetivação de uma mobilização realmente massiva.

 

Além disso, continua pesando sobre o PT o estigma da corrupção, sem que o partido tenha respondido com firmeza a isso. Embora a questão econômica seja o ponto nodal para reverter o processo de mobilização, seria conveniente que os petistas começassem a pensar seriamente em acertar as contas, em profundidade, com uma política organizativa e institucional que permitiu que meliantes e aloprados de “Padrão Delcidio” se tornassem figuras de proa no partido.

 

Leia também:

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

Referendo revogatório: que o povo decida

 

A política na toada do mercado: o fundo é mais em cima

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Apontamentos no calor dos acontecimentos

 

‘Brasil derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular"

 

Não é por Dilma e Lula

 

Qual democracia?

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular"

 

‘O governo está encurralado e dificilmente sairá do atoleiro em que se meteu desde o começo’

 

Crise política: o que fazer?

 

É possível a recuperação econômica na conjuntura atual?

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas”

 

 

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates