topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A indignação hipócrita e mais um aniversário à espera da verdadeira democracia Imprimir E-mail
Escrito por Ivan de Carvalho Junqueira   
Terça, 22 de Março de 2016
Recomendar

 

 

 

Completei 35 anos neste 21 de março em meio às turbulências do período pelo qual passa o Brasil. Nasci na ditadura militar, sob a vigência da Constituição de 1967 (ou 1969). Em 1984, aos 3 anos de idade, acompanhei, no ombro do meu pai (outrora torturado e preso político), o movimento das Diretas Já, na Praça da Sé e no Vale do Anhangabaú. Tive de aguardar mais quatro anos até a promulgação da Constituição de 1988, sob a perspectiva democrática, já tão modificada (91 emendas). Cresci, contudo, num ambiente conservador. Só duvidava se reacionário, talvez por ingenuidade. Não mais.

 

A democracia, aos seus adeptos, é muito cara. Exatamente por isso, respeito opiniões divergentes, ainda que dissonantes. Do contrário, seria porta-voz da minha própria incoerência. O pluralismo de ideias é fundamental, entretanto, há limites e princípios irrenunciáveis, dos quais não abro mão, sem margem a sentimentalismos.

 

Também o atual momento, mais do que outros, exige uma tomada de posição, cujo silêncio me faria cúmplice.

 

É muito fácil e confortável vociferar residindo no Alto da Lapa, Higienópolis ou Perdizes. Nesses redutos de pretensiosos “donos do saber”, malgrado as exceções, sobram intolerantes e alienados, para ser bem polido.

 

É a intolerância reproduzida por “batedores de panela”, raivosos e sem escuta. Que, insanos, não ouvem sequer o alerta daquela “filha da puta”, em rede nacional, sobre o Zika vírus. Dos que possuem MBA e intercâmbios no exterior, mas, são “formados” por Globo e Veja. Dos democráticos de fachada, na tentativa de forjarem a trajetória pessoal, sem convencer ninguém. Dos que consideram a luta de classes irrelevante e ultrapassada, senão papo furado de “comunista”.

 

Dos que abominam Karl Marx sem jamais tê-lo lido. Dos que só avistam uma favela, “abrigo de gente perigosa” e “delinquentes em potencial”, pelas lentes distorcidas da TV. Dos que creem conhecer um presídio por terem lido um livro. Dos que subestimam o crescimento “daqueles” que não eles. Dos que se escoram em títulos acadêmicos, línguas estrangeiras e viagens pelo mundo, não nas relações humanas.

 

Dos que toleram negros até a área de serviço, não na faculdade. Dos que se indignam com a queda da bolsa a afligir o Deus-Mercado, não com a morte de dezenas de adolescentes, precocemente sepultados, dia a dia. Dos que se opõem à expansão do transporte público por temer o trânsito de “gente diferenciada”. Dos que já não disfarçam a ojeriza às classes menos favorecidas (haja direitos sociais e trabalhistas) e às manifestações populares, antro de “vagabundos” e “acomodados”.

 

Clamam por GOLPE, sim!

 

Sem nenhum cerimonial, rasgam a Magna Carta quão fosse um documento qualquer, endossam conduções coercitivas ilegais, ratificam prisões preventivas sem fundamento e escutas telefônicas criminosas.

 

“Fora, Dilma! Morra, Dilma!”.

 

Nesse modus operandi de exceção a deixar Carl Schmitt admirado, tudo é permitido à caça de uma certa corrupção (a depender do assunto e de quem se trata), com amparo em delações seletivas, onde juízes e promotores-militantes sobrepõem-se às funções para as quais foram investidos e às respectivas instituições. Tidos por salvadores da pátria, fazem do processo penal um espetáculo programado: semana, dia e hora.

 

Aos domingos de desfile cívico, marcham ao lado dos que defendem intervenção militar e tiram selfie com a PM (que, no brasão de armas, homenageia em sua 18.ª estrela o Golpe de 64), como que chancelando a eficiência da corporação (em São Paulo, 750 mortes em 2015), na certeza de que o atendimento a eles – brancos, classe média/média alta e residentes nas regiões centrais – ser-lhes-á sempre cordial (de vez em quando, no máximo, um jato d’água), mui distinto do concedido aos pretos-pobres-periféricos do outro lado da ponte.

 

Por ironia, é justamente ela, a Constituição, que assegura aos “cidadãos de bem” e “pais de família” (como se os “outros” não pudessem ser) a presunção de inocência, o devido processo legal e a ampla defesa. Afinal, também cometem crimes (desvios), sonegam impostos (erro contábil) e traficam drogas (uso “cult” e recreativo), inclusive de helicóptero.

 

Nos condomínios fechados, porém, ao revés dos logradouros menos “nobres”, o aparato policial não os incomoda e, caso o faça, por um equívoco quase imperdoável, atua na mais perfeita legalidade, à luz do dia (não de madrugada) e com mandado judicial.

 

Já não duvido que, em poucos meses, assistirei a renúncia/impeachment da presidenta da República, em um processo encabeçado por corruptos, no desprezo à vontade das urnas e a 54.501.118 votos. Nesse dia ou noite cada vez mais próximo, milhares de pessoas sairão às ruas comemorando, resta saber o que.

 

 

Leia também:

 

Fábio Konder Comparato: “A Operação Lava Jato perdeu o rumo”

Referendo revogatório: que o povo decida

 

A política na toada do mercado: o fundo é mais em cima

 

Lula na Casa Civil: o que muda para a esquerda?

 

Apontamentos no calor dos acontecimentos

 

‘Brasil derrete em meio a dois clãs em disputa pelo aparelho de Estado’

 

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular"

 

Não é por Dilma e Lula

 

Qual democracia?

"Lula e o PT há muito se esgotaram como via legítima de um projeto popular"

 

‘O governo está encurralado e dificilmente sairá do atoleiro em que se meteu desde o começo’

 

Crise política: o que fazer?

 

É possível a recuperação econômica na conjuntura atual?

 

Precisamos construir outro projeto de país, longe dos governistas

 

“A Operação Lava Jato ainda não deixou claro se tem intenções republicanas ou políticas”

 

Ivan de Carvalho Junqueira é especialista em Direitos Humanos e Segurança Pública.

Contato: ivanjunqueira(0)yahoo.com.br)

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates