Declaração conjunta dos Prefeitos e do Papa (2)

 

 

 

Escravidão moderna e mudanças climáticas: o compromisso das cidades e de seus prefeitos”

 

Como vimos na 1ª parte da Declaração, os prefeitos, em primeiro lugar, reconhecem a realidade da escravidão moderna e das mudanças climáticas; em segundo lugar, sabem que o ser humano tem hoje a possibilidade de mudar essa realidade; e, em terceiro lugar, lembram a responsabilidade dos políticos a esse respeito. Dando continuidade, apresento neste artigo a 2ª parte da Declaração.

 

Em quarto lugar, os prefeitos dizem o que precisa ser feito com urgência. “Para reverter as mudanças climáticas antrópicas, será necessária uma rápida transformação que faça do nosso habitat um mundo impulsionado por energias de baixo carbono - entre elas as renováveis - e fundado na gestão sustentável dos ecossistemas. Tais transformações deverão ser realizadas no marco dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que, concordados em nível mundial, terão como objetivo pôr fim à pobreza extrema, garantir o acesso universal à saúde, à educação de qualidade, à água potável e à energia sustentável; e fomentar a cooperação para erradicar o tráfico de pessoas e todas as formas modernas de escravidão”.

 

Em quinto lugar, os prefeitos tornam públicos os compromissos que pretendem assumir. “Como prefeitos, comprometemo-nos a reforçar em nossas cidades e assentamentos urbanos a capacidade de persistência dos pobres e daqueles que estão em situação de vulnerabilidade, e reduzir a sua exposição aos eventos extremos relacionados com o clima e outros impactos e catástrofes econômicas, sociais e ambientais, que fomentam o tráfico de pessoas e os riscos da migração forçada.

 

Comprometemo-nos, outrossim, a acabar com o abuso, a exploração, o tráfico de pessoas e todas as formas de escravidão moderna, que são crimes de lesa humanidade, incluindo o trabalho forçado e a prostituição, o tráfico de órgãos e a escravidão doméstica. Comprometemo-nos também a desenvolver programas nacionais de reassentamento e reintegração que evitem a repatriação involuntária das pessoas vítimas de tráfico (conforme a revisão dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, n. 16.2, realizada pela PASS).

 

Em sexto e último lugar, os prefeitos exprimem um desejo. “Queremos que as nossas cidades e assentamentos urbanos sejam cada vez mais socialmente inclusivos, seguros, persistentes e sustentáveis (cf. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, n. 11). Todos os setores e todas as partes interessadas deverão desempenhar o papel que lhes corresponde: esse é um compromisso a que cada um de nós se soma plenamente, seja como prefeitos, seja como pessoas”.

 

Companheiros e companheiras de caminhada, irmãos e irmãs, que declaração bonita! Que maravilha de compromissos! Ah, se todos os prefeitos (e todos os governantes e políticos) levassem a sério essa declaração e a colocassem em prática! Cabe aos movimentos populares, às Pastorais Sociais e Ambientais e a todos(as) nós, que queremos um outro mundo possível, cobrar. É um grande sinal de esperança. Vamos à luta!

 

As assinaturas originais dos prefeitos do mundo inteiro (incluindo os prefeitos brasileiros de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Curitiba, Porto Alegre e Goiânia), presentes no Encontro, podem ser conferidas no texto da Declaração disponibilizada pela Santa Sé, em: http://www.pass.va/content/dam/scienzesociali/booklet/declaration21july2015.pdf.

 

O papa Francisco subscreveu a Declaração e, junto com sua assinatura, deixou - como um irmão confiante - a seguinte mensagem: "agradeço esta Declaração. Desejo que faça muito bem".

 

 

Leia também:

Declaração conjunta dos prefeitos e do Papa

 

 

Frei Marcos Sassatelli, frade dominicano, doutor em Filosofia (USP) e Teologia Moral (Assunção-SP), é professor aposentado da Filosofia da UFG.

Comentários   

0 #2 Liberdade 2José Marques 12-02-2016 11:30
https://www.youtube.com/watch?v=EMzM0KfSbxU, Portela Diogo Nogueira, Sururu. Basta de Golpe!
Citar
0 #1 LiberdadeJosé Marques 12-02-2016 11:19
Lembrem-se do pluralismo político, cultural, educacional, sexual. Não somos Cuba, onde a igreja obteve o monopólio religioso. E não tentem tungar. No carnaval do Rio de Janeiro 2016, e outros, deu Mangueira, esse liberdade de mentirinha da baiana, enquanto Clara Nunes da Portela, o verdadeiro sincretismo popular brasileiro, muito louvado, mas na hora não ganha. Deu Mangueira com Liesa/Rede Globo. Mas povo gritava Portela eu nunca vi coisa mais bela. Tá na hora do povão invadir a avenida e tomar o troféu. Basta de golpe!
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados