A alma de Lula

0
0
0
s2sdefault

 

Foi Chico de Oliveira, o oscilante sociólogo uspiano, quem afirmou ser Lula um "homem sem caráter". De minha parte, não descarto a análise de extração psicanalítica, mas considero a caneta presidencial o indicador mais confiável sobre o caráter de qualquer presidente. Antes que o rasteiro moralismo burguês dominante torça o nariz para meu desprezo inicial pela perspectiva moral, reafirmo que, na política, é claro que o caráter conta, mas a prova final sobre a conduta presidencial será sempre o Diário Oficial.

 

Ainda assim, não cometo engano em afirmar que, entre os petistas, poucos conhecem Lula na intimidade - e, portanto, seu caráter - tão bem quanto Gilberto Carvalho, o ex-ministro chefe do gabinete presidencial entre 2004-2010.

 

A propósito das investigações sobre a edição de Medidas Provisórias criadas para benefício das multinacionais do setor automobilístico, Gilbertinho - como é conhecido nas suas bases - afirmou que "o estímulo à indústria automobilística era a alma do presidente Lula". Arrematou dizendo que "dada a importância do setor automobilístico no Brasil, essa coisa de estímulo ao setor era, digamos, a alma do presidente Lula. Ele sempre teve muita preocupação com isso" (Valor, 26 de janeiro).

Há, nas fileiras onde me encontro, uma espécie de interpretação marxista suficientemente tosca para afirmar que nenhum presidente seria louco em negar apoio ao "setor automobilístico", ou seja, às montadoras multinacionais. Esta sorte de "marxismo" considera a correlação de força sempre desfavorável aos trabalhadores e, em consequência, qualquer medida mais ousada é sempre expressão de aventura ou aberta irresponsabilidade, razão pela qual não vacilam em emprestar apoio ao governo petista como se, de fato, o petismo fosse o horizonte histórico possível para as classes subalternas no capitalismo dependente.

 

Não deixa de ser curiosa a situação, pois precisamente este "marxismo" domesticado aparece, involuntária e melancolicamente, como a mais importante manifestação de orgulho burguês entre nós. Enfim, enquanto a lumpem-burguesia brasileira retrocede em termos industriais como nunca após 1994, ainda podemos ver "marxistas" em defesa do "setor industrial" como se esta fosse uma barricada real na defesa da indústria nacional.

 

No entanto, o tempo da indústria nacional automobilística no Brasil acabou há tempos. O golpe de 1964 foi fatal para qualquer pretensão nacionalizante, enterrada juntamente com a deposição do governo nacional reformista de João Goulart. Após a democratização, o Plano Real consolidou um pacto de classe que, na prática, tornou impossível fazer a indústria automobilística nacional.

 

Não se trata de uma lei de bronze, uma consequência necessária da "globalização", como costumam alegar os idiotas conformistas e, com mais ênfase, economistas interessados. A Coreia do Sul e a China, para dar apenas dois exemplos recentes, construíram esta indústria com capacidade de competir com os Estados Unidos e a Europa.

 

A engenharia nacional poderia fazer o mesmo, não fossem nossas universidades um poço de desejo pelas multinacionais, origem do academicismo alienante que ali predomina. Mas não vivemos o epílogo da História e, portanto, o renascimento da indústria nacional dependerá da força de um governo revolucionário e nacionalista, disposto a enfrentar as multinacionais no Brasil. Porém, esta possibilidade demanda reflexão mais profunda e o tema aqui é a alma do Lula

Em sua edição de domingo, o Estadão informa que a Operação Lava Jato apreendeu carta do lobista Mauro Marcondes Machado dirigida ao então presidente da Scania na América Latina, um tal Sven Harald Antonsson, na qual Marcondes - ex-funcionário da Volkswagen no setor de recursos humanos - exibia suposta intimidade com Lula, a quem conhecia desde os esquecidos anos 70.

 

Na Polícia Federal, Lula negou qualquer relação com o empresário e menos ainda com qualquer de suas empresas. Creio que neste caso Lula diz a verdade. Lula, sem pressão alguma, já sabia o que fazer pelo "setor" antes mesmo de chegar à presidência com poder para editar Medidas Provisórias. Marcondes provavelmente mentiu na carta enviada ao executivo da Scania.

 

Afinal, qual o poder de um reles lobista diante de um sujeito que traz as multinacionais na alma?

 

Leia também:

Lula se declara liberal

 

Nildo Ouriques é economista.

Blog: http://nildouriques.blogspot.com.br/2016/01/a-alma-de-lula.html?spref=fb&m=1

 

 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados