topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Nova velha fórmula: qual o trajeto? Imprimir E-mail
Escrito por Raphael Sanz, da Redação   
Terça, 02 de Fevereiro de 2016
Recomendar

 

 

 

 

 

Muita gente se pergunta porque a tática do MPL de fechar as ruas deu certo em 2013 e não estaria tendo tanto sucesso três anos depois. A constatação faz sentido e tem tudo a ver com o novo mote para a repressão violenta: o trajeto.

 

O roteiro é sempre o mesmo enlatado: pessoas se juntam para se manifestar, o Estado diz que não concorda com o trajeto apresentado, diversos policiais infiltrados “provocam” os colegas fardados, e quando os manifestantes pisam um ladrilho fora do estipulado, chovem bombas, balas de borracha e gás de pimenta.

 

Alguns jovens periféricos, já de saco cheio dos abusos policiais em seus bairros, se revoltam e quebram algumas vidraças de bancos, fazem barricadas de lixo e atiram qualquer coisa nas tropas como forma de autodefesa. Inteligente ou não, legitimo ou não, estratégico ou não, isto não vem do “nada político” como muitos “especialistas” têm dito. É preciso entender os porquês.

 

“Muita gente não consegue chegar no horário no trabalho porque diariamente dá problema na CPTM, e ainda corre o risco de ser demitida”, afirmou uma manifestante na reunião aberta da última quinta-feira, em frente à prefeitura de São Paulo.

 

Como não poderia deixar de ser, a dita “grande”, mas também decadente, imprensa prefere investir em fotógrafos e cinegrafistas para explorar até a última gota de suor as depredações secundárias, sem buscar qualquer análise sobre seu motivo. Nos textos redigidos é possível constatar a mesma “preguiça calculada”. E tomam a parte pelo todo. Mal percebem que a maioria esmagadora dos manifestantes, mesmo tendo motivos de sobra para o revide, ficam como baratas tontas dando voltas pelas ruas fechadas (pela polícia neste caso) da cidade buscando abrigo ou fuga. Pior ainda, editores ignoram que muitas vezes a polícia aponta suas miras abertamente aos próprios colegas de redação.

 

Pois bem. Em 2013, o MPL ocupou por duas vezes a 23 de maio, uma vez a Marginal Pinheiros, mais algumas tantas vezes outros pontos da cidade, especialmente o centro e a região da avenida Faria Lima. Também em 2013 a polícia não desfrutava de uma tremenda “tarifa zero” nas verbas públicas para comprar armaduras, blindados, armas letais e menos letais de toda sorte, e assim por diante. Vale lembrar que uma bomba de efeito moral custa pelo menos 800 reais, em pleno ano de ajuste fiscal e crise econômica. Mais uma vez fica a pergunta: há crise onde e para quem?

 

Como podemos ver, o que está em jogo é a disputa do espaço da cidade. O Estado cerceia direitos constitucionais, como o direito à reunião, tão celebrado com o fim da ditadura civil-militar, em nome de uma população que também está pagando a mesma tarifa exorbitante. Em 2013 o controle da rua e do trajeto não era tão intenso, nem mesmo para o movimento. “Em 2013 muitas vezes íamos por um caminho, mas daí a multidão resolvia ir para outro, e não tínhamos muito o que fazer”, contou um militante do MPL durante o sexto ato.

 

O que se vê na tática policial militar é um rigoroso controle da “área de conflito” – como se uma manifestação do MPL pudesse ser comparada a um ataque do Estado Islâmico. Desde “envelopar” (a despeito de se tratar de procedimento ilegal) toda a marcha através do caminho exigido pela própria polícia para evitar quaisquer desvios da massa, até o isolamento de enormes áreas da cidade e o fechamento de estações de metrô, impedindo a locomoção de manifestante (e transeuntes em geral), com toda a sofisticação do aparato repressivo, que intimida mais e fere de forma ainda mais grave.

 

A comunicação do trajeto é um mero subterfúgio. No dia seguinte do sétimo ato, manifestantes do completo oposto do espectro político fecharam a Marginal Pinheiros, às 10h, reivindicando a volta do regime militar. Não precisaram comunicar o trajeto. Nem foram alvejados com bombas e tiros. Isso sem contar as manifestações pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff, que em São Paulo sempre contam com “uma tarde sem catracas” e uma cobertura quase em tom de convite às ruas de alguns meios de comunicação.

 

Por outro lado, é digno de citação o fato de que um grande setor da esquerda insiste em fazer questão de não compreender o MPL – e o novo movimento social autônomo de forma geral. Ambos querem vaquinhas de presépio. Seja pelas suas noções de centralismo democrático, seja pela bota da PM ou pelo medo do desemprego em tempos de crise.

 

Quarto ato: caminhando e cantando

 

O quarto ato se concentrou no dia 19 de janeiro, terça-feira, no cruzamento das avenidas Rebouças e Faria Lima, zona oeste de São Paulo. A proposta, aprovada em assembleia e anunciada em jogral, era de que uma parte iria rumo à prefeitura e outra ao Palácio dos Bandeirantes. Esta reportagem caminhou sentido Palácio dos Bandeirantes, com cerca de 300 manifestantes, mais um grande contingente de policiais, oposto a um baixo número de profissionais da imprensa. A manifestação sentido prefeitura contou com alguns poucos milhares de pessoas, incluindo organizações políticas que criticam o MPL por supostamente dar mais ênfase ao prefeito do que ao governador em suas críticas.

 

Para a Travessia do Morumbi, estudantes secundaristas fizeram a linha de frente do ato. A noite já caía quando a ponte Cidade-Jardim era atravessada e os estudantes seguiam conduzindo militantes do MPL e apoiadores da causa pelas escuras ladeiras do Morumbi, cara a cara com a polícia. Chegando ao Palácio, um exército de policiais se colocava nos portões. Um exagero. As pessoas simplesmente fizeram um jogral e cantaram músicas contra a gestão do Estado e pela redução da tarifa. Na volta, mais alguns quilômetros de caminhada fechando a Avenida Morumbi, em número menor de pessoas, até a estação Morumbi da CPTM, localizada na Marginal do rio Pinheiros.

 

Quinto ato: o trajeto obrigatório

 

Dois dias depois, na quinta-feira, 21 de janeiro, o quinto ato se concentrou em frente a uma das entradas do Terminal Parque Dom Pedro, no centro de São Paulo. O MPL havia proposto um trajeto que desse conta de passar pela Secretaria de Transporte, prefeitura e tomasse a Avenida 23 de Maio rumo à casa do prefeito Fernando Haddad, no Paraíso, bairro nobre do “centro expandido” da cidade.

 

O aparato policial, para impedir os manifestantes de se concentrarem dentro do Terminal, ordenou o fechamento do mesmo. Esse comando claramente visa colocar a população contra a manifestação, no que se configura uma atuação semipolitizada da polícia. Imagine-se, o trabalhador cansado que quer voltar logo para casa vê a polícia lá todo dia, mas justamente no dia da manifestação a mesma polícia fecha as portas do terminal. Isto também aconteceu em diversas estações de metrô das redondezas. Desde a praça da República, as ruas e estações de metrô estavam bloqueadas pelas forças do Estado. E, como não poderia deixar de ser, parte do trajeto decidido em assembleia prévia do movimento foi negado pela Secretaria de Segurança Pública – uma nova aberração que se tenta naturalizar.

 

Ainda na concentração, o MPL expôs o problema, abriu para propostas e ao final havia basicamente três possibilidades: seguir o trajeto inicial independentemente da repressão, obedecer o trajeto da polícia (que era semelhante ao do movimento, porém com encerramento na praça da República) ou seguir até a República e lá fazer uma nova assembleia. Venceu o terceiro por eliminação: os manifestantes por um lado estavam cansados de apanhar e, por outro, não queriam seguir a cartilha policial militar.

 

A marcha seguiu seu caminho, totalmente envelopada pela polícia, com cerca de duas mil pessoas apoiando o movimento (aqui não entram imprensa e polícia). Ao final, o movimento se reuniu na praça da República para fazer a combinada assembleia e nesse momento começou a gratuita chuva de bombas, no momento em que sequer ocupava-se a rua. E vimos o roteiro se repetir mais uma vez. Detidos foram liberados. Feridos foram para a Santa Casa (por sinal em franco processo de sucateamento).

 

“A polícia precisou usar da força para dispersar manifestação”, bradavam as manchetes. Enquanto isso, um fotógrafo da TV Drone sofreu ferimentos dignos de uma cobertura de Guerra do Golfo. Outros jornalistas também foram atacados. O metrô fecha as portas. E assim por diante.

 

Sexto ato: a volta do trajeto que não foi

 

A sexta manifestação de rua convocada pelo MPL se concentrou entre o Parque e a Estação da Luz, na última terça-feira, centro de São Paulo. E volta a novela sobre o trajeto. Novamente decidido em assembleia prévia, o MPL trouxe a proposta de caminhar pela Avenida Tiradentes, passando pela Cruzeiro do Sul, rumo à zona norte, onde encerraria em Santana. O trajeto passaria por lugares como a Rodoviária do Tietê e o Parque da Juventude, onde um dia funcionou o Complexo do Carandiru. Locais que representam a luta pelo transporte e a luta pela paz e contra a brutalidade policial. A polícia, previsível, bateu o pé. Ameaçou a integridade física da manifestação caso seguisse esse caminho. E o embate se deu na assembleia feita ali mesmo, na concentração entre as organizações presentes.

 

Além da proposta do MPL, havia a proposta da PM, de que o ato caminhasse pelo centro de São Paulo, até a Câmara dos Vereadores. Foram dados 10 minutos para apresentação de propostas. Ao fim da assembleia, a proposta vencedora em votação aberta foi feita pelos militantes da ANEL, braço jovem do PSTU. Basicamente a mesma da PM, mas que acabou apoiada por outras organizações e também por manifestantes independentes que já estavam esgotados de tantas agressões policiais. O trajeto do MPL era certeza de massacre para muitos dos que votaram. A atitude do MPL foi a de acatar o sentido que mais mãos conseguiu levantar, ainda que não tenham gostado da decisão.

 

Algumas observações: a primeira, de que a marcha sairia por volta das 19h30 e não chegaria à Câmara antes das 21h. Que vereador estaria por lá a esta hora? A segunda ressalva é que, apesar de o trajeto ter sido votado pelos manifestantes a fim de evitar a repressão policial, o clima era de tensão. Três linhas de bloqueio da Rocam à frente do ato, “Tropa do Braço” envelopando a manifestação, Tropa de Choque bloqueando ruas de acesso ao trajeto e uma caravana de veraneios e blindados ao fundo. Uma verdadeira operação de guerra e a repetição do roteiro de sempre.

 

Se o ato terminou em relativa paz na frente da Câmara dos Vereadores, certamente não incomodou muita gente “grande”. Por outro lado, novamente vimos estações de metrô fechadas com seguranças agredindo usuários – manifestantes ou não – que insistiam em entrar, ou mesmo que argumentavam da necessidade de se abrirem as portas. De quem parte a ordem?

 

Sétimo ato: a coisa pública

 

Para encerrar esta primeira fase da luta contra o aumento e conseguir algum tempo para repensar suas táticas e estratégias, o MPL chamou um ato na quinta-feira seguinte, dia 28 de Janeiro. Algo entre 800 e 1000 pessoas caminharam pelo centro e um número pouco menor se concentrou, ao final, em frente à prefeitura, para uma reunião aberta entre movimentos, sociedade (manifestantes ou não) e poder público (com convites formais ao prefeito Fernando Haddad e ao governador Geraldo Alckmin).

 

Se por um lado os representantes do executivo não compareceram, por outro, estava presente Lúcio Gregori, autor do projeto que defende a tarifa zero nos transportes públicos desde os tempos em que Luiza Erundina foi prefeita da capital e inspirou o surgimento do MPL.

 

“Se não fosse pelo MPL, não teríamos uma discussão ampla na sociedade sobre o acesso à cidade e ao transporte público, estaríamos na mesmice de sempre. Esse debate já está ganho e é nacional. Agora vocês só precisam continuar, até a vitória final”, afirmou.

 

Além dele, também falaram representantes do movimento dos estudantes secundaristas de São Paulo que em suas falas relembraram o movimento que ocupou centenas de escolas públicas em todo o Estado e declararam que apoiam o MPL devido à correlação de pautas. “Hoje somos estudantes e muitos temos o passe livre, mas amanhã seremos trabalhadores e pagaremos a tarifa, por isso, nada mais justo do que virmos aqui apoiar um movimento que luta pelo nosso futuro”, afirmou a estudante ao microfone.

 

Próximos passos

 

Buscando dar um breve descanso aos seus militantes e apoiadores, o MPL convocou seu próximo grande ato para o dia 25 de fevereiro. O local da concentração ainda não foi definido. Para esta quarta-feira, dia 3 de fevereiro, haverá uma aula pública às 17h nas escadarias do Theatro Municipal, ministrada por profissionais do transporte. Estarão presentes representantes dos metroviários, ferroviários e os rodoviários que fizeram greve em 2014.

 

Espera-se que o movimento possa ter um tempo para fazer o devido balanço e analise de conjuntura, levando em consideração a postura e a tática do poder público para diminuir a pauta, sem se esquecer da escalada de violência, repressão e militarização que temos presenciado. Será decisivo também pensar em táticas que driblem a blindagem midiático-policial e possam dialogar melhor com a população.

 

Como dito por Gregori, a pauta do passe livre já conquistou seu lugar e conta com o apoio dos trabalhadores, que cada vez mais se dão conta de que de trinta em trinta centavos são eles mesmos quem sustentam mais este cartel empresarial, cujos lucros não sofrem variação negativa nem em tempos de crise.

 

 

Leia também:


Entrevista de Lúcio Gregori ao Espaço Público


Luta contra o aumento das passagens mostra o que virá em 2016

 

A irracionalidade por trás do aumento das passagens


Luta contra o aumento das passagens em São Paulo: muito além de 30 centavos

 

 

Raphael Sanz é jornalista do Correio da Cidadania.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 19 de Fevereiro de 2016
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates