Fragilização das instituições

0
0
0
s2sdefault

 

 

 

A crise nacional está chegando ao seu limite. Estamos à beira de um precipício, onde podem despencar nossas instituições, levando a rupturas mais desastradas que o rompimento da barragem em Mariana.

 

Diante da gravidade da situação, seria o momento de os Três Poderes demonstrarem lucidez, equilíbrio e determinação.

 

Infelizmente, não é isto que está ocorrendo. Ao contrário, os poderes estabelecidos estão se fragilizando, num processo de rápido desgaste, que transmite insegurança diante dos desdobramentos que fatalmente se desenham pela frente.

 

Diante da urgência de enfrentar a crise econômica com rapidez e determinação, o Executivo se vê questionado diariamente, e intimidado com ameaças de boicote legislativo.

 

Por sua vez, o Legislativo vai rapidamente perdendo sua credibilidade com a constatação do envolvimento de diversos parlamentares em escândalos financeiros. Este desgaste se acelera com a desfaçatez em usar a imunidade parlamentar para proteger os ilícitos praticados com desenvoltura e atrevimento.

 

Para segurar a barra da constitucionalidade, o Judiciário tenta demonstrar eficácia e autoridade nas decisões relativas aos casos que lhe são apresentados. Mas há outros casos que também deveriam ser submetidos ao crivo do Judiciário. E os membros do Supremo precisam sempre deixar muito claro que suas decisões não se amparam em preferências políticas, que por vezes são solenemente encobertas de aparente neutralidade, mas na verdade têm destinação partidária.

 

Agora, com a decisão de abrir o processo de impeachment da presidente Dilma, por parte do presidente da Câmara dos Deputados, chegamos ao cúmulo da desfaçatez política e do cinismo parlamentar.

 

Pois além de usar e abusar da imunidade parlamentar para encobrir suas trapaças financeiras, o presidente da Câmara, conspurcado com o lodo de suas ladroeiras, pretende usar suas prerrogativas constitucionais para arrastar a presidente para a mesma lama em que se vê envolvido.

 

Vendo que se afoga, tenta puxar para dentro da fossa quem a ele está ligado por laços de ofício constitucional, como se a Constituição fosse um refúgio para quem faz da política um arsenal de expedientes ilícitos.

 

A gravidade da crise exige reação pronta e eficaz. Não se pode permitir que a atividade política fique agora toda comprometida com os debates em torno da proposta de impeachment.

 

Antes de mais nada, é preciso identificar com clareza quais são os motivos que levaram o presidente da Câmara a tomar esta decisão.

 

Com a mesma rapidez com que o Supremo decidiu pela prisão de um Senador, deveria analisar agora as acusações feitas contra o presidente da Câmara.

 

Para que, o quanto antes, se deixem de lado as intrigas inúteis, e todos se voltem, autoridades e cidadania, para o enfrentamento da crise, enquanto ainda é tempo de evitar os desastres que ela pode trazer para o país.

 

A hora é de seriedade e apreensão. “Quem sabe, faz a hora!” A crise poderá se transformar em nova oportunidade para o Brasil.

 

Chega de intrigas. Vamos cuidar da crise!

 

Leia também:


Corrupção & capitalismo


Política em transe


Os bastidores da lama política em Minas Gerais


D. Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales-SP.

Comentários   

0 #1 O Reforço Urgente das InstutuiçõesJulian Ramos 12-12-2015 15:40
Muito oportuno o alerta de Dom Valentini. E em apoio a seu brado de urgência diria que depende de cada um de nós a ocorrêcia das mudanças necessárias. Por mais bem desenhadas e escritas que sejam
as nossas leis e instituições, não há possibilidade de sucesso se não escolheremos os dirigentes certos. E para tanto, nao podemos simplesmente deixar os nossos interesses nacionais nas maos de quem nao conhecemos nem podemos controlar. Logo, temos que arrumar uma nova maneira de fazer politica. Se o voto de cada um tem o mesmo valor, por que nao usamos este poder para mudar os rumos do País? Os autores da Constituição de 88 nada podiam fazer se nós escolhemos lideres como Cunha, Aécio, Calheiros, Collor, FHC, Serra, e demais desse naipe, além da própria Presidente Dilma, que mesmo bem intencionada e íntegra, carece da devida competência para o desempenho de tarefa de tamanha importância e complexidade.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados