topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Saneamento: das Olimpíadas ao Zika vírus Imprimir E-mail
Escrito por Roberto Malvezzi (Gogó)   
Quarta, 02 de Dezembro de 2015
Recomendar

 

 

 

 

 

Que o Brasil ainda é um país de ponta-cabeça, todos sabemos. Tanto é que realizou Copa do Mundo, vai bancar uma Olimpíada, mas a lagoa Rodrigo de Freitas e a Baía da Guanabara, escolhidas para esportes aquáticos, estão contaminadas por esgotos e assustam atletas do mundo inteiro por riscos de doenças.

 

Ao mesmo tempo temos o mosquito Aedes Aegypty, que transmite dengue, Chikungunya e agora o Zika vírus, capaz de causar microcefalia e doenças no sistema nervoso central. Assim, uma das maiores economias do mundo patina sobre um alicerce erguido sobre areia movediça.

 

O saneamento básico será tema da Campanha da Fraternidade de 2016. Realizado pelo Conselho Nacional das Igrejas (CONIC), com espaço cedido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), vai abordar essa temática fundamental para qualquer país civilizado, mas que não tem padrinho político algum no Brasil.

 

A situação começou a mudar – ao menos no papel – quando Olívio Dutra foi ministro das cidades e, em seu mandato, foi elaborado o Plano Nacional de Saneamento Básico (PLANSAB). Agora, ao menos, temos um plano e uma lei.

 

O PLANSAB está propondo sanear o Brasil em 20 anos, exigindo cerca de 500 bilhões de reais nesse período. Para tal, cada município deveria elaborar até final de 2015 (sic!) seu Plano Municipal de Saneamento, sob pena de não poder acessar os recursos federais. Não sabemos quantos municípios o fizeram, nem se teremos dinheiro para investir nos próximos anos.

 

O conceito é excelente. Por saneamento básico se entende “o abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotos, manejo dos resíduos sólidos e a drenagem da água de chuva”. Na Bahia, temos um item a mais, fundamental para entender o que se passa, isto é, “o controle de vetores”.

 

Vetores são esses bichinhos como o Aedes, ratos, baratas, que vivem e proliferam no lixo e difundem doenças.

 

A questão é simples e nem precisamos nos delongar: país sem saneamento está sujeito a essas doenças transmitidas por tais vetores, seja por descuido dos cidadãos, seja pela falta de uma política pública efetivada.

 

Hoje, com pequenas melhoras, cerca de 50% de nossos lares ainda não têm coleta de esgoto e cerca de 62% ainda são lançados diretamente nos rios e corpos d’água. O lixo, a drenagem da água de chuva, variando de região para região, costumam ter índices ainda piores.

 

Portanto, bem-vinda a Campanha da Fraternidade. Quando os governantes não assumem, o povo precisa assumir.

 

Sem saneamento não há saúde pública.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 02 de Dezembro de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates