topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Morte à opressão Imprimir E-mail
Escrito por Osiris Lopes Filho   
Quarta, 21 de Novembro de 2007
Recomendar

 

 

Campeia no país a impunidade. Não apenas a dos criminosos, que não sofrem as punições a que fazem jus, pelas suas ações configuradoras de crimes. O debate sobre a CPMF provocou o destrambelho do rigor técnico e ético que deve presidir os pronunciamentos dos homens públicos.

 

O próprio presidente Lula aderiu ao oba-oba das afirmativas inconsistentes e levianas. Disse outro dia referindo-se à CPMF que ninguém pode dispensar uma arrecadação de 40 bilhões de reais. Tal arrecadação é potencial e arriscada, posto que prevista a sua extinção para 31 de dezembro deste ano, desde 2003, em decorrência do que estabelece a Emenda Constitucional nº 42/2003. Durante quatro anos, houve tempo suficiente para se observar a Constituição e se preparar para a extinção dessa fonte de receita, de índole provisória.

 

Em realidade, a desenvoltura com que o governo, pela suas mais altas autoridades, não dá bola para o que dispõe a Constituição é de estarrecer a opinião pública. Trata-se essa lei fundamental, a lei das leis, quando está a defender o interesse do contribuinte brasileiro, como algo desprezível, oferecido ao estupro oportunístico em favor de maior arrecadação, obtida por apetite pantagruélico do Fisco.

 

A extinção da CPMF deve ocorrer, pois é o que prevê a Constituição. Além disso, a atual carga tributária do país é indecente, pornográfica. Ela é superior à dos Estados Unidos da América e do Japão, quando aferida a sua intensidade em relação ao Produto Interno Bruto. A imoralidade desse fardo tributário decorre do fato de que os tributos são instituídos para prover recursos ao Poder Público para que ele realize o retorno via prestação de serviços públicos adequados e realização das obras públicas necessárias.

 

O Poder Público exarceba a tributação e não presta os serviços públicos adequados. Não provê o bem-comum ou o bem-estar dos cidadãos. Trata-se de devedor caloteiro.

 

A morte da CPMF deve ser respeitada, pois ela é a gota d’água, o excesso em relação à pesadíssima pressão tributária que oprime o povo brasileiro. Não há por que se esperar a milagrosa reforma tributária que o governo acena realizar no futuro. Faça-se já, o que a Constituição determina. Que morra logo, a CPMF, primeiro passo para amenizar a opressão tributária, que vitima o povo brasileiro.

 

A medição da carga tributária em relação a sua participação no PIB corresponde à avaliação, feita com o objetivo de se fazer comparação no plano internacional das cargas tributárias dos vários países.

 

O governo existe para realizar o bem-comum, promover o bem-estar dos cidadãos, exercendo as suas atribuições. Isso é realizado pelo atendimento das necessidades coletivas, via provimento dos serviços públicos e feitura dos investimentos, previstos no ideário constitucional. O governo não é tubarão a engordar-se com o que captura dos seus cidadãos-contribuintes.

 

O governo captura tributos em demasia e não exerce sua política de gastos em favor do povo, em proporção ao que arrecada. A carga tributária está insuportavelmente elevada, para os que pagam corretamente os tributos devidos.

 

 

Osiris de Azevedo Lopes Filho é advogado, professor de Direito na Universidade de Brasília – UnB – e ex-secretário da Receita Federal.

E-mail: osirisfilho(0)azevedolopes.adv.br

 

Para comentar este artigo, clique comente.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates