topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Obama começa a fechar Guantánamo Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Terça, 27 de Outubro de 2015
Recomendar

 

 

 

 

Quando assumiu seu primeiro mandato, Barack Obama prometeu que fecharia Guantánamo em um ano. Não cumpriu.

 

Os republicanos lançaram mão de várias jogadas no Congresso para manter a prisão aberta.

Como naquela época Obama acreditava possível “governar com todos os norte-americanos”, ele foi engolindo sapos para agradar seus oponentes, apesar de eles serem minoria nas duas casas do Legislativo.

 

Esperava tornar sua oposição pelo menos construtiva, o que não conseguiu, nem de longe. No segundo período do governo Obama, com os democratas em minoria na Casa dos Representantes, os republicanos aprovaram uma série de leis que garantiam a permanência da prisão.

 

Várias vezes, Obama disse que iria vetar, pois Guantánamo seria uma mancha na reputação dos EUA.

 

Mas sempre havia interesses em jogo, valeria mais a pena esquecer as promessas de veto e não irritar os republicanos para não ferir a onça com vara curta.

 

No fim deste ano, Obama resolveu cumprir sua promessa de 2009. Vetou o orçamento de Defesa para 2016, que continha autênticos jabutis: a proibição de se transferirem prisioneiros de Guantánamo para o território dos EUA, o aumento nos bloqueios da mudança dos já libertados para outros países e uma lista de países para onde os prisioneiros jamais poderiam ser enviados.

 

Justificando seu veto, apenas o quinto nos sete anos do seu governo, Obama declarou diante das câmeras de TV: “essa legislação especificamente impede nossa possibilidade de fechar Guantánamo de um modo, como já repetidamente afirmei, contraproducente em relação a nossos esforços para derrotar o terrorismo em todo o mundo. Guantánamo é um dos principais mecanismos para se recrutar jihadistas. Chegou o tempo para que nós o fecharmos... Podemos fazer mais em favor da segurança do povo, sem deixarmos de ser consistentes com nossos valores”.

 

E terminou com voz firme: “uma vez que que esta lei iria solapar a segurança nacional, eu preciso vetá-la”.

 

O pessoal das organizações de direitos humanos norte-americanas está rindo à toa. Mas a luta não acabou.

 

O lance de Obama foi apenas um gol, é verdade que decisivo. Ele precisa marcar outros para o jogo acabar com vitória.

 

Tem de convencer o Congresso a não derrubar seu veto. Determinar os locais onde os prisioneiros serão alojados. Promover o julgamento dos que ainda não foram processados. E encontrar países que aceitem receber aqueles que continuam presos, mesmo não se tendo provado quaisquer culpas.

 

No entanto, o mais difícil já foi feito. No fim do seu mandato, Obama cumpriu a mudança prometida.

 

Demorou, mas valeu!

 

 

Luiz Eça é jornalista.


Website: Olhar o Mundo.

Recomendar
Última atualização em Terça, 03 de Novembro de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates