topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Luaty Imprimir E-mail
Escrito por Marcelo Santos   
Segunda, 19 de Outubro de 2015
Recomendar

 

 

 

 

Angola, como bem se sabe, é uma ditadura, materializada no “presidente” José Eduardo dos Santos, o Zédu, no poder há 36 anos. O apoio e as interações comerciais do Brasil com a cúpula não são menos vergonhosos ou ao menos dúbios que qualquer crítica ao imperialismo do norte com África, Ásia e Oriente Médio.


O último crime contra os direitos humanos da turma que gere Angola como se fosse seu quintal foi uma detenção de 15 jovens, sob absurdas acusações de planejamento de golpe de Estado, porque estavam, vejam só, reunidos como um grupo de estudo para ler o livro Da Ditadura à Democracia, do pacifista estadunidense Gene Sharp.


Tive a chance de conhecer 8 dos 15 jovens, agrupados sob o movimento Central Angola 7311, em fevereiro de 2014. Minha impressão foi muito positiva, ativistas com mais amor que ódio, com o norte claro e sobrevivendo com muita dificuldade em muitos aspectos, sob uma repressão brutal do governo prepotente e totalitário de seu país. A situação é de abuso de poder e transgressão inegável dos direitos humanos destes jovens ativistas.


Um destes jovens é Luaty Beirão, conhecido como Ikonoclasta, rapper angolano e ativista pela democratização do país, que já foi vítima de muitos abusos, como agressões físicas, ameaças e até a tentativa de plantar cocaína em seus pertences para forçar sua prisão durante uma viagem à Portugal.


Desde sua prisão, em 11 de maio deste ano, passou 85 dias em uma cela solitária e, entre a preocupação com seu envenenamento e a luta por seus direitos, mantém uma greve de fome desde 22 de setembro, chegando a quase 30 dias, e se mantém vivo sob cuidados e à base de soro.


Em homenagem a este grande artista-ativista, deixo o texto a seguir.

 

Luaty, nome-poesia

 

Tive a sorte de te conhecer numa (obviamente) calorosa tarde em Luanda, com os manos da Central. A conversa sobre mídia e ativismo em Angola começou tensa, com o cuidado próprio de quem se sabe perseguido. E acabei com uma sensação muito forte e boa, até meio perplexo.

 

Até que entendi por quê: é que você, Luaty, tem um quê diferente no olhar. É um olhar que parece que está sempre focado no horizonte, sempre mirando mais adiante do que as gentes. É um olhar transparente, que denuncia a injustiça, que não tem medo, que não conhece limites. Este olhar é o sintoma mais visível de sua extraordinária patologia: a convicção dos justos.

 

Luaty, nome-anagrama, quase Luta. Y?

 

Para enfrentar os monstros do fascismo, a história já comprovou: só a força infinita do amor fraternal e humanista tem o poder de continuar movendo os frágeis corpos humanos diante dos obstáculos. E Angola, meu caro, está mais pra obstáculo com caminho que pra caminho com obstáculo. Se o fascismo é pedreira, o humanismo é água mole em pedra dura: fura, sem que a pedra perceba a força da disciplina e da paciência do militante convicto, pois a semente da mudança germina em lugares impensados e momentos improváveis.

 

Luaty, nome-artista.

 

Um artista não cria obras, cria mundos. Tem gente que fala que é a pessoa que escolhe o caminho. Luaty: fostes escolhido pelo caminho, o caminho da paz, da igualdade, da fraternidade, dos espíritos livres. Com ou sem pressa, este definitivamente será o caminho de Angola. Um dia.

 

Ikonoclasta, nome-rebelde. Até na caligrafia.

 

Rompe imagens. Mas romper não é um ato de violência. Romper com o silêncio em Angola é um ato de valentia, inevitável para quem vê as coisas com a profundidade da alma, muito além da TV estatal. E aí, manos, nenhuma maquiagem sobrevive à festa. Muito menos um festim de 37, 38, 39 anos...

 

Beirão, nome-força.

 

Mano, se você soubesse tantos e quantos estamos neste momento pensando em ti, orando por ti, lutando por ti. Mas, espera, você sabe! Desde a certeza da convicção não tem solidão.

 

Força, mano, que estás acompanhado.

 

Nota:

 

Mais sobre o contexto nesta excelente reportagem na Pública

 

 

Marcelo Luis B. Santos é consultor e educador em Comunicação e Democracia.

Twitter: @celoo

Recomendar
Última atualização em Quarta, 21 de Outubro de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates