topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
PEC 71 põe em xeque a omissão de ministro da Justiça e extremismo dos ruralistas Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Santili   
Terça, 22 de Setembro de 2015
Recomendar

 

 

 

No início do mês, o Senado aprovou, por unanimidade, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 71 que introduz o direito à indenização aos portadores de títulos legítimos de propriedade incidentes sobre terras reconhecidas e demarcadas como indígenas (saiba mais).

 

Atualmente, nessas demarcações, só são indenizadas as benfeitorias realizadas a partir da ocupação de boa fé, mas não a terra, como ocorre nos processos de desapropriação para a reforma agrária, para a titulação de quilombos ou para a criação de unidades de conservação ambiental.

 

A nulidade dos títulos incidentes sobre Terras Indígenas (TIs), consagrada na Constituição vigente e na tradição constitucional brasileira, fez todo sentido para isentar a demarcação dessas áreas dos entraves constituídos pelo acúmulo histórico de grilagem e de titulações indevidas que ocorrem em várias partes do território brasileiro.

 

Porém, as demarcações pendentes estão hoje concentradas no centro-sul do país e em áreas que foram tituladas pelo próprio poder público que, agora, as reconhece como indígenas, devendo, portanto, compensar os que foram legitimamente titulados antes.

 

A aprovação da PEC 71 pelo Senado (agora PEC 132/2015 da Câmara) foi uma resposta ponderada e concreta a deputados ruralistas radicais, que haviam protestado contra a rejeição, pela maioria dos senadores, de outra PEC, a 215, que pretende inviabilizar as demarcações pendentes e violentar os direitos dos índios, estimulando conflitos em vez de resolvê-los, ao transferir do governo federal para o Congresso a atribuição de aprovar as demarcações.

 

O Senado teve o cuidado de melhorar o texto original da PEC 71, instituindo o direito à indenização nos processos demarcatórios homologados a partir de outubro de 2013, de modo a incluir os principais casos com conflitos graves, mas sem retroagir às demarcações anteriores, que ficam consolidadas. Também incluiu a previsão constitucional para a utilização de Títulos da Dívida Agrária (TDAs), além de dinheiro, como forma de pagamento, conforme a preferência dos indenizados, criando um instrumento indenizatório justo e viável.

 

Além disso, destaca-se a importância da aprovação unânime da proposta alcançada no Senado, que sustenta densamente a solução dada e coloca nos ombros dos deputados a responsabilidade de preservá-la nessa tumultuada conjuntura em que vive o país. Espera-se que a bancada ruralista na Câmara a aprove tal como se deu no Senado, abrindo mão de posturas radicais que possam jogar por terra a importante conquista obtida.

 

Cabe, porém, lamentar a postura irresponsável do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que, no dia seguinte à aprovação da PEC 71 no Senado, declarou-se contrário a ela. Segundo ele, a instituição do instrumento indenizatório inviabilizaria “outras” soluções. Mas não se tem notícia de que ele tenha dado solução a qualquer dos conflitos em curso ao longo dos seus cinco anos de permanência no ministério.

 

Também causou estranheza que Cardozo só tenha feito críticas à PEC após sua aprovação, que teve votos favoráveis de todos os senadores governistas. Espera-se, portanto, que a irresponsabilidade ministerial não dificulte a aprovação da PEC na Câmara.

 

Leia também:


‘Para os índios, só resta retomar as terras por conta própria’ – entrevista com Sassá Tupinambá


“Não vamos deixar o agronegócio tomar o nosso país” – entrevista com cacique Babau Tupinambá


Quem vai chorar a morte de Semião Vilhalva?


Kaiowá Guarani: a bem da verdade e da justiça

 

Marcio Santili é ativista da causa indígena e fundador do Instituto Socioambiental, de onde este artigo foi retirado.

Recomendar
Última atualização em Segunda, 28 de Setembro de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates